Arquivo da categoria: Textos Divs (Matérias e Publicações, etc…)

66 Fatores conhecidos que causam falsos-positivos em testes de HIV

66 Fatores conhecidos que causam falsos-positivos em testes de HIV
Lista e referências compiladas por Christine Johnson

1. Anti-carbohydrate antibodies (52,19,13)
2. Naturally-occurring antibodies (5,19)
3. Passive immunization: receipt of gamma globulin or immune globulin (as prophylaxis against infection which contains antibodies) (18, 26, 60, 4, 22, 42, 43, 13)
4. Leprosy (2, 25)
5. Tuberculosis (25)
6. Mycobacterium avium (25)
7. Systemic lupus erythematosus (15, 23)
8. Renal (kidney) failure (48, 23, 13)
9. Hemodialysis/renal failure (56, 16, 41, 10, 49)
10. Alpha interferon therapy in hemodialysis patients (54)
11. Flu (36)
12. Flu vaccination (30, 11, 3, 20, 13, 43)
13. Herpes simplex I (27)
14. Herpes simplex II (11)
15. Upper respiratory tract infection (cold or flu) (11)
16. Recent viral infection or exposure to viral vaccines (11)
17. Prior pregnancy (58, 53, 13, 43, 36, 65)
18. Malaria (6, 12)
19. High levels of circulating immune complexes (6, 33)
20. Hypergammaglobulinemia (high levels of antibodies) (40, 33)
21. False positives on other tests, including RPR (rapid plasma reagent) test for syphilis (17, 48, 33, 10, 49)
22. Rheumatoid arthritis (36)
23. Hepatitis B vaccination (28, 21, 40, 43)
24. Tetanus vaccination (40)
25. Organ transplantation (1, 36)
26. Renal transplantation (35, 9, 48, 13, 56)
27. Anti-lymphocyte antibodies (56, 31)
28. Anti-collagen antibodies (found in gay men, haemophiliacs, Africans of both sexes and people with leprosy) (31)
29. Serum-positive for rheumatoid factor, antinuclear antibody (both found in rheumatoid arthritis and other autoantibodies) (14, 62, 53)
30. Autoimmune diseases (44, 29, 1O, 40, 49, 43)
31. Systemic lupus erythematosus, scleroderma, connective tissue disease, dermatomyositis Acute viral infections, DNA viral infections (59, 48, 43, 53, 40, 13)
32. Malignant neoplasms (cancers) (40)
33. Alcoholic hepatitis/alcoholic liver disease (32, 48, 40, 10, 13, 49, 43, 53)
34. Primary sclerosing cholangitis (48, 53)
35. Hepatitis (54)
36. “Sticky” blood (a condition common in people of African origin) (38, 34, 40)
37. Antibodies with a high affinity for polystyrene (used in the test kits) (62, 40, 3)
38. Blood transfusions, multiple blood transfusions (65, 63, 36, 13, 49, 43, 41)
39. Multiple myeloma (10, 43, 53)
40. HLA antibodies (to Class I and II leukocyte antigens) (7, 46, 63, 48, 10, 13, 49, 43, 53)
41. Anti-smooth muscle antibody (48)
42. Anti-parietal cell antibody (48)
43. Anti-hepatitis A IgM (antibody) (48)
44. Anti-Hbc IgM (48)
45. Administration of human immunoglobulin preparations pooled before 1985 (10)
46. Hemophilia (10, 49)
47. Hematologic malignant disorders/lymphoma (43, 53, 9, 48, 13)
48. Primary biliary cirrhosis (43, 53, 13, 48)
49. Stevens-Johnson syndrome (9, 48, 13)
50. Q-fever with associated hepatitis (61)
51. Heat-treated specimens (51, 57, 24, 49, 48)
52. Lipemic serum (blood with high levels of fat or lipids) (49)
53. Hemolyzed serum (blood where haemoglobin is separated from the red cells) (49)
54. Hyperbilirubinemia (10, 13)
55. Globulins produced during polyclonal gammopathies (which are seen in AIDS risk groups) (10, 13, 48)
56. Healthy individuals as a result of poorly-understood cross-reactions (10)
57. Normal human ribonucleoproteins (48, 13)
58. Other retroviruses (8, 55, 14, 48, 13)
59. Anti-mitochondrial antibodies (48, 13)
60. Anti-nuclear antibodies (48, 13, 53)
61. Anti-microsomal antibodies (34)
62. T-cell leukocyte antigen antibodies (48, 13)
63. Proteins on the filter paper used in test kits (13)
64. Epstein-Barr virus (37)
65. Visceral leishmaniasis (45)
66. Receptive anal intercourse (39, 64)

REFERENCES

1. Agbalika F, Ferchal F, Garnier J-P, et al. 1992. False-positive antigens related to emergence of a 25-30 kD protein detected in organ recipients. AIDS. 6:959-962.
2. Andrade V, Avelleira JC, Marques A, et al. 1991. Leprosy as a cause of false-positive results in serological assays for the detection of antibodies to HIV-1. Intl. J. Leprosy. 59:125.
3. Arnold NL, Slade RA, Jones MM, et al. 1994. Donor follow up of influenza vaccine-related multiple viral enzyme immunoassay reactivity. Vox Sanguinis. 67:191.
4. Ascher D, Roberts C. 1993. Determination of the etiology of seroreversals in HIV testing by antibody fingerprinting. AIDS. 6:241.
5. Barbacid M, Bolgnesi D, Aaronson S. 1980. Humans have antibodies capable of recognizing oncoviral glycoproteins: Demonstration that these antibodies are formed in response to cellular modification of glycoproteins rather than as consequence of exposure to virus. Proc. Natl. Acad. Sci. 77:1617-1621.
6. Biggar R, Melbye M, Sarin P, et al. 1985. ELISA HTLV retrovirus antibody reactivity associated with malaria and immune complexes in healthy Africans. Lancet. ii:520-543.
7. Blanton M, Balakrishnan K, Dumaswala U, et al. 1987. HLA antibodies in blood donors with reactive screening tests for antibody to the immunodeficiency virus. Transfusion. 27(1):118.
8. Blomberg J, Vincic E, Jonsson C, et al. 1990. Identification of regions of HIV-1 p24 reactive with sera which give “indeterminate” results in electrophoretic immunoblots with the help of long synthetic peptides. AIDS Res. Hum. Retro. 6:1363.
9. Burkhardt U, Mertens T, Eggers H. 1987. Comparison of two commercially available anti-HIV ELISA’s: Abbott HTLV-III ELA and DuPont HTLV-III ELISA. J. Med. Vir. 23:217.
10. Bylund D, Ziegner U, Hooper D. 1992 Review of testing for human immunodeficiency virus. Clin. Lab. Med. 12:305-333.
11. Challakere K, Rapaport M. 1993. False-positive human immunodeficiency virus type 1 ELISA results in low-risk subjects. West. J. Med. 159(2):214-215.
12. Charmot G, Simon F. 1990. HIV infection and malaria. Revue du practicien. 40:2141.
13. Cordes R, Ryan M. 1995. Pitfalls in HIV testing. Postgraduate Medicine. 98:177.
14. Dock N, Lamberson H, O’Brien T, et al. 1988. Evaluation of atypical human immunodeficiency virus immunoblot reactivity in blood donors. Transfusion. 28:142.
15. Esteva M, Blasini A, Ogly D, et al. 1992. False positive results for antibody to HIV in two men with systemic lupus erythematosus. Ann. Rheum. Dis. 51:1071-1073.
16. Fassbinder W, Kuhni P, Neumayer H. et al. 1986. Prevalence of antibodies against LAV/HTLV-III [HIV] in patients with terminal renal insufficiency treated with hemodialysis and following renal transplantation. Deutsche Medizinische Wochenschrift. 111:1087.
17. Fleming D, Cochi S, Steece R. et al. 1987. Acquired immunodeficiency syndrome in low-incidence areas. JAMA. 258(6):785.
18. Gill MJ, Rachlis A, Anand C. 1991. Five cases of erroneously diagnosed HIV infection. Can. Med. Asso. J. 145(12):1593.
19. Healey D, Bolton W. 1993. Apparent HIV-1 glycoprotein reactivity on Western blot in uninfected blood donors. AIDS. 7:655-658.
20. Hisa J. 1993. False-positive ELISA for human immunodeficiency virus after influenza vaccination. JID. 167:989.
21. Isaacman S. 1989. Positive HIV antibody test results after treatment with hepatitis B immune globulin. JAMA. 262:209.
22. Jackson G, Rubenis M, Knigge M, et al. 1988. Passive immunoneutralisation of human immunodeficiency virus in patients with advanced AIDS. Lancet, Sept. 17:647.
23. Jindal R, Solomon M, Burrows L. 1993. False positive tests for HIV in a woman with lupus and renal failure. NEJM. 328:1281-1282.
24. Jungkind D, DiRenzo S, Young S. 1986. Effect of using heat-inactivated serum with the Abbott human T-cell lymphotropic virus type III [HIV] antibody test. J. Clin. Micro.23:381.
25. Kashala O, Marlink R, Ilunga M. et al. 1994. Infection with human immunodeficiency virus type 1 (HIV-1) and human T-cell lymphotropic viruses among leprosy patients and contacts: correlation between HIV-1 cross-reactivity and antibodies to lipoarabionomanna. J. Infect. Dis. 169:296-304.
26. Lai-Goldman M, McBride J, Howanitz P, et al. 1987. Presence of HTLV-III [HIV] antibodies in immune serum globulin preparations. Am. J. Clin. Path. 87:635.
27. Langedijk J, Vos W, Doornum G, et al. 1992. Identification of cross-reactive epitopes recognized by HIV-1 false-positive sera. AIDS. 6:1547-1548.
28. Lee D, Eby W, Molinaro G. 1992. HIV false positivity after hepatitis B vaccination. Lancet. 339:1060.
29. Leo-Amador G, Ramirez-Rodriguez J, Galvan-Villegas F, et al. 1990. Antibodies against human immunodeficiency virus in generalized lupus erythematosus. Salud Publica de Mexico. 32:15.
30. Mackenzie W, Davis J, Peterson D. et al. 1992. Multiple false-positive serologic tests for HIV, HTLV-1 and hepatitis C following influenza vaccination, 1991. JAMA. 268:1015-1017.
31. Mathe G. 1992. Is the AIDS virus responsible for the disease? Biomed & Pharmacother. 46:1-2.
32. Mendenhall C, Roselle G, Grossman C, et al. 1986. False-positive tests for HTLV-III [HIV] antibodies in alcoholic patients with hepatitis. NEJM. 314:921.
33. Moore J, Cone E, Alexander S. 1986. HTLV-III [HIV] seropositivity in 1971-1972 parenteral drug abusers – a case of false-positives or evidence of viral exposure? NEJM. 314:1387-1388.
34. Mortimer P, Mortimer J, Parry J. 1985. Which anti-HTLV-III/LAV [HIV] assays for screening and comfirmatory testing? Lancet. Oct. 19, p873.
35. Neale T, Dagger J, Fong R, et al. 1985. False-positive anti-HTLV-III [HIV] serology. New Zealand Med. J. October 23.
36. Ng V. 1991. Serological diagnosis with recombinant peptides/proteins. Clin. Chem. 37:1667-1668.
37. Ozanne G, Fauvel M. 1988. Perfomance and reliability of five commercial enzyme-linked immunosorbent assay kits in screening for anti-human immunodeficiency virus antibody in high-risk subjects. J. Clin. Micro. 26:1496.
38. Papadopulos-Eleopulos E. 1988. Reappraisal of AIDS – Is the oxidation induced by the risk factors the primary cause? Med. Hypo. 25:151.
39. Papadopulos-Eleopulos E, Turner V, and Papadimitriou J. 1993. Is a positive Western blot proof of HIV infection? Bio/Technology. June 11:696-707.
40. Pearlman ES, Ballas SK. 1994. False-positive human immunodeficiency virus screening test related to rabies vaccination. Arch. Pathol. Lab. Med. 118-805.
41. Peternan T, Lang G, Mikos N, et al. Hemodialysis/renal failure. 1986. JAMA. 255:2324.
42. Piszkewicz D. 1987. HTLV-III [HIV] antibodies after immune globulin. JAMA. 257:316.
43. Profitt MR, Yen-Lieberman B. 1993. Laboratory diagnosis of human immunodeficiency virus infection. Inf. Dis. Clin. North Am. 7:203.
44. Ranki A, Kurki P, Reipponen S, et al. 1992. Antibodies to retroviral proteins in autoimmune connective tissue disease. Arthritis and Rheumatism. 35:1483.
45. Ribeiro T, Brites C, Moreira E, et al. 1993. Serologic validation of HIV infection in a tropical area. JAIDS. 6:319.
46. Sayers M, Beatty P, Hansen J. 1986. HLA antibodies as a cause of false-positive reactions in screening enzyme immunoassays for antibodies to human T-lymphotropic virus type III [HIV]. Transfusion. 26(1):114.
47. Sayre KR, Dodd RY, Tegtmeier G, et al. 1996. False-positive human immunodeficiency virus type 1 Western blot tests in non-infected blood donors. Transfusion. 36:45.
48. Schleupner CJ. Detection of HIV-1 infection. In: (Mandell GI, Douglas RG, Bennett JE, eds.) Principles and Practice of Infectious Diseases, 3rd ed. New York: Churchill Livingstone, 1990:1092.
49. Schochetman G, George J. 1992. Serologic tests for the detection of human immunodeficiency virus infection. In AIDS Testing Methodology and Management Issues, Springer-Verlag, New York.
50. Simonsen L, Buffington J, Shapiro C, et al. 1995. Multiple false reactions in viral antibody screening assays after influenza vaccination. Am. J. Epidem. 141-1089.
51. Smith D, Dewhurst S, Shepherd S, et al. 1987. False-positive enzyme-linked immunosorbent assay reactions for antibody to human immunodeficiency virus in a population of midwestern patients with congenital bleeding disorders. Transfusion. 127:112.
52. Snyder H, Fleissner E. 1980. Specificity of human antibodies to oncovirus glycoproteins; Recognition of antigen by natural antibodies directed against carbohydrate structures. Proc. Natl. Acad. Sci. 77:1622-1626.
53. Steckelberg JM, Cockerill F. 1988. Serologic testing for human immunodeficiency virus antibodies. Mayo Clin. Proc. 63:373.
54. Sungar C, Akpolat T, Ozkuyumcu C, et al. Alpha interferon therapy in hemodialysis patients. Nephron. 67:251.
55. Tribe D, Reed D, Lindell P, et al. 1988. Antibodies reactive with human immunodeficiency virus gag-coated antigens (gag reactive only) are a major cause of enzyme-linked immunosorbent assay reactivity in a bood donor population. J. Clin. Micro. April:641.
56. Ujhelyi E, Fust G, Illei G, et al. 1989. Different types of false positive anti-HIV reactions in patients on hemodialysis. Immun. Let. 22:35-40.
57. Van Beers D, Duys M, Maes M, et al. Heat inactivation of serum may interfere with tests for antibodies to LAV/HTLV-III [HIV]. J. Vir. Meth. 12:329.
58. Voevodin A. 1992. HIV screening in Russia. Lancet. 339:1548.
59. Weber B, Moshtaghi-Borojeni M, Brunner M, et al. 1995. Evaluation of the reliability of six current anti-HIV-1/HIV-2 enzyme immunoassays. J. Vir. Meth. 55:97.
60. Wood C, Williams A, McNamara J, et al. 1986. Antibody against the human immunodeficiency virus in commercial intravenous gammaglobulin preparations. Ann. Int. Med. 105:536.
61. Yale S, Degroen P, Tooson J, et al. 1994. Unusual aspects of acute Q fever-associated hepatitis. Mayo Clin. Proc. 69:769.
62. Yoshida T, Matsui T, Kobayashi M, et al. 1987. Evaluation of passive particle agglutination test for antibody to human immunodeficiency virus. J. Clin. Micro. Aug:1433.
63. Yu S, Fong C, Landry M, et al. 1989. A false positive HIV antibody reaction due to transfusion-induced HLA-DR4 sensitization. NEJM.320:1495. 64. National Institue of Justice, AIDS Bulletin. Oct. 1988.
64. National Institute of Justice AIDS Bulletin October 1988
65. Abbot Laboratories, literature accompanying HIV-1 EIA [ELISA] Antibody Test

 

 

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Erros, fraudes e intrigas dos cientistas

Fonte: Revista Superinteressante – fev/1994

——————————————————————

Ao longo da História, acusações de comportamento antiético levaram cientistas ao banco dos réus. Mas nunca como hoje erros e denúncias de má conduta científica foram tão freqüentes.

Deixa-se apodrecer o esperma de um homem durante quatro dias ou até que, enfim, comece a viver e mover-se. Nesse momento, ele já parece uma criatura humana, mas ainda é translúcido e carente de corpo. Após isso, passa-se a alimentá-lo diariamente, cautelosa e prudentemente, com o arcano do sangue humano, mantendo-o durante 40 semanas com o calor contínuo e igual de um ventre eqüino. Passado esse tempo, ele se transformará em um bebê vivo, como o nascido de uma mulher, só que muito menor. Trata-se do chamado homúnculo, que deve ser criado com todo cuidado e zelo, até que se desenvolva e comece a adquirir inteligência.” A fórmula, por mais absurda que seja, é de Paracelso, um dos grandes sábios da história da humanidade.

Erro ou fraude? Provavelmente, nem uma coisa nem outra. Paracelso (1493-1541), médico e alquimista, acreditava não apenas na possibilidade de criar vida a partir de esperma putrefato, mas em transformar chumbo em ouro e outras idéias que hoje nos parecem ridículas, mas que eram tidas como verdades e constituíam o grande campo de investigação dos sábios de sua época. Além disso, não havia até 1541, ano em que morreu, um método científico consolidado, capaz de se contrapor às suas convicções de que: “A imaginação tem precedência sobre tudo. Por meio dela podemos chegar a resultados verdadeiros”.

Foi somente em 1637 que René Descartes (1596-1650) em seu Discurso sobre o método iria definir a receita que os cientistas seguem até hoje em seu trabalho. Em linhas gerais, o método pode ser resumido em cinco passos: 1.º) detectar o problema ou, o que significa o mesmo, ter uma idéia; 2.º) reunir todos os dados essenciais sobre ele, eliminando o que não é substancial; 3.º) formular uma hipótese; 4.º) predizer, a partir dessa hipótese, o resultado de ensaios ainda não realizados; 5.º) se as experiências terminam como previsto, a hipótese passa a integrar uma teoria.

Esta metodologia impôs à ciência uma visão de mundo fundamentalmente impessoal e mecanicista. Nada é aceito como verdade até que tenha sido experimentalmente comprovado, sem trapaças ou “jeitinhos”. O método, por si só, não é suficiente, porém, para evitar erros, acidentes, conclusões precipitadas , fraudes e má conduta profissional, de forma geral. Afinal, até as acusações contra os pesquisadores norte-americanos Robert Gallo e seu assistente Mikulas Popovic, no que parecia o mais evidente caso de má conduta profissional dos últimos tempos, acabam de cair por terra.

Apesar da confissão de Robert Gallo, em novembro de 1993, o ORI — Escritório pela Integridade nas Pesquisas, órgão do governo dos Estados Unidos, teve de desistir das acusações de má conduta científica contra ele. Meses antes, no início de 93, Gallo havia admitido não ter sido ele o descobridor do vírus da Aids, mas o francês Jean Luc Montagnier, do Instituto Pasteur, em Paris. As acusações contra Gallo e Popovic levantaram a suspeita de um enorme iceberg, do qual só uma pequena parte é visível, de fraudes e má conduta na comunidade científica norte-americana.

Uma suspeita robustecida pela pesquisa da socióloga Judith Swazey, publicada pela American Scientist, com professores e alunos de 99 instituições acadêmicas. Dos 4 000 consultados, 1 400 recusaram-se a responder. E dos 2 600 restantes, 6% tinham conhecimento direto de uso de dados falsos em pesquisas e 9% sabiam de casos de plágio entre colegas. Pior, 44% dos estudantes e 50% dos professores se referiram a episódios de má conduta, como falsos créditos de autoria, fechar os olhos ao uso de informações falsas, desvios de verba, assédio sexual, discriminação racial, mau uso de fundos de pesquisas e negligência no cuidado com animais, pacientes humanos e regulamentos de segurança à vida.

Em um depoimento ao Congresso dos Estados Unidos, Jerome Jacobstein, da Universidade Cornell, afirmou que 25% dos comunicados científicos poderiam estar baseados em dados intencionalmente subtraídos ou manipulados. Como um reflexo dessa situação, a Academia Nacional de Ciências recebe uma média anual de 1 500 denúncias contra seus sócios por “má conduta”. Um comportamento definido da seguinte forma pela comunidade científica norte-americana:

“Considera-se má conduta a fabricação, falsificação ou plágio na proposta, execução e comunicação das experiências. Excluem-se os erros de julgamento, registro, seleção ou análise dos dados; as divergências de opinião que afetem a interpretação dos resultados e as negligências não relacionadas com o processo de pesquisa”. Mas, como determinar onde fica a fronteira entre o erro e a fraude, entre o acidente e a má conduta profissional?

Os casos de comprovada má-fé, como o do médico australiano William McBridge, são raríssimos. Foi McBridge quem, em 1961, descobriu os efeitos nocivos da talidomida sobre os fetos. Voltou à carga quase vinte anos depois, acusando o Debendox, medicamento comercializado pela Merrel Dow, de provocar os mesmos males. Dessa vez, porém, foi pilhado em flagrante falsificando os testes com o remédio. McBridge já perdeu parte de seu patrimônio, sua reputação e está ameaçado de ter cassada sua licença para exercer a medicina, em um julgamento que se arrasta há dez anos.

A demora tem sua razão de ser, pelas conseqüencias de uma condenação desse tipo. Principalmente, porque o meio científico não está imune às falsas denúncias provocadas por rivalidades, antipatias pessoais, interesses feridos, raiva, inveja e ciúme.Como qualquer personalidade pública, sejam artistas, políticos ou esportistas, os cientistas não estão livres de calúnias e intrigas. E quanto mais famosos, mais freqüentemente são vítimas desses ataques.

Gregor Mendel (1822-1884) viveu e morreu como monge em um mosteiro austríaco, em cujo pequeno jardim fez as experiências com ervilhas, a partir das quais deduziu a existência dos genes. No entanto, foi colocado sob suspeita de manipular os números de sua pesquisa para apoiar sua tese, aliás confirmada depois em todos os testes. “Mas os resultados são bons demais para serem verdadeiros”, acusaram seus críticos. Johannes Kepler (157l-1630) foi acusado de adulterar cálculos, para que se ajustassem a sua teoria de que os planetas se movem em órbitas elípticas e não circulares — e apesar disso os planetas do sistema solar continuam descrevendo órbitas elípticas.

O mais freqüente alvo dessas maledicências foi, sem dúvida, Isaac Newton (1643-1724) . Presidente da Real Academia de Ciências inglesa, Newton envolveu-se em várias polêmicas com cientistas. A mais famosa delas com Robert Hooke (1635-1703), que o acusou de plagiar seu trabalho sobre a relação matemática entre a força da gravidade e a distância (se a distância dobra, a força diminui quatro vezes. De fato, Hooke havia escrito a Newton sobre essa idéia em 1679. Mas tratava-se de uma hipótese, baseada só na intuição, e na qual Newton trabalhava havia dez anos, baseado nos estudos de Kepler. Hooke, porém, morreu acusando Newton de plágio.

Acusações infundadas, feitas de boa ou má-fé, são comuns ainda hoje. David Baltimore, presidente da Universidade Rockefeller e Prêmio Nobel de Medicina em 1975 pela descoberta de uma propriedade fundamental dos vírus causadores de câncer, foi vítima, há quatro anos, de uma acusação de má conduta científica. Baltimore e a imunóloga brasileira Thereza ImanishiKari foram apontados por um membro de sua equipe, Margot O’Toole, como tendo alterado os resultados de uma experiência genética para um artigo publicado na revista Cell. O resultado da investigação inocentou totalmente Baltimore e Thereza.

Ao contrário das acusações contra Baltimore e Thereza, parecia não haver muitas dúvidas sobre a culpa de Robert Gallo e Mikulas Popovic. Em setembro de 1983, Jean-Luc Montagnier, do InstitutoPasteur, enviou a Gallo, pesquisador do Instituto Nacional de Saúde, nos Estados Unidos, amostra de um retrovírus recém-isolado e que Montagnier havia batizado de LAV. Meses depois, Gallo anunciou em entrevista coletiva ter isolado o vírus causador da Aids, que chamou de HTLV-III. Rapidamente, os franceses protestaram, demonstrando que o material hereditário do LAV e do HTLV-III tinham 98,5% de semelhança.

O jornal americano Chicago Tribune publicou uma reportagem mostrando que o vírus alegadamente descoberto por Gallo era o mesmo de Montagnier, o que “ou era um acidente ou um furto”. A reportagem levou o Escritório pela Integridade nas Pesquisas a acusar Gallo e seu assistente Popovic por má conduta científica, com base em um artigo escrito pelos dois sobre a descoberta para a revista Science. Gallo e Popovic foram considerados culpados por seus colegas cientistas, mas recorreram a uma junta de advogados, criada pelo ORI em 1992, para apelação de suas próprias decisões.

Popovic, o primeiro a ser julgado, defendeu-se dizendo que a respeitada revista americana Science tinha revisado seu texto mas se equivocara na redação. A junta aceitou seus argumentos, exigindo que o ORI provasse que Popovic tinha a intenção de fraudar e não cometido um “erro honesto ou uma honesta diferença de interpretação”. Diante do resultado do julgamento de Popovic, o ORI resolveu retirar as denúncias também contra Gallo.

Se no tempo de Newton e Hooke o principal motivo para essas brigas era a glória da descoberta, hoje a essa glória acrescentam-se os interesses financeiros. Gallo e Montagnier chegaram a fazer um acordo, em 1987, para dividir os lucros vindos da descoberta. Claro, antes já havia a disputa pelo dinheiro dos mecenas, aristocratas ricos que patrocinavam as pesquisas. Mas acima do dinheiro impunha-se a “ciência pela ciência”.

Esse conceito foi se desfazendo ao longo dos anos, e com velocidade cada vez maior a partir do casamento da ciência com a política, durante a Segunda Guerra Mundial — mais concretamente, com o Projeto Manhattan, o programa oficial norte-americano que levou à construção da primeira bomba atômica.“Com os custos das pesquisas atingindo níveis astronômicos, o Estado assumiu um papel cada vez maior em seu financiamento”, explica Shozo Motoyama, professor de História da Ciência na Universidade de São Paulo.

Logo o casamento da ciência com a política transformou-se em um ménage à trois, ao unir-se a eles o interesse econômico. Por sua vez, ao financiarem uma pesquisa, os empresários passam a ter o poder de inclusive nomear a equipe do laboratório, o que leva a dois movimentos, aparentemente antagônicos. De um lado, a necessidade de absoluto sigilo, exigido pelos financiadores, mas prejudicial à pesquisa: é do debate aberto das idéias que surgem os avanços. Do outro, a extrema competitividade da sociedade atual leva o cientista a se sentir pressionado por seus patrocinadores, dos quais dependem seus projetos, seu cargo, seu prestígio e até seu salário.

Com isso, surgiu uma autêntica febre de publicar, que nos meios científicos é conhecida como papermania. No início do século, o número de publicações científicas em todo o mundo não passava de 7 000. Hoje, calcula-se que existam mais de 40 000 revistas e jornais especializados, publicando anualmente a média de 1 milhão de artigos. No início do século, Santiago Ramón y Cajal (1852-1934) o neurologista espanhol que ganhou o Nobel de Medicina em 1906 por estabelecer o neurônio como a célula básica do sistema nervoso, investiu quase toda sua fortuna na criação de uma revista científica, na qual ele era muitas vezes autor de todos os artigos.

Revistas como Science, e as inglesas Nature e The Lancet recebem mensalmente muito mais material do que podem aproveitar. A publicação do artigo de um cientista em uma dessas revistas é quase uma garantia de patrocínio para suas pesquisas. “Quem publica um artigo em Nature não demora a receber ofertas de trabalho e colaboração”, confirma John Maddox, diretor da revista.

Para selecionar o material recebido, as revistas científicas contratam consultores técnicos, que lêem o material dando um parecer técnico sobre sua importância e originalidade. O que gera outro tipo de problema. Não é segredo nos meios científicos que determinados consultores atrasam seu parecer — para publicar com antecedência suas próprias pesquisas ou a de seus amigos. O mais famoso caso desse tipo na história da ciência envolveu o matemático suíço Johann Bernoulli (1667-1748), acusado pelo próprio filho, Daniel (1700-1782). Em 1738, o livro Hidrodinâmica, de Daniel, estava sendo impresso quando ele foi surpreendido pelo lançamento de outra obra, de igual título e conteúdo, assinada por seu pai.

Mas a pressa em publicar resultados também pode ser fatal para a reputação do cientista. Foi o caso, afirmam seus colegas, da experiência de fusão a frio anunciada em 1989 por Martin Fleischmann e Stanley Pons. Os físicos que a repetiram não têm dúvidas que eles viram alguma coisa ocorrer, mas não o que anunciaram. Assim cometeram um erro de boa-fé. De qualquer forma, a presunção de inocência é fundamental em uma atividade eminentemente democrática — a única em que uma verdade só é aceita como tal quando passível de comprovação por qualquer pesquisador —, embora possa dificultar a punição de possíveis fraudes.

Nem mesmo o autor da fraude melhor comprovada da história da ciência — a do Homem de Piltdown, um crânio humano com mandíbula de macaco, desenterrado por Charles Dawson, em 1912 — foi desmascarado. Somente na década de 50, com a introdução dos testes com carbono-l4 para datação da idade de fósseis comprovou-se que o crânio pertencia a um Homo sapiens de 10 000 anos; e a mandíbula, envelhecida quimicamente, era bem mais recente. Apesar das suspeitas sobre Dawson e seu colega George Edward Smith, nunca se conseguiu provar quem foi o autor da fraude.

Contemporâneo de Dawson e Smith, o biólogo Paul Kammerer (1880-1926) pagou com a vida por uma fraude que nunca se provou ter sido praticada por ele. Adepto da teoria de Jean-Baptiste Lamarck (1744-1829) de que as características adquiridas acidentalmente se transmitem aos descendentes, Kammerer apresentou em 1923 o resultado de uma pesquisa para prová-la. Segundo Kammerer, em suas experiências, obrigados a se acasalarem na água, sapos-parteiros de terra firme, que não têm o polegar colorido típico da espécie que vive na água, haviam transferido a seus descendentes esse traço característico.

Em 1926, entretanto, descobriu-se que os polegares coloridos dos sapos de Kammerer haviam sido pintados. Kammerer protestou inocência e foi aberto um inquérito no Instituto de Pesquisas de Viena, onde trabalhava, para apurar o responsável pela fraude. Kammerer não esperou pelos resultados. Sentindo-se desacreditado, matou-se com um tiro na cabeça. O inquérito não encontrou evidências de que tivesse sido ele o autor da fraude.

Na busca de provas de fraudes científicas, às vezes o caçador se transforma em caça. Nos últimos dois anos, por exemplo, só dois cientistas norte-americanos foram punidos com perda de verbas e afastamento de seus cargos em casos ligados a má conduta: Walter Stewart e Ned Feder, pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde, a mesma instituição de Gallo e Popovic. Ironicamente, os dois trabalhavam em um programa de investigação de fraudes e má conduta científica e foram afastados, em abril de 1993, acusados de usar seus computadores para apurar uma acusação de plágio contra o historiador Stephen Oates, da Universidade de Massachusetts, o que estaria fora de sua área de competência. “Muita gente na comunidade de pesquisa básica acha que eles já foram tarde”, afirmou Science, a revista da Associação Americana para o Progresso da Ciência.

Etiquetado , , , , , , , , , , ,

World “HIV Fraud Liberation Day”

It may come as a shock to realize that if everyone in the world who was supposed to be HIV positive, suddenly no longer cared about this designation, and returned the diagnosis and red ribbon to the doctor or clinician who gave it to them, that no further infections would occur, no HIV would be spread, and the entire notion of this virus would disappear entirely. What would be left in this scenario is not a world plagued by HIV infection, but a world in which many people are ill for many reasons: Poverty, pharmaceutical poisoning, street drug abuse, toxic environmental poisoning, pure starvation, filthy parasite-ridden water and fear. A fear promulgated and propagated by the AIDS medical front.

The Robert Scott Bell Show is proud to present a new video documentary release from the “House of Numbers” special edition film series — “HIV Testing Exposed, Revealed and Deconstructed.”

Etiquetado , , , , , , , ,

A JORNALISTA CELIA FARBER ENTREVISTA O DR. MARCO RUGGIERO

It was the late winter of 2009 when I met Dr. Marco Ruggiero at the Rethinking AIDS (RA) Conference in Oakland, California. I’d heard of him, seen glimpses of his work, and wondered who he was, in the way I’d grown accustomed to looking at scientists through the War Lens.

Everything about Ruggiero was improbable; A full Professor of Molecular Biology, Department of Experimental Pathology and Oncology at the University of Firenze, Italy, who suddenly appeared on the HIV/AIDS scene as somebody in whom the blood-soaked distinction between orthodox and dissident appeared to have dissolved. He was both. That is to say, he came from extremely mainstream, indeed orthodox channels, yet when he dissented from said orthodoxy on the question of HIV’s pathogenesis, he apparently did so not only without trauma, but to the sound of cheering, from his Italian colleagues and peers.

No dissident would indulge me in any conversation about nationality, what it might mean: Italian.

Recall how the Italians in many ways subverted the Nazis in WW2, though they were allies.

It rarely gets said but I will say it: The HIV debate carried unspoken cargo from WW2. By and large, those from countries who experienced fascism most intimately have been those who have stood up against HIV/AIDS fascism most courageously.  It means something to them that it does not mean to American scientists.

“Science” carries history, national identity, culture. In America, the scientist has been hammered down so that he does not protrude or interfere with “the business of America.”

I was always much more interested in the characters—their moral impulses and yes, feelings—than the scientific minutae. I was interested to study and draw them.

What is “science” shucked from the human beings it manifests through?

You tell me.

The advantage of drawing “disssident” scientists is that each is unique. I am not left to draw an army, marching in lockstep with expressionless faces, denouncing open debate.

In 2009, the dissenting scientists organized around Rethinking AIDS were pretty fried, as was I.

Virtually everybody (since 1987) who had objected to HIV code (I call it “code,” not “theory”) had paid a high price, in some cases, the highest price, for their dissent and it was not exactly a barrel of monkeys to cope with it at this point. My body’s response to the abuse and stress  (after 20 years) was to develop eventually catatonic depression, pneumonia, and thyroid/adrenal collapse.

The psychosis unleashed in 1999/2000 when Thabo Mbeki registered his first objection to AZT in South Africa had ushered in a reign of professional terror and McCarthyism that left so-called dissident scientists as open prey in a society that would not and could not protect their right to conduct medical inquiry. Instead, so-called “AIDS Treatment Activists” ran media-based persecutions and show trials, as heads rolled, as professors and editors and journalists were blacklisted, slandered, accused of mass murder, and in many cases fired.  Editors groveled pitifully for the approval of the illegitimate drug-pushing AIDS mafia, each time they knocked on the door, fulminant, demanding retractions, apologies, firings, and even removals of both documentary film archives, published scientific papers, and even established editors. All these atrocities have transpired in the years of AIDS fascism. Rock stars with flagging careers joined their ranks in hopes of obtaining glory by way of claiming to save the lives of African babies and mothers, who we were meant to believe Mr. Mbeki himself, a venerated anti-Apartheid leader, wished to kill. Incidentally, throughout the Apartheid era, a full 50% of all black South African children were dead by age five from the diseases of poverty.

No matter. The script was written. Good guys and bad guys. Angels and devils. All of science was reduced to a slum, with marauding vandals smashing reputations and collecting scalps, as the mass media obediently rolled over.

I’d not heard of anybody who’d emerged unscathed. It was quite simply career suicide to object, even in the most sober of tones, to any facet of the doctrine—the code.

In addition, an internal civil war had broken out within the dissident ranks in 2008, unleashing previously repressed tribal loathing primarily from one camp which perceived another camp as having gotten everything wrong on the burning question of HIV’s isolation and existence. The perceived old guard of dissenters were attacked now from all sides, like Finland in World War 2—caught between the Soviets and the Germans, damned from all angles.

I dragged myself onto the plane to San Francisco in a depressed fog, having promised to turn up, but hoping I could hide in a corner, and generally well past despondency on the ancient prayer of clearing any of this up.

I remember very little. I was conscious only of the need to show a three minute memorial film I had made for my friend Christine Maggiore, who died in late 2008 from renal failure on a drug regimen for treatment of bi-lateral pneumonia.

I listened to Marco Ruggiero’s presentation, and it struck me that he was radiating something brand new. I wrote, “good as new,” in my near blank notepad. He cheerfully agreed to sit down and talk to me at one of the outdoor cafe tables, together with Dr. Claus Koehnlein, whose disposition remained the same as it had over the years: Steadfast, quiet, and ruefully carrying a burdensome knowledge embodied by his most famous quote, which he has said to many journalists, including me: “Well, we killed a whole generation of AIDS patients with AZT.”

Claus they never touched, by the way. He’s treated over four hundred HIV positive and/or AIDS patients since the early 80s at his practice in Kiehl, Germany, and has quietly treated them only for those symptoms they manifested, never treated their “HIV,” per se. I asked him, as I always do when I see him, how many patients he’s lost, and he said, “not many. We lost some but not many.”

Ricci Davis was with us, trying to make heads or tails of my brand new video camera, and darting off to find a blue chip which he miraculously returned with.

I turned to Dr. Ruggiero, and once again, got the distinct impression that his energy was unusual. It was bright and intact, unharmed. How could this be? Where were his battle scars? Where was his tale of loss, battery, persecution, dysfunction? Who was he and where had he come from? I prodded, asked, expecting to hear the familiar horror stories. But instead he spoke so brightly and confidently about how not only not “dangerous” these ideas were in Italy, but how appreciated they were. Tanned and serene, like he’d just sailed in, in perfect weather.

I watched him say these things and I was like a child watching a magic man with bubbles coming out of his mouth.

What?

Did he mean to say there was no war, no grubby persecutions of dissenting HIV scientists, in Italy?

Yes.

It was “not a problem,” in Italy, he kept saying and you have to hear that as he said it, with a smile, “not a problem een eeetaly.”

Really?

Yes, really.

And I just sat there, as the sun set and my tape recorder malfunctioned, and Claus Koehnlein ordered another beer and Marco Ruggiero spoke proudly of Italian scientific standards and values.

I gawked. Are you for real? Like an East German meeting a West German circa 1970, unable to fathom eating oranges or not having your underwear drawers bugged. Can I cross over to this rainbow land if I click my heels?

The meeting ended. I knew that if I ever got my energy back, I wanted to interview Marco Ruggiero.

In the summer of 2010, he attended and presented at both the orthodox and the dissident AIDS conferences in Vienna. He sent me some photos he’d taken of a fashion show in conjunction with the orthodox conference where dresses made entirely of condoms were displayed on the catwalk.

It should come as no surprise to anybody that Dr. Ruggiero has what he calls “combative genes”—his grandfather joined the army as a volunteer to fight Erwin Rommel in WW1, and his great grandmother had a liason with Giuseppe Garibaldi himself. In the Ruggiero home, (his wife is also a scientist) hangs an original letter with a photo, that Garibaldi sent her.

In January, I  finally emailed him some questions, and after a few days wait, I got his answers. The true story is even more improbable and remarkable than I realized.

———————————————————–

Q: In April of 1984, (I don’t know how old you were then) when Dr. Robert Gallo stood before the world at the famous NCI press conference and said his lab had isolated a pathogenic retrovirus that was the “probable” (Heckler) cause of AIDS, what did you think then? *

A: In April 1984 I was getting ready to move as post-doctoral fellow to Burroughs Wellcome Co., Research Triangle Park, NC. I had learned about this “new epidemic” in 1982-83, when I was serving as sub-lieutenant medical officer in the elite corps “Carabinieri”.

In fact I had been trained in non-conventional warfare (nuclear, biological and chemical) and there was interest in learning whether this “new epidemic” could have been of interest for the military both from the point of view of prevention or as a biological weapon. When we learned of Gallo’s claim, we had no opinion at that time and we just recorded his statements. Curiously enough, at Burroughs Wellcome I worked on protease inhibitors, although with objectives other that preventing retroviral replication, and, together with my supervisor, Dr. Eduardo Lapetina, we wrote a paper on protease inhibitors that was appreciated by Nobel Laureate Sir John Vane who communicated it to the National Academy of Sciences of the U.S.; the paper was published in PNAS in 1986 (Proc. Natl. Acad. Sci. USA 83: 3456-3459, l986). In the corridor next to our laboratory, other researchers were working on AZT and similar compounds, and we frequently had meetings discussing the progresses of our research.

Q: Were you trained to think that a) ‘retroviruses’ existed as a new class of viruses, that b) “they” were benign, that c) they were benign but THIS ONE was pathogenic?

A: During the years of the university as medical student (1974-1980), we received little training about retroviruses that, until that time, were considered little less than microbiological curiosities. I began to learn a little bit more about them when, after the military, I moved to the laboratory of molecular biology of the University of Firenze, directed at that time by Professor Vincenzo Chiarugi, heir of the famed Dr. Vincenzo Chiarugi, one of the founders of modern psychiatry. Vincenzo was interested in retroviruses because of viral oncogenes and thus we began studying these viruses, with particular reference to Harvey’s sarcoma virus* harbouring the ras oncogene.

One of the first oncogenes to be defined in cancer research is the ras oncogene. Mutations in the Ras family of proto-oncogenes (comprising H-Ras, N-Ras and K-Ras) are very common, being found in 20% to 30% of all human tumours. Ras was originally identified in the Harvey sarcoma virus genome, and researchers were surprised that not only was this gene present in the human genome but that, when ligated to a stimulating control element, could induce cancers in cell line cultures.

At that time we were all convinced that retroviruses caused tumours and other diseases in animals, but not in humans. At that time we were also very sceptical about HTLV-1 and 2, because these putative human oncogenic viruses did not fit in the retroviral oncogene theory that we embraced at that time. Because of this, we could not understand how, from the molecular point of view (we all were, and I still am, primarily molecular biologists), such a small retrovirus could cause so many damages. In particular, we could not identify the retroviral genes responsible for such dramatic cell damages.

Q: Do you think HIV exists as a unique and exogenous retrovirus?

A: Yes I do. However, as a scientist I rely upon data. If there are data demonstrating that the nucleotide sequence attributed to HIV is homologous to sequences present in the diploid human genome, then I shall have no difficulty in defining HIV as a human endogenous retrovirus. The entire human diploid sequence (at least the sequence of one individual) is freely accessible here: NEW INDIVIDUAL HUMAN DIPLOID GENOME. It will not be difficult for anyone who doubts of the existence of HIV to compare HIV and human sequences in order to find homologies. Such homologies have not been found so far, to my knowledge. However, there is an emerging and fascinating field: the human microbiome project (HMP) (See Also: J. Craig Venter Institute). Maybe HIV could be part of it. If we think about the implications of the HMP, then the very question about the existence of HIV or of myself has to be re-formulated. In fact, so far, I define myself as the organism coded for by my individual sequence ATGGTTAATT … and so on for about 3 billion base pairs. But, from the HMP point of view, I should now define myself as an ensemble of organisms: one of these organisms is the one coded for by ATGGTTAATT. Then there are ten times more cells of other organisms about which we know almost nothing: the entity that calls himself Marco Ruggiero in reality is not ONE organism, but an ensemble of who knows how many. The very question of individual existence is now challenged.

Q: If yes, do you think it is transmitted sexually?

A: With the caveats described above, yes, I do. However, the HMP teaches us that innumerable other micro-organisms will probably be transmitted sexually. For sexual transmission of AIDS (not HIV), please see the data on teenage sex quoted below.

Q: Do you think it “does” anything, cellularly?

A: Yes, as any other micro-organism interacting with our cells. Any retrovirus, harmless or not, by the simple fact of integrating its genome in the human genome, modifies the human genome, adding some information. Because of this, 8% of the human genome is made of retrovirus-like elements/sequences (just to give you an idea, gene sequences coding for proteins, i.e. those sequences that we refer to any time that we speak about the human genome, account only for about 1.5% of the human genome. We could say that we have more retroviral sequences than coding genes, even though such a statement is not completely correct from the molecular point of view). The main question is: does it cause cell death/damage in such a way that a disease arises? In fact, even cell death is not per se pathogenic. As a matter of fact, cell death by apoptosis is a physiological mechanism that protects us from mutations, cancer and a number of other diseases including microbial diseases. Although the evidence for an association between “signs of HIV infection” and AIDS is overwhelming, a cause and effect relationship has been very difficult to prove and such demonstrations are not convincing. I believe that there is no need to remember that the belief, correlation proves causation, is a logical fallacy by which two events that occur together are claimed to have a cause-and-effect relationship. The fallacy is also known as cum hoc ergo propter hoc (Latin for “with this, therefore because of this”) and false cause.

Q: Do you think testing HIV positive means one has been ‘infected?’

A: Any test, by definition, cannot be 100% accurate. Specificity and sensitivity often are inversely related; therefore un-specific diagnoses of HIV-positivity are likely to occur as with any other test. In general, however, once such problems have been resolved, I would say that in the presence of confirmed antibodies and detection of the so-called viral load (although often over-estimated), I would say that an encounter with the virus has occurred. However, this could simply indicate an association between two things that are not necessarily correlated with a cause and effect relationship. If we adhere to the statements of Prof. Montagnier, as I do, then the persistence of signs of HIV infection could simply be an indicator of immune system malfunction. In this interpretation, immune system malfunction is the cause and chronic HIV infection (along with other opportunistic infection) one of the effects, probably not the worst one. In other words, HIV infection could be the symptom of an existing immunodeficiency.

Q: Do you think that “getting rid of” (Montagnier) HIV is the holy grail of restoring immune function in AIDS patients?

A: If we succeed in eliminating the virus by stimulating the immune system without targeting the virus itself, this would demonstrate without any shadow of doubt what I mentioned above. This has been achieved, published in 2009 and never confuted (J Med Virol 81:16-26, 2009). We are now conducting experiments to demonstrate how does this work at the molecular level and some of our data have been published in December 2010 (Cancer Immunol Immunother). There are ongoing clinical trials with GcMAF on HIV-positive and AIDS patients in order to replicate the trials described in J Med Virol. Some of our clinical trials and case reports with GcMAF in HIV+ and AIDS patients will be presented this year at some congress and we shall try to publish them. This approach, however, is not “dissident.” At the XVIII Intl AIDS Conference in Vienna in July 2010, there were communications describing how quitting antiretroviral therapy and shifting to immunotherapy improved quality of life. In one of these communication, the Authors propose an immunotherapy slightly different than the one described in J Med Virol, but using an identical approach. From the Conference of Vienna:

Q: Describe the evolution of your thinking about HIV and AIDS, since you entered the field, and also, how these ideas evolved in Italy.

A: From 1984 until 1987, I did not care much about HIV and AIDS. While in the Military, we had determined that this was not a biological weapon and that it was restricted to risk groups (IV drug abusers and a very small percentage of active male homosexuals); by the way, the same scenario is true as of today, and we published it in the Italian Journal of Anatomy and Histology, vol. 114, 97-108, 2009. Please notice that the Italian Journal of Anatomy and Embryology is the official journal of one of the most prestigious Italian and international scientific societies, the Italian Society of Anatomy and Histology, founded in 1929. The journal is peer reviewed and listed in major indexing systems including http://www.pubmed.org . The journal has no commercial purpose and does not host advertisements. All papers are written in English. All information about the journal can be found here: Italian Journal of Anatomy and Embryology.

In 1987, I was working on intracellular signal transduction, i.e. the study of those signals that control cell proliferation, differentiation and death. I had acquired a certain expertise at Burroughs Wellcome and because of this, I was called to join the Laboratory of Cellular and Molecular Biology of the National Cancer Institute at the NIH in Bethesda. The laboratory was then directed by Dr. Stuart A. Aaronson and we were all working on oncogenes with great success. We were located at the first floor of the building, whereas Dr. Robert Gallo had his laboratory at the sixth floor. Several Italian fellows were working with Dr. Gallo and we often met at parties. In October 1987, just as I arrived at the NIH, Prof. Peter Duesberg was visiting our laboratory and we happened to share the office for some time. Needless to say, I remained fascinated by his logic and I began to be interested again in the aetiology and pathogenesis of AIDS. In a memorable lecture, where people had to stand because the main hall was too crowded, Prof. Duesberg convinced me of the correctness of his hypothesis and ever since I have been striving at finding a truly scientific way to demonstrate it. 24 years later, we think that we have found it. You remember that at time Prof. Duesberg was stating that he was not afraid to inject himself HIV provided that it did not come from Gallo’s lab. Therefore, at his farewell party the youngsters prepared a big syringe filled with pink medium, haemostatic lace, alcohol and cotton balls and we teased Peter to go ahead and test his hypothesis. We now know that such an experiment would have been useless and destined to fail. In our paper (Italian Journal of Anatomy and Histology, vol. 114, 97-108, 2009) we report that occupational exposure to HIV is uncommon, and the overall risk of seroconversion after contact with HIV positive blood is extremely low (seroconversion rate, 0–0.42%). It is calculated that, on average 99.7% of health care workers, who are exposed to HIV, will not be infected (Ippolito et al., 1993; Marcus, 1988). In general, most health care professionals found to be HIV-positive have a history of behavioural (male homosexual contact or intravenous drug use) or transfusion exposure (Chamberland et al., 1995). These published statements are for those who propose that dissidents should inject themselves with HIV if they truly believe that it is harmless; well, it has been already done thousands of times with freshly collected HIV-infected blood and it does not work!

Q: Why is it NOT as you say problematic to a career, in Italy, to posit that HIV is not the cause of AIDS? What was it that made the climate safer in Italy than in, say, the United States? You have said you are shocked by the violence perpetrated against HIV dissenters in the U.S. and other countries. Can you elaborate on this a little bit?

A: I guess that there is more than one single answer to the first question. First of all there is the historic precedent of the lack of freedom during the Fascist era. During that era, university professor could not teach freely and their lectures were controlled by the authorities. Because of this, our republican constitution guarantees, in addition to the obvious freedom of speech, a very specific freedom of teaching at the university level. No authority in Italy, including our Prime Minister, should he be interested in the topic, can forbid a university professor to freely teach any kind of theory in his field. And it happens that viruses are among the topics covered by the teaching of molecular biology, as defined and established by the Ministry of the University. As long as I teach a topic that is considered within the definition of my field of expertise, in my case molecular biology, my freedom is total and unquestioned. Of course, during the course of molecular biology I cannot teach, let’s say, a novel interpretation of history or religion. As a matter of fact, quite recently a distinguished Italian professor of microbiology, now retired, close associate of Drs. Gallo and Moore, probably upon instigation of the latter, wrote an accusatory letter to the Chief (Rettore) of my University, denouncing my teaching of “unscientific” theories (HIV is not the cause of AIDS). The Rettore (I do not know how translate this term, maybe Provost, in other words the highest authority of the University), wrote him back a three line letter (that he CC’d me) reminding him, as he should have known, that our constitution guarantees freedom of speech and freedom of teaching. And that was it. Period, end of report. Quite different than the accusations, trials and so on that Prof. Duesberg had to endure last year for an identical occurrence.

Here I refer to the differences between U.S. and Italy. In particular I refer to the management of the accusations that led to the investigation on Peter Duesberg by the University of Berkeley in the spring of 2010. Those accusations led to an investigation and to a sort of a trial on Duesberg. Identical accusations led to nothing more than a few line letter here in Firenze. In fact, having failed with Berkeley that decided, after long hearings and discussions, meeting of experts, lawyers and so on, that Peter had not done anything wrong, they tried with me. These are the details: Professor Michele La Placa, retired Professor of Microbiology, strong supporter of Drs. Gallo and Moore (refer to links below), wrote a letter to the Chief (Rettore) of the University of Firenze, denouncing my approach to HIV and AIDS. I did not read the letter that Prof. La Placa wrote to the Rettore, but I received (as cc) the letter that the Rettore wrote him. It reads (verbatim translation).

——————————————

Italian Society for Medical Virology (SIVIM) Symposium

Unical: conferenza stampa con il Prof. Robert Gallo per primi risultati del vaccino sperimentale sull’HIV

12th International Annual Meeting of IHV – Tropea-Italy, 4-8 October 2010

Dear Professor La Placa,

I acknowledge receipt of your letter of October 16, 2010 (registered with n. 20.10.2010). As far as the substance of your letter is concerned, I cannot but state that, as you should know, freedom of teaching is in our corpus of laws and it is related with the amplest sphere of freedom of expression and communication of thought guaranteed by our Constitution. Such a freedom, by the way, concerns all dimension of free cultural expression of the profession of teaching that is realized within the laws and rules concerning the matter.

Sincerely yours,

Prof. Alberto Tesi,

Rettore dell’Università di Firenze.

————————————-

It could be that in the U.S., not having experienced a dictatorial regime, you are not equipped to protect your freedom of speech that includes freedom of teaching. Here, freedom of teaching is sacred and unquestioned.

Another difference with the U.S. could lay in the fact that AIDS is a very marginal health problem in Italy and no one really cares; therefore, disputes about its causes are considered little more than extravagancies. In our beautiful region of Tuscany there have been fewer than 10 deaths per year of diagnosis in 2008 and 2009 in a population of almost 4 million residents. Teenagers happily practice promiscuous and unsafe sex (43.5% of teenagers had had actual sexual intercourse and 37.9% (males) and 26.4% (females) teenagers reported more than 3 partners. Among female teenagers reporting more than 3 partners, 45% reported using condoms), but AIDS is almost non existing among them. Heterosexuals do not use ARVs (only 17.8% of them had been treated with antiretroviral drugs prior to the diagnosis of AIDS) and as a result virtually nobody dies.

Then, there is a subtler consideration: Anti-Americanism and anti-imperialism are rampant among intellectuals all over Europe. With the advent of the Euro, the bankruptcy of once omnipotent U.S. corporations like GM and Chrysler (saved by Italian FIAT, by the way), the U.S. model of development and way of life ceased to lure Europeans. Any “American” thing is considered an expression of a failed and declining imperialism. Therefore, anyone who defies U.S.-based theories and/or interpretations, is almost automatically granted sympathy in Europe. This holds true for AIDS too. It suffices to say “that American scientist attacks me because my theory undermines his lust for money in association with the never enough vituperated Big Pharma” that any scientist or intellectual will take side on my part. Even though generalizations are wrong, here there is the perception that anything done or said by Americans is done for profit regardless of any respect for human life or values. Among highly despised corporations there are, of course, commercial publishers such as Elsevier.

Our censored article in Medical Hypotheses and all the articles and quotations about it that followed in Science and Nature, made us kind of celebrities here. We were admired for our courage to defy the overwhelming power of the corporations. Even more; we (authors) all proudly list our withdrawn Medical Hypothesis article in our CVs and it is highly valued, for example, when one of us is asking for a promotion (it is not my case because as ordinary professor I am at the vertex of the hierarchical pyramid). Last October Dr. Stefania Pacini (the corresponding author of the Medical Hypothesis paper and, incidentally, my wife) was appointed professor by a commission of Italian professors who evaluated her publications, including Med Hypo.

Another peculiar point concerns the city where I live, Firenze, the city where Galileo lived and worked, not too far from where I am sitting now. In the city of Galileo, the mere mention of the words “censorship in science” is considered blasphemy of the worst type. According to all our colleagues, whether dissidents or orthodox, the act of Elsevier of forcibly withdrawing our paper is considered the worst offence against science; we have been perceived (although vastly undeserving) as moral heirs of Galileo, persecuted because of our scientific hypotheses. As a matter of fact, when the Med Hypo article was published, the press office of the University put it in the home page of the University web site as a most distinguished accomplishment of Florentine researchers.

Similarly, the article by Prof. Bauer and myself was published by the Firenze University Press, i.e. the official publisher of the Florentine University (Above).

Just to let you know, the other day I was at a meeting with other full (ordinary) professors of the University discussing the problems of university teaching in prison (I am the Faculty’s delegate for this project); well, distinguished colleagues of human sciences stated that the authoritarian control over individual freedom was much worse in the American organization of labour (in factories or fast-food chains) that in our prisons. This is what they teach to their students. Whether is this true or not, this is the reality in our Universities. In other words, anything coming from or associated with (U.S.) corporations (such as Big Pharma or commercial publishers), here is automatically considered enemy and to fight them is considered honourable.

These considerations could also answer the second question of yours. The violence against the so- called AIDS rethinkers or dissidents, is simply unconceivable here. Whenever some European learns about it, it is considered a further proof that the so called American way of living as portrayed by Hollywood movies is a delusion and that the harsh reality of American workers, including scientists and philosophers, is much worse now in the U.S. than in Europe. The degree of freedom that we enjoy here is unprecedented. We could elaborate that prohibitionism never solved any problem, most often exacerbated it. We learned this lesson the hard way and now there is total freedom of speech and teaching. Freedom of speech and teaching about HIV and AIDS is here associated with the virtual non-existence of deaths attributed to AIDS; take your conclusions.

——————–

*Harvey murine sarcoma virus: A replication-defective mouse sarcoma virus first described by J.J. Harvey in 1964.

Source: http://www.thetruthbarrier.com/essays/40-general/213-over-the-rainbow-with-marco-ruggiero

Etiquetado , , , , , , ,

ENTREVISTA COM A DRA. ELENI PAPADOPOULOS ELEOPOULOS

Eleni Papadopoulos-Eleopoulos é biomédica e líder de um grupo de pesquisadores sobre HIV/AIDS em Perth, Austrália Ocidental. Por mais de uma década, ela e seus colegas vêm publicando muitos artigos científicos, questionando a validade da hipótese etiológica viral (HIV) da AIDS. Esta entrevista passa em revista seu trabalho e, especialmente, as visões de seu grupo sobre o vírus da AIDS propriamente dito. A entrevistadora é Christine Johnson.


(Tradução da entrevista dada pela Dra. Papadopoulos, à Christine Johnson e editada pelo periódico Continuum n. 1, vol. 5, 1 997, de Londres)

Eleni Papadopoulos-Eleopoulos é biomédica e líder de um grupo de pesquisadores sobre HIV/AIDS em Perth, Austrália Ocidental. Por mais de uma década, ela e seus colegas vêm publicando muitos artigos científicos, questionando a validade da hipótese etiológica viral (HIV) da AIDS. Esta entrevistapassa em revista seu trabalho e, especialmente, as visões de seu grupo sobre o vírus da AIDS propriamente dito. A entrevistadora é Christine Johnson.

CJ: Eleni, muito obrigada por concordar com esta entrevista.

EPE: É um prazer.

CJ: O HIV é a causa da AIDS?

EPE: Não há prova de que o HIV cause a AIDS.

CJ: Por que não?

EPE: Por muitas razões, mas, principalmente, porque não há prova de que o HIV exista.

CJ: Isso mais parece uma afirmação atrevida e incrível por se fazer.

EPE: Eu suponho que sim, no entanto é aonde minha pesquisa me leva.

CJ: Montagnier e Gallo não o isolaram? Em começos dos anos 80?

EPE: Não. Nos artigos publicados em Science pelos dois grupos de pesquisa, não há prova de isolamento de um retrovírus proveniente de pacientes de AIDS. (1,2)

CJ: Eles afirmam que realmente isolaram um vírus.

EPE: Nossa interpretação dos dados difere. (3-5)

CJ: Talvez você deva explicar o que a leva a essa visão radical.

EPE: Penso que o caminho mais breve é argüir: “-O que é um vírus?”. A resposta é bastante simples. Um vírus é uma partícula microscópica que se reproduz dentro de uma célula…

CJ: As bactérias não o fazem também?

EPE: Elas podem, mas há uma diferença muito importante. As bactérias não são obrigadas a se replicar dentro de uma célula. Os vírus, sim. Veja, o que as bactérias tomam de uma célula, ou de qualquer outra fonte inanimada de alimento e energia, é totalmente convertido na próxima geração de bactérias dentro da própria célula bacterial.

Também é desta forma que nossas células se reproduzem. Mas os vírus não podem fazer o mesmo. Uma partícula viral não é mais que poucas proteínas ligadas em torno de uma peça de DNA ou RNA, mas sem a maquinaria necessária à replicação.

CJ: Então, posto que uma célula seja uma fábrica, um vírus é um esquema que deve ocupá-la e modificar sua produção (hijack).

EPE: Não posso achar melhor analogia.

CJ: Como um vírus se replica?
EPE: Tem que atingir o interior de uma célula. Para fazê-lo, o envelope protetor da partícula viral funde-se à membrana celular, e, então, a partícula passa para o interior. Uma vez lá dentro, fazendo uso da maquinaria metabólica da célula, a partícula de vírus é desagregada. Então, com uso da mesma maquinaria, peças separadas de novos vírus são sintetizadas. Finalmente, todos os componentes virais são postos juntos, e passam para fora as novas partículas virais.

CJ: Para fora de quê?

EPE: O vírus tanto pode destruir a célula, como, no caso dos retrovírus, ter uma saída mais ordenada, brotando para fora da membrana celular. Mas isto não é o que acontece com o HIV. Diferentemente de todos os outros retrovírus, o HIV é definido como destruidor de células.

CJ: Bem, e o que dizer sobre as partículas de HIV? Você sugere que não sejam um vírus?

EPE: Para provar a existência de um vírus, você necessita de três coisas. Primeira, cultive células e encontre uma partícula que você julgue poder ser um vírus. Obviamente, no mínimo, essa partícula deve ter a aparência de um vírus. Segunda, crie um método para obtenção exclusiva dessa partícula, de modo que lhe possibilite quebrá-la em seus constituintes e analisá-la, com precisão, identificando o que a forma. Então você precisa provar que a partícula é capaz de gerar cópias fiéis de si mesma. Em outras palavras, que ela pode se replicar.

CJ: Você não pode simplesmente olhar pelo microscópio e dizer que há um vírus nas culturas?

EPE: Não, não pode. Este é todo o problema, ao colocar-se a questão de um vírus. Nem todas as partículas que parecem vírus o são de fato. Você tem que provar que toda e qualquer partícula assim denominada pode fazer cópias de si mesma. Sem replicação, não há vírus. Eu lamento, mas este é um ponto extremamente importante. A ninguém, especialmente aos virologistas, não se pode permitir esquecer disto.

CJ: Isso parece fazer sentido. Avalio que seria difícil adoecer-se, contaminando-se com uma partícula que não pode fazer cópias de si mesma.

EPE: Exatamente.

CJ: Então onde a pesquisa da AIDS falhou?

EPE: Não é bem essa a questão, onde falhou. É mais a questão do que foi deixado fora. Por alguma razão desconhecida, o velho método de isolamento retroviral usado por décadas (6, 7), para estudar retrovírus animais, não foi seguido.

CJ: Explique melhor os retrovírus antes de prosseguir.

EPE: Assim farei. Como você provavelmente sabe, o HIV é declarado ser um retrovírus. Os retrovírus são partículas incrivelmente diminutas, quase esféricas que…

CJ: Quão pequenos eles são?

EPE: Cem nanômetros (nM) em diâmetro.

CJ: E isso é quanto?

EPE: 1/10 000 de milímetro. Milhões caberiam confortavelmente na cabeça de um alfinete.

CJ: Como se pode ver, atualmente, algo tão pequeno?

EPE: Você precisa de um microscópio eletrônico. É como sabemos o tamanho e a forma das partículas retrovirais. Que eles são quase redondos e têm um envelope externo coberto por espículas e um núcleo interno, que consiste de algumas proteínas e RNA.

CJ: Então, se existe, o HIV é um vírus com RNA?

EPE: Sim. Outro ponto importante é que os retrovírus não usam diretamente seu esquema de RNA, para gerar mais vírus. De acordo com os retrovirologistas, o que os separa de quase todos os outros vírus é que os retrovírus, primeiramente, fazem uma cópia em DNA de seu RNA. Este DNA então move-se para dentro do núcleo celular, onde se torna parte do DNA celular. Este pedaço de DNA é chamado provírus e lá se aloja, hiberna, até que algo ative a célula.

CJ: O que acontece, então?

EPE: O DNA proviral é recopiado de volta em RNA e este é o RNA, não aquele primeiro, que dá as instruções necessárias para a construção de novas partículas.

CJ: Por que são chamados retrovírus?

EPE: Porque, por um longo tempo, os biólogos acreditaram que a direção da corrente de informações em todas as células dos seres vivos fluía do DNA para o RNA, e daqui para as proteínas cuja síntese é instruída por este RNA. Se dissermos que essa direção é para frente, então o que os retrovírus fazem primeiro é copiar suas informações para trás (de retro, em latim, “para trás”).

CJ: Entendido.

EPE: Há mais uma coisa. Uma das proteínas do interior da partícula retroviral é uma enzima que catalisa este processo. Não é surpresa que se chame transcriptase reversa (“que transcreve ao contrário”).

CJ: Então é isso?

EPE: Bem, eis por que são chamados retrovírus.

CJ: Você mencionou as década de uso do velho método de isolamento de retrovírus. De quantas décadas estamos falando?

EPE: Desde os anos quarenta até os setenta. Veja, os retrovírus estavam entre os primeiros vírus descobertos. Dr. Peyton Rous, do Centro Rockfeller de Nova York, primeiramente os encontrou, quando fazia experimentos com tumores musculares malignos de galinhas (8). Não que ele pudesse realmente vê-los. Isto ocorreu em 1 911. Isto não fora possível até a invenção do microscópio eletrônico e da centrífuga de alta velocidade, quando as coisas começaram a ser discernidas.

CJ: O que realmente foi discernido?

EPE: Estes dados que levaram ao método de identificação e purificação das partículas virais.

CJ: Isto é o mesmo que isolá-las?

EPE: Sim. Para purificar partículas de qualquer espécie, um cientista deve desenvolver um método de separar estas partículas que ele deseja estudar de todos os outros materiais.

CJ: Como os microscópios eletrônicos e as centrífugas de alta velocidade tornaram possível a purificação de retrovírus?

EPE: O microscópio eletrônico capacitou partículas tão diminutas a serem vistas. A outra parte foi desempenhada pela centrífuga de alta velocidade e foi extremamente importante. Descobriu-se que as partículas retrovirais têm propriedades físicas que as tornam separáveis de outros materiais em culturas de células. Esta propriedade é a flutuação (buoyance) delas, e esta foi utilizada, para purificar as partículas por um processo chamado centrifugação por declive de densidade (density gradient centrifugation).

CJ: Soa complicado.

EPE: A tecnologia é complicada, mas o conceito é extremamente simples. Você prepara um tubo de ensaio, contendo uma solução de sucrose, o açúcar comum de mesa. Mas isso é feito de tal forma, que a solução é mais leve ao nível da superfície e torna-se cada vez mais pesada, ou mais densa, à medida em que se aproxima do fundo. Enquanto isso, você cultiva quaisquer células que julgue conter os seus retrovírus e, se você estiver correto, as partículas retrovirais serão liberadas das células e passarão para os fluidos da cultura. Quando você achar que tudo estiver pronto, você retira uma amostra de fluidos da cultura e, cuidadosamente, põe uma gota dela sobre a superfície da solução de açúcar. Então você põe a girar o tubo de ensaio a velocidades extremamente altas. Isto gera forças tremendas, e as partículas presentes nessa gota de fluido são forçadas através dessa solução de açúcar até que encontrem o ponto onde sua flutuação as impeça de caírem mais. Em outras palavras, elas são levadas pelo declive de densidade até que encontrem o ponto onde a sua própria densidade seja a mesma da região da solução de açúcar. Quando atingem este ponto, param todas juntas, ou, com se fala na linguagem dos virologistas, isto é lá onde elas se aglomeram (band). Esta aglomeração pode ser então seletivamente extraída e fotografada com um microscópio eletrônico.

CJ: E as partículas retrovirais aglomeram-se em algum ponto característico?

EPE: Sim. Em soluções de sucrose, elas se aglomeram num ponto onde a densidade é 1,16 gm/ml.

CJ: Então o exame pelo microscópio eletrônico nos diz qual o peixe que pegamos?

EPE: Não apenas isso. Esta é única forma de saber se você pegou algum. Ou absolutamente nada.

CJ: Verdade. Gallo e Montaigner não fizeram isso?

EPE: Este é um dos muitos problemas. Montaigner e Gallo realmente usaram a aglomeração por declive de densidade, mas, por alguma razão desconhecida, não publicaram nenhuma eletromicrografia do material a 1,16 gm/ml que eles, e posteriormente todos os outros, vieram a chamar puro HIV. Isto é bastante perturbador, pois o Instituto Pasteur, em 1 973, foi anfitrião de um encontro frequentado por cientistas, dos quais alguns estão entre os experts-líderes da pesquisa sobre HIV hoje. Neste encontro, o método de isolamento retroviral foi exaustivamente discutido, e a fotografia por microscópio eletrônico da aglomeração a 1,16 gm/ml por declive de densidade foi considerada absolutamente essencial.

CJ: Mas Montaigner e Gallo de fato publicaram fotografias de partículas virais.

EPE: Não. Montaigner e Gallo publicaram eletromicrografias de algumas partículas que eles declararam ser um retrovírus, o HIV. Mas apenas as fotografias não provam que partículas sejam vírus, e a existência do HIV não foi provada, fazendo uso do método apresentado no encontro de 1 973.

CJ: E qual era esse método?

EPE: Todos os passos que eu acabei de descrever-lhe. O único método científico que existe. Cultura de células, encontre a partícula, isole a partícula, quebre-a em fragmentos, encontre o que está dentro e então prove que essas partículas são capazes de se replicar, ao serem adicionadas a uma cultura de células não infectadas.

CJ: Então, antes que a AIDS surgisse, havia um método bem respaldado pela experiência, para provar a existência de retrovírus, mas nem Montaigner, nem Gallo o seguiram?

EPE: Eles utilizaram algumas técnicas, mas eles não empreenderam todos os passos, incluindo a prova de quais partículas, se é que alguma, estavam na faixa de 1,16 gm/ml do declive de densidade, que é a densidade que define as partículas retrovirais.

CJ: Mas e o que são as fotografias publicadas por eles?

EPE: As eletromicrografias publicadas por Gallo e Montaigner, assim como qualquer outra publicada até março de 1 997, são de culturas de células não purificadas. Não se trata das do declive. Antes de março deste ano, ninguém jamais havia publicado uma fotografia do declive de densidade.

CJ: Que é o que nós precisamos, para provar o isolamento de partículas retrovirais?

EPE: Sim.

CJ: A faixa de 1, 16 gm/ml pode conter outros materiais além de partículas retrovirais?

EPE: Sim. Esta é mais uma razão para a fotografia. Para ver tudo o que está se passando. Isto era conhecido há muito tempo antes da AIDS, que as partículas que se parecem com retrovírus não são o único material que pode se infiltrar naquela faixa de declive de densidade. Pequenos fragmentos celulares, alguns reconhecíveis como estruturas internas de células, ou apenas restos de células, podem se aglomerar a 1,16 gm/ml. E alguns desses materiais podem conter ácidos nucleicos e assumir a aparência de partículas retrovirais.

CJ: Que são ácidos nucleicos?

EPE: DNA e RNA.

CJ: No entanto é certo que, se as partículas retrovirais são liberadas das células sem destruí-las, deve ser possível a proteção contra a contaminação celular?

EPE: Bem, é e não é. É certo que os retrovirologistas do mundo animal estão bem conscientes desse problema e seriamente informados sobre o cuidadoso manuseio das culturas, abastecendo-as de nutrientes, para manter as células vivas. Assim, elas não se desintegram. Mas no caso do HIV, há problemas adicionais. Todos sabemos que o HIV é citopático, o que significa que mata células. Assim alguém dificilmente poderia declarar que as supostas partículas virais seriam o único material que estaria flutuando em fluidos de cultura a 1,16 gm/ml. Outro fato perturbador é que, em muitos experimentos com o HIV, as células são deliberadamente rompidas pelo cientista que conduz o experimento, como parte dele. Sabendo de tudo isto, é um completo mistério por que todos os pesquisadores de HIV puderam ter omitido o passo crucial de tirar a fotografia (eletromicrografia) do declive de densidade. (5).

CJ: Poderia ser porque a fotografia por microscópio eletrônico é altamente especializada e cara?

EPE: Pode ter sido assim nos primeiros dias, mas não depois. Nos últimos vinte anos, a microscopia eletrônica tem sido usada diariamente, na maior parte dos hospitais, para diagnosticar todos os tipos de doenças. Além do mais, há uma abundância de eletromicrografias de culturas de HIV. Apenas até este ano, por alguma razão desconhecida, não havia nenhuma do declive de densidade.

CJ: Tudo bem. Falemos agora das fotografias de declive de densidade publicadas este ano. O que nós realmente vemos nelas?

EPE: Dois grupos, um franco-alemão (9) e um do Instituto Nacional do Câncer dos E. U. A. (10), publicaram fotografias do declive de densidade. No estudo franco-alemão, as fotos são da faixa de 1,16 gm/ml. É impossível dizer de qual faixa de densidade as fotos do estudo americano foram tomadas, mas vamos assumir que são da correta 1,16 gm/ml para partículas retrovirais. A primeira coisa a dizer é que os autores destes estudos concordam que a vasta maioria do material revelado pelas fotos do declive de densidade é celular. Eles descrevem todo este material como “não viral”, ou como vírus “simulado”, ou “microvesículas”.

CJ: O que são microvesículas?

EPE: Fragmentos encapsulados de células.

CJ: Nas fotos, há alguma partícula viral?

EPE: Há algumas poucas partículas que os pesquisadores declaram retrovirais. De fato, eles declaram que essas partículas são o HIV, mas não dão a evidência do por quê.

CJ: Há muitas dessas partículas de HIV?

EPE: Não. A faixa deveria conter bilhões, e quando você tira uma eletromicrografia, eles deveriam preencher todo o quadro.

CJ: Então o material aglomerado contém apenas poucas partículas de HIV, e ,do ponto de vista das partículas de HIV, ele é meio impuro?

EPE: Sim.

CJ: E os experts comentam isso?

EPE: Dizem que o material celular “se purifica juntamente” com as partículas de HIV.

CJ: Diga-me, as poucas partículas que eles dizem ser HIVs parecem-se com retrovírus?

EPE: Elas têm apenas a mais vaga semelhança com partículas retrovirais. É certo que elas se parecem mais com partículas retrovirais do que outras partículas e materiais, mas, mesmo se elas parecessem idênticas a partículas retrovirais, você não pode dizer que são retrovírus. Mesmo Gallo admite a existência de partículas que se aglomeram a 1,16 gm/ml e que têm a aparência e as propriedades bioquímicas de retrovírus, mas que não são retrovírus, porque são incapazes de se replicar (11).

CJ: Tudo bem, mas isso à parte, qual é a diferença entre essas partículas e uma real partícula retroviral?

EPE: Gallo e todos os outros retrovirologistas, assim como Hans Gelderblom que realizou o mais dos estudos de eletromicrografia do HIV, concordam que as partículas retrovirais são quase esféricas na forma, têm um diâmetro de 100-120 nanômetros e são cobertas de espículas (12, 13). As partículas que os dois grupos declaram ser HIV não são esféricas, nenhum diâmetro é menor que 120 nM, de fato, muitas delas têm diâmetros maiores, podendo exceder em até duas vezes o permitido para um retrovírus. E nenhuma delas aparece tendo espículas.

CJ: Pode-se com tanta certeza considerar o tamanho de forma tão crítica? Muitas coisas em biologia têm uma variação de tamanhos. E os seres humanos? Há muitos que são o dobro de outros. Mas, ainda sim, todos permanecem humanos.

EPE: O que é verdadeiro para seres humanos não é verdadeiro para os retrovírus. Para começo de conversa, retrovírus não têm que crescer. Eles já nascem adultos. Então a comparação correta é entre humanos adultos. Também não há muitos humanos com doze pés de altura. De fato, o mais alto homem já registrado tinha oito pés e onze polegadas. Mas há mais do que tamanho em jogo aqui.

CJ: O que mais?

EPE: Se assumirmos que ambos os grupos, o franco-alemão e o americano, extraíram as partículas na densidade retroviral correta, então as partículas encontradas por ambos os grupos devem ter a mesma densidade, 1,16 gm/ml. Se você medir o maior e o menor diâmetros das partículas nas eletromicrografias em que eles declaram haver HIVs e tirar a média dos diâmetros e, por consideração ao argumento, assumir que todas elas são esféricas, então as partículas do estudo franco-alemão são 1,14 vezes maiores que uma partícula retroviral genuína, e as do americano, 1,96 vezes maiores. Agora, para traduzir isto em volumes, nós temos que elevar ao cubo a razão dos diâmetros. Então, se tomarmos 120 nM como o limite máximo para o diâmetro de uma partícula retroviral e fizermos as somas, as partículas do estudo franco-alemão têm 50% mais volume do que uma partícula retroviral, e as do americano têm 75% mais. E estas, as americanas, são cinco vezes mais volumosas do que as franco-alemãs.

CJ: Que nos diz o quê?

EPE: Isto nos diz que as partículas do estudo franco-alemão e do americano devem conter 50% ou 750% mais massa que partículas retrovirais genuínas.

CJ: Por que é assim?

EPE: Porque densidade é a razão da massa pelo volume. Se o volume aumenta em alguma medida, para manter a mesma densidade, a massa tem que aumentar na mesma proporção.

CJ: Sim, mas aonde quer chegar?

EPE: O ponto é que qualquer partícula retroviral genuína contém uma quantidade fixa de RNA e proteína. Nem mais, nem menos. Se este é o caso, então essas partículas são feitas de muito mais material do que um retrovírus genuíno. O que significa que, se essas partículas de diferentes tamanhos são verdadeiramente HIVs, então o HIV não pode ser um retrovírus. A outra única explicação é que as eletromicrografias não são da faixa de 1,16 gm/ml. Se este for o caso, então não temos outra escolha a não ser redefinir os retrovírus e, mais importante, desconsiderar a faixa 1,16 gm/ml como HIV. Mas se assim fizermos, toda a pesquisa realizada sobre o HIV, com emprego desta faixa, deve ser desconsiderada, porque isto é o que todos usam como HIV puro. Isto significaria que, por exemplo, esta faixa não poderia ser empregada para obtenção de proteínas e RNA como agentes de diagnóstico, para provar a infecção pelo HIV.

CJ: Você mencionou que as partículas não apresentavam espículas. Quão séria é esta deficiência?

EPE: Todos os experts em AIDS concordam que as espículas são absolutamente essenciais, para engancharem o vírus à célula. Como o primeiro passo para infectá-las. Então, se não se engancham, não há infecção. Todos os experts declaram que as espículas contém uma proteína chamada gp 120 que é o gancho das espículas que se agarra à superfície da célula que está por ser infectada (14). Se as partículas de HIV não têm espículas, como ele pode se replicar?

CJ: Quer dizer que ele não pode agarrar-se à célula, para penetrar nela?

EPE: Precisamente. E, se não se replica, o HIV não é uma partícula infecciosa.

CJ: Isso me soa como um sério problema. Como os experts respondem?

EPE: Eles evitam isso. E o problema das espículas não é nada novo. O grupo alemão chamou a atenção para isso já em fins dos anos oitenta, e, novamente, em 1 992 (15, 16). Assim que uma partícula de HIV é liberada da célula, todas as espículas desaparecem. Este fato singular tem muitas ramificações. Por exemplo, três quartos de todos os hemofílicos são positivos para os anticorpos do HIV. E a declaração é que os hemofílicos adquiriram isso como resultado de tornarem-se infectados com o HIV de infusões de fator VIII contaminado, que é necessário para o tratamento de sua deficiência de coagulação. O problema é que o fator VIII é feito de plasma. Isto é o sangue com todas as células removidas, o que significa que, se há partículas de HIV presentes no fator VIII, elas têm que estar flutuando livremente em solução. Mas, se o HIV fora da célula não tem espículas, estas partículas não têm como atingir células, para infectá-las.

CJ: Então como você explica os anticorpos contra o HIV, e a AIDS, em hemofílicos?

EPE: Meus colegas e eu vimos publicando uma série de artigos, discutindo explicações alternativas, incluindo uma análise detalhada da hemofilia num artigo encomendado para um lançamento especial de Genetica (17), dedicado à controvérsia HIV/AIDS.

CJ: Devo confessar que acho muito difícil de aceitar que os hemofílicos não se tenham infectado por concentrados coagulantes contaminados. E aposto que os hemofílicos também.

EPE: Infelizmente isso é verdade, mas talvez eu possa persuadi-la com uma explicação rápida e simples. Diga-me uma coisa. Se algum soropositivo para HIV corta-se e sangra, por quanto tempo o sangue permanece infeccioso? Fora do corpo?

CJ: De acordo com que li a respeito, por apenas algumas horas no máximo.

EPE: E por que é assim?

CJ: Porque o HIV resseca e morre. Certamente é isto que o CDC[2] afirma (18).

EPE: OK. Deixe-me perguntar-lhe mais isto. Como é feito o fator VIII?

CJ: De sangue doado.

EPE: Certo. Você já viu um frasco de fator VIII?

CJ: Não.

EPE: Tudo bem, vou lhe contar. Ele se torna seco, escamoso, um pó amarelado e, no tempo em que é usado, já está, no mínimo, alguns meses envelhecido. Consegue ver o problema?

CJ: Consigo. Se ele é ressecado e tão envelhecido, todo HIV nele contido já estaria, há muito, morto.

EPE: Exatamente. Então, como o fator VIII causa a infecção pelo HIV e a AIDS em hemofílicos?

CJ: Eu não sei, mas acho que estou começando a ver por que o seu grupo não é propriamente considerado a “sobremesa predileta”. Talvez não tivéssemos melhor resultado, se desviássemos para uma discussão sobre hemofilia. Por que você pensa que, até agora, a maior parte dos experts em AIDS estiveram bastante felizes em encarar o material da faixa de 1,16 gm/ml como HIV puro?

EPE: Acho prematuro assumir que essas fotografias tenham mudado a mentalidade de quem quer que seja sobre o fato de a faixa de 1,16 gm/ml do declive de densidade ser qualquer coisa, menos HIV puro.

CJ: Bem, como seu grupo responde a essas fotografias?

EPE: Sobre a evidência fornecida por essas fotografias, não há razão, para declarar que esse material seja puro, ou que contenha partículas semelhantes a retrovírus, ou apenas um retrovírus, ou, ainda mais importante, um específico, o HIV. E isto exige a posição que vimos assumindo desde o começo. E uma posição que, há muito tempo pusemos em escritos de que não há evidência que prove o isolamento de um retrovírus de pacientes de AIDS, nem daqueles em risco de desenvolvê-la.

CJ: OK. Deixemos de lado essas fotografias de março e vamos conversar sobre o que podemos deduzir do que era conhecido anteriormente. Quão sólida era a evidência, antes de março, de que o HIV existe?

EPE: Atendo-se às partículas, toda a evidência vem da eletromicrografia de todas as culturas celulares. Não de declives de densidade. Desta evidência, pode-se dizer que as culturas de células contêm uma grande variedade de partículas, algumas das quais são declaradas parecerem-se com partículas retrovirais. Isto é tudo. Nenhum dado da partícula foi levado mais adiante. Não houve purificação, não houve análise, e não houve prova de replicação. Nestas culturas, vários grupos de pesquisa, incluindo o de Hans Gelderblom e seus associados do Instituto Koch de Berlim, que são especialistas nesta área, anunciaram não apenas um grupo de partículas, mas uma atordoante variedade delas (13, 19, 20). Isto levanta várias questões. Se alguma destas partículas é realmente o que os experts chamam de HIV, o que são todas as outras? Se as partículas de HIV originam-se de tecidos de pacientes de AIDS, de onde vêm todas as outras? Quais destas partículas aglomeram-se a 1,16 gm/ml? Se as partículas de HIV causam AIDS, por que uma ou muitas das outras também não causam? Por que todas não podem causar? Ou por que a AIDS, e não as culturas, causa o aparecimento das partículas? E, quando se fala de HIV, os experts não estão de acordo com o que é a partícula de HIV. Há três subfamílias de retrovírus, e o HIV tem sido classificado por diferentes grupos de pesquisa sob duas destas subfamílias, assim como três diferentes espécies.

CJ: Onde isto nos deixa?

EPE: Não sabemos ainda o que vem a ser qualquer uma destas partículas. Não temos uma partícula definida e provada, como sendo um retrovírus, donde retirar proteínas e RNA, para usar em testes, para verificar a infecção em pessoas, nem para conduzir experimentos, para tentar entender o que está acontecendo, se há, de fato, um vírus causador de AIDS.

CJ: Tudo certo. Suponhamos que temos, de fato, um quadro de declive de densidade, e que ele contenha nada além de milhares de partículas, todas do mesmo tamanho e forma, e com espículas, para serem chamadas como partícula retroviral. Vamos em frente, para ver o que deve ser feito depois.

EPE: Os próximos passos são quebrar as partículas, identificar as proteínas e RNA contidas nelas, provar que uma das proteínas é uma enzima que transforma RNA em DNA, e, finalmente, tomar mais do declive de densidade, e provar que, quando partículas PURAS são adicionadas a culturas de células não infectadas, sejam liberadas partículas exatamente iguais e produzidas com os mesmos elementos constitutivos.

CJ: E isso foi feito?

EPE: Não, mas talvez eu possa explicar as coisas mais claramente, contando sobre o que foi feito. Alguns experimentos feitos por Gallo desde 1 984.

CJ: 1 984 já não é um pouco antigo?

EPE: Não, pois foi lá, quando a melhor pesquisa sobre isolamento do HIV foi feita. Estes experimentos são de importância vital, porque tudo que foi objeto de crédito e ensino sobre o HIV baseou-se sobre o que aconteceu lá atrás.

CJ: Tudo mesmo?

EPE: Sim, cada coisa em detalhe. Se a partícula de HIV foi isolada e, portanto, qualquer declaração de que ela exista. As proteínas usadas nos testes de detecção do HIV. O RNA usado especialmente, para diagnosticar crianças infectadas pelo HIV, e agora usado para medir a chamada carga viral. E mais. Mas a questão é elas são boas o bastante?

CJ: Boas o bastante?

EPE: Boas o bastante, para declarar a existência de um retrovírus chamado HIV, e que ele cause a AIDS.

CJ: OK. Conte-nos sobre os experimentos de Gallo. Por que ele se interessou pela AIDS?

EPE: Por volta de 1 984, Gallo já tinha passado mais de uma década pesquisando retrovírus e câncer. Ele foi um dos muitos virologistas alcançados pela década de guerra contra o câncer promovida pelo presidente Nixon. No meio dos anos setenta, Gallo declarou ter descoberto o primeiro retrovírus humano em pacientes com leucemia. Declarou que seus dados comprovavam a existência de um retrovírus que ele chamou de HL23V (11, 21). Então, exatamente como faria mais tarde para o HIV, Gallo usou reações com anticorpos, para “provar” quais proteínas eram virais nas culturas. E, não muito adiante, outros declararam ter encontrado os mesmos anticorpos em muita gente que não tinha leucemia. Contudo, alguns anos depois disto, demonstrou-se que estes mesmos anticorpos ocorriam naturalmente e que eram dirigidos contra muitas substâncias e que não tinham nada a ver com retrovírus (22, 23). Então divulgou-se que o HL23V era um grande erro. Não havia um retrovírus HL23V. Os dados de Gallo produziram um grande constrangimento, e o HL23V foi extinto. O que é interessante para nós é que a evidência usada, para declarar a prova de existência do HL23V é do mesmo tipo, para provar a existência do HIV. Na verdade, a evidência do HL23V era até melhor do que a do HIV.

CJ: Melhor em que sentido?

EPE: Bem, ao contrário do HIV, Gallo encontrou transcriptase reversa em tecido fresco. Sem ter que fazer culturas. E publicou uma eletromicrografia do material em declive de densidade a 1,16 gm/ml.

CJ: Mas, ainda assim, isso se revelou um alarme falso.

EPE: Nem mesmo Gallo fala mais sobre o HL23V. Mas, em 1 980, disse ter descoberto um outro retrovírus. Tratava-se ainda de mais dados do mesmo tipo dos pacientes de leucemia, e, desta vez, chamou-o de HTLV-1, declarando ser ele causador de um tipo muito raro de leucemia que ele, então, chamou de leucemia adulta das células T4, ATL. De fato, há alguns paralelos e paradoxos muito interessantes entre o HIV e o HTLV-1.

CJ: Quais são eles?

EPE: Afirma-se que infectam as mesmas células e que o contágio é da mesma forma. Diferentemente do HIV, o HTLV-1 não foi além de onde foi descoberto. A maior prevalência dele foi noticiada na África e no sul do Japão, e eis onde ele parou. Isto foi há mais tempo do que já conhecemos a AIDS, e não esqueçamos que, apesar de ele ter sido declarado causador de leucemia, menos de 1% dos soropositivos testados para ele vem a desenvolver a doença. Mesmo depois de quarenta anos. Estou me afastando, no entanto. O que eu estava por dizer é que muitos dos primeiros pacientes de AIDS tinham um câncer chamado sarcoma de Kaposi, assim como baixos índices das mesmas células T4 que estão presentes em quantidades excessivas em pacientes com ATL. Isto era conhecido, pois a tecnologia, para contar as diferentes cepas de linfócitos, surgiu ao mesmo tempo em que a AIDS.

CJ: Foi lançada a hipótese de que o HIV matasse as células T4?

EPE: Bem, era muito cedo para o HIV, mas lançou-se a hipótese de que algo as estava matando. Mais tarde, Gallo veio a um novo estágio de concepção, segundo a qual o HTLV-1 poderia ser o culpado, mas esta teoria era um problema, pois o alegado HTLV-1 causa a leucemia que exacerba com tantas células T4. Também, apesar da alta prevalência de anticorpos para HTLV-1 no sul do Japão, não havia casos de AIDS. Contudo, porque os homossexuais com AIDS tinham uma tão alta incidência do câncer sarcoma de Kaposi, e porque algo parecia estar afetando os seus linfócitos T4, Gallo persistiu, tentando encontrar um retrovírus, para explicar tudo isto.

CJ: O que aconteceu depois?

EPE: Gallo e seus colegas empreenderam uma série de experimentos que culminaram em quatro artigos publicados consecutivamente em Science de maio de 1 984. Isto foi um ano após o francês ter publicado o seu artigo também no mesmo periódico. O grupo de Gallo começou a fazer culturas de linfócitos de pacientes de AIDS, mas, aparentemente, nenhuma delas produzia transcriptase reversa suficiente, para convencer Gallo de que algum retrovírus estivesse presente. Nesta época, Gallo tinha um pesquisador tcheco chamado Mikulas Popovic trabalhando para ele, e, assim, ambos concordaram em misturar fluidos de cultura de dez pacientes de AIDS e juntar isto à cultura de células de leucemia. Estas haviam sido obtidas anos antes de um paciente com ATL. Feito isto, bastante transcriptase reversa foi produzida, para convencer Gallo e Popovic de que, então, eles realmente tinham um retrovírus.

CJ: Você quer dizer que um retrovírus não se desenvolvia em culturas individuais de pacientes de AIDS, mas o fez, quando as amostras foram misturadas e cultivadas?

EPE: Sim.

CJ: Isso não é um pouco confuso? Como um germe pode fazer isso? Certamente se está presente em uma das amostras, posto que as culturas sejam tratadas da mesma maneira, ele deve se desenvolver, não há dúvida?

EPE: Você acharia que sim.

CJ: E, se você mistura todas as amostras, como saberia quem tinha o vírus em primeiro lugar? Ele poderia ter vindo de apenas um dos pacientes. Gallo já foi questionado sobre isto?

EPE: Ele foi, e, num documentário para a televisão de 1 993, disse que não se importava com o fato de o vírus vir de um único, ou se de um conjunto de pacientes.

CJ: Você não disse que as células de leucemia usadas em culturas eram originariamente obtidas de um paciente com a leucemia adulta da célula T4?

EPE: Sim.

CJ: Então, certamente as culturas deviam conter muitas células T4?

EPE: Isso é verdade.

CJ: Se essas culturas eram feitas com células T4, e se o HIV as destrói, como o desenvolvimento de um vírus destruidor de células pôde ser aguardado?

EPE: Este é mais um dos problemas com a teoria viral da AIDS. Mesmo que o HIV seja declarado destruidor de células T4 e causador da AIDS nos seres humanos, e é a isto que o “AID” de AIDS se refere, a cepa de célula leucêmica, assim como o seu clone H9 que Popovic eventualmente produziu, ambas são imortais, mesmo quando infectadas com o HIV. Isto significa que, ao invés de serem destruídas pelo HIV, as células permitem o que é dito ser o HIV a se desenvolver indefinidamente. O clone H9 é largamente usado tanto em pesquisa, quanto em produção comercial do que é dito serem as proteínas do HIV para uso em kits de testes de anticorpos.

CJ: OK. O que fez Gallo, para provar que tinha isolado um retrovírus de um paciente de AIDS?

EPE: Se você ler o primeiro artigo, o que foi chamado de isolamento consistia em eletromicrografias de algumas poucas partículas em culturas, não do declive, em acusar a presença de transcriptase reversa, e em observar que alguns anticorpos presentes num paciente de hemofilia, assim como em coelhos, reagiam com algumas das proteínas nas células das culturas.

CJ: Isso foi noticiado como isolamento de um vírus?

EPE: Sim.

CJ: Isso é realmente isolamento?

EPE: Não. Isolamento significa separação de tudo o mais. Não a detecção de alguns fenômenos. A única forma de provar a existência de um agente infeccioso é isolá-lo. Eis sobre o que este debate trata.

CJ: Sim, mas, isolado ou não, como você responde às declarações de Gallo de que suas culturas fizeram um retrovírus se desenvolver?

EPE: Deixe-me repetir: não há questão sobre isolamento. Gallo não isolou um retrovírus. Não há quadros de eletromicroscopia de material aglomerado em que alguém pudesse esperar ver nada além de partículas retrovirais. Como poderia haver? Não há, de forma alguma, eletromicrografia de material aglomerado. Apenas quadros de células com incontáveis partículas flutuando ao redor, mas não extração e análise e prova de que essas partículas pudessem se replicar em outras idênticas. Mas o que nós devemos perguntar é se Gallo teve a prova, para afirmar que realmente havia detectado um retrovírus. Do nosso ponto de vista, ele não teve. É vitalmente importante, neste ponto, afirmar que a constatação de partículas e de transcriptase reversa não são prova de que um retrovírus esteja presente.

CJ: Você disse que partículas retrovirais contêm transcriptase reversa.

EPE: Elas realmente têm, de fato, a transcriptase reversa foi descoberta em retrovírus, mas há uma armadilha. E ela se compõe de duas coisas. Como a presença de transcriptase reversa é provada, e o fato de que a transcriptase reversa não é exclusiva aos retrovírus.

CJ: T. r.?

EPE: Transcriptase reversa. A existência dela é provada indiretamente. Colocando algum RNA em cultura, e observando se o DNA contendo a sequência correspondente aparece.

CJ: Você quer dizer que a presença de transcriptase reversa é suposta, a partir da habilidade de a cultura fazer esse truque particular?

EPE: Sim. Isto é medido pela demonstração do processo de transcrição reversa. Como muitos testes de enzima, o teste de transcriptase reversa mede o que ela faz, não a enzima real em si. Assim, no caso da t. r., ele mede a produção de DNA copiado de uma peça sintética de RNA introduzido em culturas. O problema é que a t. r. não é a única coisa capaz de fazer esse truque, como você diz. Outras enzimas, enzimas celulares normais podem também fazer esse truque. De fato, elas fazem isso muito bem com o mesmo RNA sintético que todos os pesquisadores de HIV introduzem em suas culturas, para copiá-lo em DNA (24), e para declarar que suas culturas contêm t. r. de HIV, e, assim, o HIV. E o que é mais, quando você lê a literatura de AIDS, torna-se aparente que alguns pesquisadores, que publicam declarações de terem isolado o HIV, não fizeram mais que detectar transcriptase reversa.

CJ: Isso é bastante desconcertante.

EPE: Há muito mais sobre a t. r.. Por exemplo, de acordo com Harold Varmus, prêmio Nobel e chefe do National Institutes of Health[3], as próprias t. r. também estão presentes em células normais. E as bactérias têm t. r.. E sabe-se que alguns dos compostos químicos que são obrigatoriamente adicionados a essas culturas causam a transcrição reversa em linfócitos normais. E células leucêmicas podem fazer o mesmo truque também, sem terem sido especialmente estimuladas , quando não são postas em cultura os tais componentes químicos, ou células de pacientes com AIDS.

CJ: Então há muitas razões possíveis para a transcriptase reversa?

EPE: Sim, e há ainda mais uma. Lembra-se que Gallo e Popovic usaram células H9, para demonstrar a existência do que eles declararam ser um novo retrovírus. Mas, como eu disse antes, se você traçar a linhagem da cepa de célula H9, ela vem da cepa de célula HUT78, uma cepa celular que começou a viver num paciente que Gallo disse ter uma forma de malignidade causada pelo HTLV-1. Se a malignidade é causada pelo HTLV-1, então o HTLV-1 e sua transcriptase reversa estarão nas mesmas células que Gallo usou, para provar a presença do HIV.

CJ: Mas, certamente, ninguém investigaria um novo retrovírus, fazendo uso de células que já contivessem outros retrovírus?

EPE: Você não pensaria assim, sobretudo desde que, um ano antes, Gallo publicara um artigo em Nature, listando as sequências genéticas do HTLV-1 na cepa celular, a partir da qual as células H9 originaram-se em última instância (25).

CJ: Então a evidência da transcriptase reversa não parece boa?

EPE: O problema da t. r. é o mesmo com toda a evidência. É o mesmo com as partículas que Gallo fotografou. Elas podiam ser as partículas de um retrovírus, a transcrição reversa podia ser causada por uma transcriptase reversa de um retrovírus, mas “podia” não é prova científica. Você não constrói teorias científicas, com o que “podia” estar acontecendo.

CJ: Mas mesmo assim, Eleni, como você pode desprezar as partículas? Elas são tão convincentes. Como você pode escapar ao fato de que, independente do quanto Gallo e todos os outros tenham se desviado do método tradicional para isolamento de retrovírus, há partículas naquelas culturas, e muita gente importante as encara como partículas de um retrovírus.

EPE: Aprecio seu ponto de vista, mas acho que elas têm que ser vistas com uma considerável amplidão de perspectiva. Partículas semelhantes a retrovírus são praticamente ubíquas. Nos anos setenta, tais partículas eram observadas frequentemente em tecidos de leucemia humana, em culturas de tecidos embrionários, e na maioria das placentas animais e humana. Isto é significativo, dado que a cepa de células H9 é feita de células leucêmicas, e porque Montaigner obteve suas eletromicrografias de culturas feitas com linfócitos retirados do sangue do cordão umbilical. Ainda há também um grande grupo de partículas retrovirais, classificadas como partículas do tipo C, que são encontradas em peixes, cobras, vermes, faisões, codornas, perus, ratos de árvore, cotias, tênias, insetos, assim como em mamíferos. E dentre muitas das aparências oficiais, o HIV tem sido descrito como uma partícula do tipo C, tanto por Montaigner, quanto por Gallo (26). Também há um estudo de eletromicroscopia, anunciado, em 1 988, por O’Hara e seus colegas de Harvard (27). Examinaram nódulos linfáticos entumecidos de pacientes, tanto com, quanto sem AIDS, e encontraram partículas de HIV em 90% de ambos os grupos. Eles tiveram que ceder, ao afirmarem que as partículas somente não provam infecção com HIV.

CJ: Tudo bem. Vamos deixar as partículas. E sobre os anticorpos que reagiram com as células em culturas? Certamente que devem significar algo que, normalmente, não está presente? Isto não encaixaria com um agente infeccioso viral?

EPE: Podia encaixar, mas é aquela palavra outra vez. É simplesmente impossível provar que proteínas pertençam a retrovírus, ou que anticorpos sejam causados por retrovírus, ou declarar prova de isolamento, só porque algumas coisas reagem juntas num tubo de ensaio.

CJ: Você pode explicar isso um pouco mais, por favor?

EPE: Novamente, não vamos tomar os dados mais longe do que a boa ciência o permita. Os experimentos anunciados no primeiro artigo de Gallo informam-nos que alguns anticorpos presentes num paciente com hemofilia, assim como em coelhos, reagiam com algumas proteínas em células H9 cultivadas com linfócitos de pacientes com AIDS (1).

CJ: Esses são os dados?

EPE: Estes são os dados que temos, para trabalhar. O que é importante é como os interpretamos. Então, para o que ele chamou de isolamento do HIV, Gallo tinha os anticorpos como evidência crucial. Como sabemos disto? Por duas razões. Primeiro, o que já temos dito. Gallo sabia que havia partículas que pareciam exatamente com retrovírus, que aglomeravam-se a 1,16 gm/ml, e que continham transcriptase reversa, mas que não se replicavam. Então, seja lá o que forem, não há questão sobre como surgem, não podem ser vírus. Segundo, sabemos, porque num de seus artigos, Gallo realmente comenta sobre a necessidade de ter agentes específicos, para identificar uma partícula como um vírus. E, por isto, ele quer dizer anticorpos específicos, ou proteínas. A hipótese de Gallo é que há um vírus causando a AIDS, então ele é estranho, quando infecta um paciente, e este desenvolve os anticorpos para o vírus.

CJ: Então isso funciona, tanto para frente, quanto para trás? O vírus produz anticorpos, e anticorpos podem ser utilizados, para detectar um vírus?

EPE: Não. Esse é o problema. Anticorpos não funcionam no sentido inverso. Saberemos o por quê em um minuto. O importante aqui é não esquecer a qual questão tentamos responder. Tentamos definir quais proteínas são os únicos constitutivos de uma partícula retroviral. Para mim, só há uma forma de fazê-lo. E é fácil. Definimos proteínas virais, da mesma forma que definimos nossos braços e pernas. Ou nossos rins.

CJ: O que isso significa?

EPE: Meus pedaços e peças anatômicas são meus, porque fazem parte de mim. É irrelevante, se por fora, ou por dentro. Se um de meus rins está doente e tem que ser removido, a primeira coisa que um cirurgião deve fazer, antes de me colocar na mesa de operações, é verificar e estar absolutamente certo de que se trata de mim, que sou eu. Não é diferente com os vírus. Proteínas virais são proteínas que provêm de partículas comprovadamente virais. É tão simples. Se você quer definir as proteínas de uma partícula viral, primeiro você tem que provar que TEM uma partícula retroviral.

CJ: Os anticorpos são tão imprecisos assim?

EPE: Eles são imprecisos, mas esta não é a questão aqui. Os anticorpos são irrelevantes. Você prova que proteínas provêm de uma partícula viral, isolando-a e, então, realizando a dissecção. Você não prova que proteínas são os elementos constitutivos de uma partícula retroviral, realizando reações químicas no que é, essencialmente, caldo de cultura. Isto não tem nada a ver com o nosso objetivo. E daí, que algumas proteínas e anticorpos reagem? Há muitas razões, para que essas reações ocorram.

CJ: Tais como?

EPE: Existem muitos anticorpos, e anticorpos para uma coisa podem e, de fato, reagem com outras coisas (28, 29). Imunologistas chamam isto de reações cruzadas (“cross-reactions”). Este é um fato da natureza, e isto causa problemas, porque um anticorpo que reage com proteína em cultura podia ser bem um anticorpo para alguma outra coisa inteiramente diferente. Bastante provável de ser algo que nem estivesse na cultura. Traduzindo em linguagem simples, anticorpos escolhem outros parceiros. Meu colega, Val Turner, empregou o termo “promíscuo”, para explicar este comportamento. A única forma de provar que a reação que você vê seja causada por um anticorpo que reage com uma proteína é ver, como as reações comparam-se com aquilo que você acha que significam. O que nós temos que fazer é comparar as reações contra o próprio HIV. Anticorpos são específicos para o HIV, se, e somente se, estiverem presentes apenas onde o HIV estiver presente.

CJ: Não, se o HIV faltar?

EPE: 100% específico significa que os anticorpos não reagem, quando o HIV estiver ausente. Agora, como meus colegas e eu vemos esta questão, o uso de anticorpos, para provar a existência de um retrovírus, é a cruz do problema. Esta é uma parte muito importante de nosso argumento, de forma que espero conseguir transmitir esta mensagem.

CJ: Sou toda ouvidos.

EPE: Imagine o que aconteceu antes. Há um método antigo, lógico, confiável e unânime, para provar a existência de um retrovírus. Ele não se baseia em nada além da definição de um retrovírus, como uma partícula que possui tamanho, feitio, aparência, constitutivos particulares, e a habilidade em replicar-se. Mas, por alguma razão desconhecida, este método tem sido desprezado na era do HIV. Não me pergunte por que, mas o fato é que tem sido. Em seu lugar, temos uma seleção disparatada de dados, incluindo partículas fotografadas não em declive de densidade, e alguma evidência de transcrição reversa, tanto na cultura, quanto no material que se aglomera a 1,16 gm/ml. Nada disto é prova de que um retrovírus exista nas culturas. O próprio Gallo o diz.

CJ: Estou lhe seguindo. Vá em frente.

EPE; Então aparece a idéia com os anticorpos. Se realmente há um vírus, logo, sendo estranho, ele induzirá a produção de anticorpos nas pessoas que infecta. Talvez estes anticorpos sejam realmente específicos, o que significa dizer que foram feitos apenas em resposta ao HIV e que reajam com proteínas virais e nada mais. OK. Vamos assumir que esta especificidade improvável seja um fato e vamos extrair uma decorrência ainda menos provável.

CJ: Sim?

EPE: Digamos que o que é considerado verdadeiro do assim chamado HIV também o seja para todos os anticorpos. Cada anticorpo, em particular, só reage com o que estimulou sua produção, e com mais nada. Anticorpos para o germe da tuberculose só reagem com o germe da tuberculose, e nada mais. Anticorpos para o vírus da hepatite só reagem com o vírus da hepatite, etc.. OK. Temos culturas de tecidos derivadas de pacientes com AIDS que reagem com anticorpos presentes em soro de pacientes com AIDS. O que vem depois? Sabemos que os pacientes de AIDS são infectados com muitos outros agentes. Assim, se estes outros agentes, ou partes deles, estão presentes em pacientes de AIDS, eles devem estar igualmente presentes nas suas culturas de células. Não é por isto que os trabalhadores de laboratório são vistos como em risco, por manusear essas amostras? E nós também sabemos que, apesar de serem etiquetados como imunodeficientes, todos concordam que os pacientes de AIDS têm miríades de anticorpos para todas as formas de coisas. Incluindo anticorpos contra as células T humanas, as células que compõem as culturas. Se você adiciona alguns anticorpos do mesmo tipo de pacientes a essas culturas, mesmo que cada anticorpo reaja apenas com seu par, você não esperaria ver uma profusão de reações entre uma profusão de diferentes coisas?

CJ: Vejo seu ponto. Uma vez que tudo que você vê são reações, você não pode dizer o que está reagindo com o quê.

EPE: Exatamente. Anticorpos reagem e coisas se iluminam, mas quem pôs o dedo no interruptor? E, para este argumento, tínhamos concordado que cada anticorpo estivesse dirigido apenas contra um agente e que reagisse somente com ele. E se nós trouxermos de volta a vida real, onde os anticorpos entram em reação cruzada?

CJ: Isto tudo me parece uma grande confusão. É difícil dizer de onde qualquer proteína ou anticorpo vem.

EPE: Isso é absolutamente correto. E não se deve confundir origem com composição. Certamente, você não pode provar a origem de uma proteína por uma reação de anticorpos. Por que uma reação deveria lhe dizer que uma proteína vem de uma partícula mais, do que vem de Marte? Mas você não pode provar nem a identidade. Eis por que os anticorpos não funcionam retroativamente.

CJ: Há qualquer germe em pacientes de AIDS que poderia realmente reagir, conforme acabou de dizer?

EPE: Sim. Um bom exemplo é o vírus da hepatite B. Muitos, e no caso dos hemofílicos, virtualmente todos os pacientes de AIDS são infectados com o vírus da hepatite B. E ele não apenas infecta as células do fígado. Também infecta os linfócitos T. E, estranho como isto possa parecer, o vírus da hepatite B também contém transcriptase reversa. E as pessoas produzem anticorpos para este vírus…

CJ: OK. Eu entendi.

EPE: Mas há mais coisa sobre os experimentos de Gallo. Para começo de conversa, o soro por ele utilizado vinha de um paciente com as iniciais “E. T.”. Mas E. T. não tinha realmente AIDS. Ele estava em condições conhecidas como pré-AIDS. Isto é o aumento dos nódulos linfáticos em muitas partes do corpo. Mas pré-AIDS é causada por muitos agentes infecciosos que estão presentes, por exemplo, em homens homossexuais, usuários de droga intravenosa e hemofílicos, mesmo quando não há nenhum, do que é chamado HIV, presente.

CJ: Então E. T. podia não ter tido os anticorpos do HIV?

EPE: Exatamente, e o outro quebra-cabeças são os coelhos.

CJ: Sim. Eu estava por perguntar sobre isso mesmo.

EPE: Gallo declara ter tido soro de coelhos que possuíam anticorpos específicos contra o HIV. Imagine, apenas por um momento, a cena no laboratório de Gallo. Eles tinham cultivado células H9 com linfócitos de pacientes de AIDS, e, quando estão por determinar quais proteínas se originam do presumido vírus, procuram sobre a prateleira e, oh e se admiram, descem uma garrafa etiquetada “anticorpos específicos do HIV”. Como fizeram, para arranjar estes anticorpos? Este foi o primeiro artigo que escreveram, mas já tinham uma garrafa que continha anticorpos de coelho específicos contra um vírus que estavam tratando de isolar pela primeira vez.

CJ: Bem, como fizeram isso?

EPE: Dizem que prepararam os anticorpos de coelhos, infectando-os repetidamente com o HIV. Mas, se estavam preparando anticorpos contra o HIV, teriam que ter injetado nos coelhos o HIV puro (30), o que, novamente, significa que deviam ter já isolado o que estavam tentando, então, fazer pela primeira vez. Isto não faz sentido.

CJ: Bem, se eles não injetaram puro HIV nos coelhos, o que injetaram?

EPE: Na melhor das hipóteses, fizeram uso de material aglomerado que eles e todos os outros encaram como HIV puro, a evidência é que o que eles injetaram poderia ter sido algo parecido com o que nós vemos nos quadros do estudo franco-alemão e do Instituto Nacional do Câncer norte-americano. Agora, qualquer livro de imunologia vai lhe ensinar que as proteínas são as substâncias disponíveis mais potentes para a produção de anticorpos. Ainda mais, se forem introduzidas diretamente na corrente sanguínea. Assim, ao injetarem o seu material de cultura em coelhos, mesmo que tivessem usado o material aglomerado, Gallo e Popovic teriam exposto os seus coelhos a uma multidão de proteínas celulares. Os coelhos teriam produzido, então, anrticorpos para todas essas proteínas, e, quando eles juntassem de volta esses anticorpos com o material por eles injetado, naturalmente, ocorreriam reações. É exatamente o que você poderia esperar, mas isto não faz com que o material que você injeta venha a ser um vírus. Ainda menos, um único retrovírus.

CJ: OK. Entendo o que você está dizendo. Seu argumento é que, antes que tivesse um vírus, não havia meios, para que Gallo já soubesse que havia anticorpos no paciente E. T., ou em pacientes de AIDS, ou em coelhos, que reconhecessem especificamente as proteínas do HIV.

EPE: Sim. Antes que ele tivesse um vírus, não havia como saber, se os anticorpos para o HIV existiam. Em lugar nenhum. Até mesmo para começar a falar sobre anticorpos específicos para proteínas específicas do HIV, primeiro você tem que provar que as proteínas são partes constitutivas de uma partícula semelhante a retrovírus que seja capaz de se replicar. E a única forma de fazer isto é isolar as partículas e tudo o mais que já descrevi. Você precisa do vírus ANTES que vá procurar por proteínas e anticorpos.

CJ: Bem, o que, neste mundo, são esses anticorpos nos pacientes de AIDS que todos chamam de anticorpos para o HIV?

EPE: O que meus colegas e eu vimos arguindo todos estes anos é que não há evidência de que eles sejam anticorpos para o HIV. A única forma de saber se eles são anticorpos para o HIV é conduzir o experimento, para comparar os anticorpos com o isolamento do vírus. É isto que significa ter um padrão fidedigno (“gold standart”). Fazer uso do isolamento do vírus, como meio totalmente independente, para determinar se há verdadeiramente anticorpos específicos para o HIV. Você pode conceber o HIV como padrão de garantia . Se anticorpos específicos para um retrovírus chamado HIV existem, revelar-se-ão, por reagirem apenas, quando um retrovírus chamado HIV estiver presente. Nada poderia ser mais simples. Agora, embora você não possa realizar, há um outro problema. Podia haver anticorpos específicos para o HIV, mas o que seria, se houver os não específicos?

CJ: Posso ver as pessoas ficando confusas. Pode elaborar esse ponto, por favor?

EPE: Tudo bem. O problema, ao usar anticorpos, é que pode haver dois tipos deles. Um tipo é o específico, o que significa anticorpos causados pelo HIV e nada mais, que reagem com o HIV e nada mais. O outro tipo é o não específico, o que significa anticorpos causados por outros agentes ou estímulos, que certamente reagem com estes, mas também com o HIV. Se você adiciona o soro de alguém a algumas proteínas do HIV em cultura, ou num kit de teste para detecção, e vê a reação, como você pode dizer qual dos dois tipos de

anticorpos a provocou? De fato, há três possibilidades. Todos os anticorpos são do tipo específico, ou nenhum deles é. Ou pode haver uma mistura deles. Tudo que você vê é uma reação. Alguma coisa muda de cor. E isto é tudo. Então, como você relata isto? Simples. Você faz o teste para anticorpos em todos os tipos de pacientes, alguns com AIDS, alguns que estão doentes mas não têm AIDS, e em alguns indivíduos saudáveis também. Mas, em todos os experimentos, ao mesmo tempo, você usa o HIV como critério de garantia. Para deduzir a que tipo de anticorpos pertencem. E, se anticorpos se manifestam, quando não há HIV, então estamos lidando com os do tipo não específico.

CJ: O que me diz do experimento, para classificar os anticorpos?

EPE: O experimento, que deveria ter sido feito muito antes que a testagem para anticorpos do HIV fosse introduzida em clínica médica, nunca foi feito. E, de fato, não pode ser feito, pois, até agora, ninguém isolou o HIV. Mas há bastante evidência de que pessoas reconhecidas por todos os experts como NÃO infectadas pelo vírus realmente têm anticorpos que reagem com o que é declarado serem proteínas do HIV. Então eles são não específicos para o “HIV”, e, se alguns são não específicos, como você sabe quantos? Por que não todos? Mesmo que haja apenas alguns, como você pode considerá-los à parte? A resposta é que você não pode, e isto significa que ninguém pode ser diagnosticado, fazendo uso de um teste para anticorpos. E isto também significa que os cientistas devem questionar a existência do HIV por precisamente a mesma razão que os cientistas do Sloan Kettering[4] e do Instituto Nacional do Câncer questionaram a existência do HL23V.

CJ: Então seu argumento ferve contra o fato de que os anticorpos do “HIV” não apareçam por causa de, ou por serem direcionados contra o HIV, apesar do fato de todos os chamarem de anticorpos para o “HIV”?

EPE: Isso é correto.

CJ: O que me diz das provas de que o HIV causa a AIDS? Gallo provou isto em 1 984?

EPE: Para ser justa, em seus artigos de 1 984 publicados em Science, Gallo não faz uma declaração tão direta. Ele disse que o HIV é a provável causa da AIDS. Mas mesmo esta conclusão é questionável. Mesmo se a evidência de Gallo fosse uma prova incontroversa, ele havia isolado um retrovírus obtido apenas de 26 dos 72 pacientes de AIDS. Isto são apenas 36%. E 88% dos pacientes de AIDS tinham anticorpos. E tudo isto foi feito por meio do ELISA, o teste de anticorpos menos específico. Ninguém diagnostica infecção por HIV com base em apenas um ELISA. E se o vírus estava presente em 36% dos pacientes, como 88% tinham os anticorpos? Quer dizer que havia mais pacientes com anticorpos sem vírus do que pacientes com o vírus? E não havia sequer um insinuação de prova de que o HIV estivesse matando as células T4, nem que a baixa contagem delas pudesse causar todas as doenças diagnosticadas como AIDS.

CJ: A evidência em 1 984 foi uma luz sobre o assunto?

EPE: Não havia evidência. Mas, dois anos mais tarde, quando Gallo enfrentava a acusação de ter usurpado o vírus francês, para descobrir sua versão de HIV, ele era muito mais preciso sobre seus artigos de 1 984. Ele disse que eles forneceram uma evidência em flash (“shortcut evidence”) de que o HIV era a causa da AIDS. E sua opinião não foi diferente em 1 993. Deixe-me ler-lhe as próprias palavras dele de um documentário para a televisão de 1 993, A Praga (“The Plague”):

A coercitiva evidência que convenceu a comunidade científica de que este tipo de vírus fosse a causa da AIDS veio de nós. O desenvolvimento adequado do vírus veio deste laboratório principalmente por meio de Mika Popovic. O desenvolvimento de um teste de sangue sensível e funcional. Não acho que tenhamos que debater. Acho que a história falará por si.

CJ: Os problemas que você vê nos artigos de Gallo também se aplicam aos testes usados, para diagnosticar pacientes infectados com HIV, quando as culturas não feitas?

EPE: Você quer dizer os testes de anticorpos?

CJ: Sim.

EPE: Este é o teste mesmo. Você pode ver o que aconteceu aqui? Os pesquisadores do HIV usaram alguns anticorpos em sangue de pacientes, para convencer a si mesmos de que algumas proteínas em suas culturas fossem os únicos constitutivos de uma partícula que eles dizem ser um retrovírus e chamam de HIV. Esta é a primeira coisa. Mas, ao terem feito isto, então, olharam em volta e disseram: “-O.K., se estas proteínas vêm do HIV, então os anticorpos têm que ser do HIV.”. Assim eles utilizaram uma e a mesma reação química, para provar qual era cada reagente, quando, de fato, não há meios de uma reação de anticorpos poder lhe dizer o que um reagente é, mesmo que você conheça o outro reagente, para poder começar. Eis porque você precisa de um padrão fidedigno independente como critério de garantia. Até onde se sabe, no que toca à confecção do teste, a diferença entre as culturas é que o sangue do paciente é misturado com proteínas extraídas de culturas de células H9, ou de outras, e postas todas juntas num tubo de ensaio, ou separadamente, em diminutas porções (“spots”), ao longo de uma tira de papel fina. O primeiro é chamado de ELISA, o segundo de Western Blot. Se estas proteínas reagem com o sangue, e, no Western Blot, o número e tipo de proteínas reagentes exigidas, para produzir um teste positivo, variam em todo o mundo, e este é ainda um outro problema enorme, então o paciente é considerado soropositivo para HIV.

CJ: Então o teste de anticorpos do HIV é realmente o mesmo procedimento que foi usado, para provar a existência do HIV em culturas de pacientes de AIDS em 1 984?

EPE: Sim. E também pelos franceses em 1 983. E por Gallo e seus colegas, para provar a existência do HL23V em meados dos anos setenta. Nosso grupo julga isto intrigante, que qualquer cientista pudesse encarar anticorpos que reagem com proteínas como prova de isolamento viral. Um anticorpo que se agrega a uma proteína é um vírus? O que você esperaria ver sob o microscópio eletrônico? Uma partícula com núcleo e espículas?

CJ: Então é justo dizer que os testes de anticorpos do HIV são inúteis?

EPE: Não, eles não são inúteis. Não há dúvida de que, estando-se num grupo de risco, portar esses anticorpos não é boa coisa.

CJ: O que isso pode ser?

EPE: Porque, empiricamente, tais pessoas são mais susceptíveis de desenvolverem as doenças que classificamos como AIDS. De fato, há evidência publicada no Lancet de que um teste positivo também prevê uma mortalidade mais provável de doenças que não são classificadas como AIDS (31). Mas o que os testes não fazem, ou, ao menos, não há prova de que façam, é provar a infecção pelo HIV. Ou, menos ainda, que a infecção pelo HIV seja a razão que faça as pessoas desenvolverem AIDS. Você não pode apreciar que somente a evidência do HIV cause AIDS nestes testes. Se os testes não provam infecção pelo HIV, então não há prova de que o HIV cause a AIDS (3-5, 26, 32-34).

CJ: O que me diz de um teste positivo em pessoas aparentemente sadias, fora dos grupos de risco? Elas devem se preocupar?

EPE: Não há dados, para responder a essa questão, e acho que seria impossível obtê-los. Deveria haver um experimento comparando grupos combinados de pessoas sadias com e sem os anticorpos. Em outras palavras, acompanhar pessoas com teste positivo por período de anos, para ver quem desenvolve, e quem não desenvolve AIDS. O problema é que seria muito difícil para a maior parte das pessoas, sabendo que fossem soropositivas para o HIV, assim como para seus médicos, não crerem que mais cedo, ou mais tarde, ficarão muito doentes e, eventualmente, morrerão de AIDS. E esta atitude mental pode afetar muito os resultados de tal experimento. De ambos os lados.

CJ: O quer dizer com ambos os lados?

EPE: Quero dizer que a saúde dos pacientes será afetada, sabendo que são soropositivos para o HIV, e seus médicos sentir-se-ão compelidos a oferecerem tratamentos com drogas dadas na crença de que elas são necessárias, para matar um vírus que os pacientes não têm.

CJ: As drogas sozinhas podiam ser nocivas?

EPE: Bem, o AZT, a droga original e ainda a mais largamente usada, é certamente bem conhecida por seus efeitos tóxicos, e, de fato, alguns deles imitam a AIDS.

CJ: O que me diz, se fizéssemos este experimento, e o fizéssemos às cegas, e descobríssemos que os soropositivos para o HIV têm maior probabilidade de desenvolver a AIDS do que o soronegativos? O que isto nos diria?

EPE: Com nossos dados atuais, isto significaria o mesmo que nos grupos de risco da AIDS. Gallo e seus colegas casualmente (“serendipitously”) descobriram um teste que, por alguma razão, prevê uma tendência, para ficar-se doente de certas enfermidades que são elencadas junto com a AIDS. Mas isto não prova que a ligação entre elas seja um retrovírus. Isto nunca poderá ser provado, a menos que a existência do HIV seja provada, primeiro por seu isolamento, e então usado, para validar os anticorpos como anticorpos do HIV. Mesmo assim, você não pode dizer que o HIV cause a AIDS, apenas por estar presente nestes pacientes. Associação não prova causa. Você pode estar num assalto a um banco, e não ser o ladrão. Você precisa de outros dados, para provar a causa. De fato, de acordo com a definição de AIDS do CDC, você nem mesmo precisa estar infectado com o HIV, para ser diagnosticado como doente de AIDS.

CJ: Isso soa realmente maluco.

EPE: Isto está escrito na literatura. Sob algumas circunstâncias, a definição de AIDS do CDC exige que um paciente seja diagnosticado como caso de AIDS, ainda que os testes de anticorpos sejam negativos (35).

CJ: O que me diz sobre os testes de RNA? O PCR, carga viral, e semelhantes?

EPE: Essa é outra matéria enorme, mas posso dizer apenas uma coisa. Todos esses testes são baseados sobre a combinação de uma peça de RNA ou DNA do paciente com uma peça de testagem de RNA ou DNA considerada originar-se de uma partícula chamada HIV. Você pode encarar isto como os anticorpos de coelhos. Há mais garrafas sobre a prateleira, onde se lê o rótulo “RNA de HIV”. Mas se a partícula retroviral não foi isolada, nem purificada, nem demonstrada como um retrovírus, como se pode saber de onde vem esta peça de RNA? Os próprios experts sobre o HIV afirmam que há aproximadamente cem milhões de RNAs de HIV distintos em pacientes de AIDS (36). Com esta variação enorme, pode-se pensar que um vírus seja a fonte menos provável para este tal RNA. Quero dizer, como um vírus pode ter uma variação tão grande e continuar sendo o mesmo agente? Ainda sintetizando as mesmas proteínas e induzindo os mesmos anticorpos, para serem feitos pelo corpo dos pacientes? Ainda realizando todos os mesmos truques?

CJ: Diga-me, Eleni, se não há vírus, de onde todas as coisas que Gallo e Montaigner descobriram vêm? Eu estou afirmando que você crê que eles tenham encontrado algo em suas culturas?

EPE: É claro que eles encontraram algo. Encontraram muitas coisas. Tudo que nós discutimos. E sua questão é justa. De nosso ponto de vista, é possível que a transcriptase reversa e as partículas possam ser reações produzidas, quando células de pessoas doentes são postas em cultura. Ou como resultado dos produtos químicos adicionados às culturas. Sabemos que tanto o processo normal, quanto o patológico, podem estar associados com a aparecimento de partículas semelhantes a retrovírus. Não há, absolutamente, dúvida sobre isto. O que são exatamente estas partículas? Bem, algumas podem ser nada mais que pedaços de células desintegradas. Outras certamente parecem mais uniformes e podem ser conceitualmente semelhantes a vírus, ou mesmo a retrovírus, mas, no contexto do HIV, o que realmente importa é a prova de que pelo menos uma destas variedades de partículas seja uma partícula retroviral. Mesmo se tivéssemos esta prova, a transcriptase reversa, as partículas e as proteínas poderiam vir todas de um retrovírus endógeno.

CJ: O que é um retrovírus endógeno?

EPE: Diferentemente do caso para todos os outros agentes infecciosos, o DNA humano normal contém informação retroviral que não chega a provocar uma infecção retroviral. A célula já nasce com isto. Assim, no meio de todo nosso DNA, há pedaços feitos de alguma informação retroviral, e ela pode estar latente lá por toda a sua vida, até que algo aconteça. O DNA começa a fazer RNA e, daí, as proteínas, e isto pode ir até mesmo mais longe e levar à reunião de partículas retrovirais endógenas. São chamadas endógenas, porque não se trata de algo que tenha entrado no organismo, vindo de fora. Como se supõe que o HIV seja. Algo que entra no corpo, vindo de fora, é chamado exógeno. Muito antes da era da AIDS, todos sabiam que, em células animais, a produção de retrovírus endógenos podia ocorrer espontaneamente. Você faz uma cultura de células e nada mais. Apenas deixe isso sobre mesa por alguns dias, ou talvez algumas semanas, e então, um dia, ela começa a produzir partículas semelhantes a retrovírus. Aparentemente elas não vêm de parte alguma, e o processo pode ser acelerado significativamente, e a produção de partículas aumentada, por condições que induzem a ativação celular, as mesmas condições que são obrigatórias, para a obtenção do que é chamado HIV de culturas de células. Interessante, até 1 993, nem Gallo, nem Fauci, que é outro bem conhecido pesquisador do HIV (37), aceitavam que os humanos contivessem o DNA, para produzirem retrovírus endógenos, mas agora aceita-se que o DNA retroviral endógeno forme aproximadamente 1% do DNA humano. Para registro, este é aproximadamente 3 000 vezes maior do que os experts declaram ser o tamanho do genoma do HIV. E o que é mais, novos genomas retrovirais podem surgir por rearranjos e recombinações dos genomas retrovirais preexistentes.

CJ: Então o HIV poderia ser um retrovírus endógeno?

EPE: Há muitas explicações para os fenômenos de laboratório tomados como prova para a existência do HIV. Comentamos todas, num artigo muito longo que escrevemos para a revista Continuum de outubro último (38).

CJ: Você pode discernir separadamente endógeno e exógeno?

EPE: Não. Os retrovírus produzidos endogenamente são, morfológica e bioquimicamente, indistinguíveis dos retrovírus exógenos.

CJ: Se o HIV for um vírus endógeno, por que os pacientes de AIDS produziriam tais vírus, enquanto nós, não?

EPE: Porque os pacientes estão doentes. De fato, eles estão doentes bem antes de desenvolverem AIDS. Assim suas células estão doentes, e suas células doentes encontram-se nas condições favoráveis de cultura, para serem ativadas. Eis o que é necessário, para produzir vírus endógenos, e isto é bem conhecido há décadas. Também os agentes para os quais os pacientes são expostos induzem as condições favoráveis, ou as condições de cultura desempenham uma parte. Talvez a maior. Não sei qual contribuição é a maior, mas isto podia ter sido determinado há muito tempo atrás, se os primeiros pesquisadores de HIV tivessem incluído experimentos de controle.

CJ: O que são eles?

EPE: Quando você faz uma cultura de, digamos, linfócitos de pacientes de AIDS com algumas células H9 com todos os compostos químicos que devem ser adicionados, para que a cultura produza “HIVs”, você realmente não sabe se o que você encontra é a diferença que põe os pacientes de AIDS à parte de todos os outros. E se você encontrasse exatamente as mesmas coisas em pacientes similares que não têm AIDS? Então, para convencer-se de que o que você encontrou e chama de HIV esteja presente apenas em pacientes de AIDS e que, portanto, pudesse ter algo a ver com AIDS, você tem que lançar mão de controles. Eles são experimentos que correm em paralelo com o experimento principal conduzido exatamente da mesma maneira, fazendo uso do mesmo material. A diferença é a única variável que você está buscando.

CJ: Pode explicar isso mais?

EPE: Um controle seria uma cultura de células de alguns pacientes da mesma idade e sexo, com o mesmo nível de exposição a fatores ambientais daqueles que estão doentes com enfermidades parecidas com a AIDS, mas que não são AIDS. Ainda melhor, se as células vêm de pacientes que têm baixas contagens de células T4, e que sejam oxidados (3, 32). Os pacientes de AIDS têm ambas as anormalidades, mas não são os únicos pacientes que as têm. E não se pode esquecer de adicionar os mesmos compostos químicos a todas as culturas. Já sabemos que um destes compostos causa a transcrição reversa em linfócitos normais. Agora, se você fizesse tudo isto, você descobriria que linfócitos de homens de Nova York que estão doentes com doenças não pertencentes à AIDS também desenvolvem partículas, transcriptase reversa e reações de anticorpos, quando postos em cultura. Isto significa que deve-se ser muito cauteloso, ao interpretar estes dados, como sendo algo específico à AIDS.

CJ: Não houve controles?

EPE: Este ainda é um outro problema com muito da pesquisa sobre AIDS. Dificilmente alguém faz uso de controles, e, quando o faz, costuma ser do tipo errado.

CJ: É possível que tenhamos virado a AIDS ao avesso? Você sugeriu isto antes. Os pacientes, ou as culturas, poderiam ser os responsáveis pelo que é chamado HIV, e não o contrário?

EPE: Certo. Ter AIDS pode ser apenas uma prescrição, para desenvolver essas anormalidades. Os retrovirologistas têm se arguído se os retrovírus podem surgir como resultado de uma doença, e não vice-versa. Tomar a causa e o efeito da forma errada não é novidade na medicina. O prêmio Nobel já até foi concedido sob tais circunstâncias.

CJ: Já estamos quase na hora de terminar. Ainda tenho muitas outras questões. Primeira, quanto tempo você e seus colegas têm sustentado a visão de que o HIV possa não existir?

EPE: Desde a primeira publicação sobre o HIV. Em 1 983.

CJ: Então não se trata de algo a que vocês chegaram há pouco tempo?

EPE: Não.

CJ: Você tem publicado estas argumentações suas? Quero dizer, num jornal ou revista de ciências?

EPE: Sim. No meu primeiro artigo sobre AIDS de 1 988. Lá, pus adiante uma teoria não viral da AIDS e também incluí algo do que falamos hoje.

CJ: Onde foi publicado?

EPE: No Medical Hipothesis (3).

CJ: Não numa revista bem conhecida?

EPE: Esta é uma bem conhecida revista de idéias. Lá a discussão sobre o isolamento do HIV não foi tão franca como a que tivemos hoje, mas, naqueles idos, era virtualmente impossível questionar a existência do HIV. Era importante ser-se sutil, para conseguir-se imprimir qualquer coisa. Mesmo assim, foram necessários alguns anos, para se conseguir que o artigo fosse publicado. Inicialmente, eu o submeti a uma revista muito mais proeminente, mas foi rejeitado. Na verdade, duas vezes.

CJ: Qual revista foi essa?

EPE: Isso não tem importância. Então, em 1 988, Val Turner e eu escrevemos um artigo que expunha diretamente todos os problemas de que falamos hoje. Com ele, almejávamos o público de clínicos e o oferecemos a uma revista lida por médicos praticantes na Austrália.

CJ: Sem sorte?

EPE: Sem sorte.

CJ: Então apenas os leitores de Medical Hipotheses teriam se inteirado do que vocês pensavam há dez anos atrás?

EPE: Sim.

CJ: Você mencionou a sua teoria não viral da AIDS. Conte-me um pouco sobre ela.

EPE: Estávamos entre as primeiras pessoas do mundo, a propagar a idéia de que fatores não infecciosos explicam a AIDS em homens homossexuais, e os primeiros a propor uma teoria não infecciosa para todos os grupos de risco como um mecanismo unificador. Além do mais, nossa teoria prevê que os fatores que causam o desenvolvimento das doenças da AIDS são também responsáveis pelos fenômenos que todos os outros classificam como “isolamento” de um retrovírus de pacientes de AIDS.

CJ: Quanta reação houve à sua teoria?

EPE: Infelizmente, muito pouca, mas alguns grupos de pesquisa confirmaram nossas previsões, incluindo aquela segundo a qual os antioxidantes podem ser úteis para o tratamento de indivíduos que estão em risco de desenvolver AIDS.

CJ: Como você tem-se saído, para superar a inércia com relação a suas idéias?

EPE: Não temos tido muita sorte na imprensa científica, mas alguns homens homossexuais e organizações deles tornaram-se nossos maiores aliados. Se não fosse por eles, acho que nosso trabalho teria sido quase impossível.

CJ: Se você tivesse que denominar um único obstáculo que impede a resolução dos problemas científicos com a AIDS, qual seria ele?

EPE: Do nosso ponto de vista, o maior obstáculo para a compreensão e resolução da AIDS é o HIV.

CJ: Isto explicaria por que o seu grupo tem escrito tantos artigos contra o HIV?

EPE: Isto é bastante correto. De fato, temos escrito muito mais artigos do que os temos publicado. Infelizmente, só conseguimos imprimir aproximadamente uma dúzia deles em revistas científicas. Um dos mais importantes foi o publicado em Bio/Technology (5), que agora se chama Nature/Biotechnology. Lá afirmamos diretamente que não há prova de isolamento do HIV. Este artigo foi certamente notado, no entanto ninguém nos contestou.

CJ: Então vocês permaneceram numa minoria?

EPE: Não somos apenas uma minoria. Ainda somos os únicos a terem publicado dados em revistas científicas que questionem a existência do HIV e que argúam os testes de anticorpos para o HIV, destituindo-os do status de prova de infecção pelo retrovírus.

CJ: Eleni, por que, apesar de tudo o que explicou hoje, todo o mundo de cientistas e médicos mostra-se virtualmente tão confortável em resistir, para aceitar as evidências que vocês demonstraram?

EPE: O problema não reside na questão de aceitar as evidências. É como são interpretadas. A forma de que vejo é esta. A maioria dos cientistas e médicos que acreditam no HIV e que ele cause a AIDS assim o fazem, porque aceitam a interpretação de uma relativa minoria de experts. É totalmente irrealista esperar que todos os trabalhadores envolvidos com a AIDS analisem os dados ao grau em que fizemos. Até onde toca aos próprios experts, não sei por que interpretam os dados da forma como fazem. Posso apenas especular. Talvez, porque as fotos sejam tão fortes. Há muitos quadros que contém partículas que se parecem com vírus, e há transcriptase reversa nas culturas, assim como nas partículas. É possível conectar mentalmente partículas, transcriptase reversa e proteínas e anticorpos que reagem com proteínas, e transformar tudo isto em evidência para a existência de um retrovírus. Especialmente para um retrovirologista. Suponho ser este todo o problema. Não podemos esquecer que todos somos subjetivos e que olhamos os problemas de nossa própria perspectiva.

CJ: Bem, o mesmo não se aplica à interpretação que seu grupo faz da literatura?

EPE: Certamente que sim, mas não perca de vista um aspecto muito importante de tudo isto que não é subjetivo.

CJ: O quê?

EPE: A definição de um vírus e o método que se deve seguir, para fornecer as provas de sua existência. O mesmo método que foi endossado pelo Instituto Pasteur em 1 973. Ninguém pode negar que ele proporciona uma prova absoluta da existência de um retrovírus. E o que ninguém pode negar também é que o HIV nunca se adequou à realidade deste método. Em outras palavras, apesar de a AIDS ser uma das condições mais graves que já afetaram a espécie humana, ninguém considerou necessário usar um método comprovado, para estabelecer a existência de uma causa suposta desta terrível doença. Ao invés disto, todos optaram por um arranjo de critérios não específicos e parecem imaginar que, se você põe tudo isto junto, de alguma forma, o arranjo deve se metamorfosear na resposta correta.

CJ: Isso não tem algum mérito? E, se tudo isso forem pistas para um retrovírus, quanto mais você tem, mais próximo não estará?

EPE: Certamente que não. E se a verdadeira causa for algo completamente inesperado? Ou algo sobre que você não tenha conhecimento, ou não possa sequer imaginar? No caso de quanto mais pistas você tiver, para o que você espera, ou o que você quer que seja, o mais provável é que você se engane. O fulcro da questão é saber se você lida mais com probabilidades que com fatos. Eis o que quero dizer com lidar mais com probabilidades que com fatos. Eis o que quero dizer com subjetividade. É como um médico que vê um paciente com febre, diarréia, vômitos, fraqueza e em estado de choque, e, então, declara que a causa é cólera. Certamente que poderia ser, mas e o que dizer das dúzias de outros germes que provocam padrões similares? E se sua vida depender disto?

CJ: Vejo o seu ponto. Acha que, depois de termos visto o que realmente está no declive de densidade, a maré vai se voltar contra o HIV?

EPE: Espero que esses dados recoloquem a questão. Especialmente se o quanto mais pessoas conseguirem ver ou saber sobre isso. E isso confirma o que nosso grupo vem dizendo por um longo tempo. Na introdução do artigo franco-alemão, os autores claramente afirmam que, antes de suas fotografias, o declive de densidade a 1,16 gm/ml era “considerado conter uma população de partículas virais relativamente puras”. Eis o nosso ponto. O HIV nunca foi isolado e, pelos últimos quatorze anos, os cientistas e as companhias biomédicas têm usado este material, para obter proteínas e RNA, como se fosse puro HIV. As imagens são fortes, e isto corta ambos os caminhos.

CJ: O que você acha que deve acontecer agora à pesquisa da AIDS?

EPE: Acho que o método tradicional de isolamento viral deve ser empregado urgentemente, fazendo uso de culturas de células de pacientes de AIDS, assim como dos controles adequados. Como disse, temos que nos certificar, de uma vez por todas, se existe esta coisa chamada HIV. Ele foi tomado há quatorze anos atrás, para obter um mero punhado de imagens de microscopia eletrônica do declive de densidade e, mesmo que tivesse demonstrado nada mais que partículas de aparência correta, ainda nos ressentimos de todos os outros passos necessários, para chegarmos a um retrovírus.

CJ: Quais desses passos são os mais importantes?

EPE: Todos são importantes. Estabelecer a presença de partículas semelhantes a retrovírus em culturas, purificação e análise destas partículas, prova de que as partículas se repliquem, e prova de que os anticorpos no sangue dos pacientes que reagem com as proteínas tomadas das partículas sejam específicos.

CJ: E se esse não for o caso?

EPE: Se estes fenômenos forem observados nas culturas de controle, ou se as partículas que se aglomeram a 1,16 gm/ml tiverem a morfologia errada, ou não forem infecciosas, ou se os anticorpos presentes em pacientes de AIDS não forem específicos para estas partículas, então os pacientes de AIDS não poderão ser declarados infectados com um único vírus HIV.

CJ: Que quer dizer que o HIV possa terminar da mesma forma que o HL23V?

EPE: Isto é bastante possível. As proteínas ditas pertencentes ao HL23V foram definidas da mesma maneira que as do HIV. Por reações de anticorpos. Então, quando os anticorpos foram demonstrados serem não específicos, o HL23V desapareceu. Neste caso, isto foi relativamente fácil, porque os anticorpos ocorriam em tantas pessoas que nunca vieram a desenvolver leucemia, que foram forçosamente redefinidos como não relacionados, e isto foi finalmente comprovado no Sloan Kettering e no Instituto Nacional do Câncer (USA). Meu grupo acha que os cientistas aceitarão a mesma verdade para os anticorpos do HIV. Você vê pacientes de AIDS serem inundados com tantos anticorpos para coisas tão variadas, alguns deles poderiam reagir facilmente com duas ou três das dez proteínas presentes nos testes de “HIV”. Isto é tudo que é exigido, para ser soropositivo para o HIV. De fato, há ampla evidência de que os anticorpos produzidos com resultado de infecção com dois germes que infectam 90% dos pacientes de AIDS reagem com todas as proteínas do HIV. Tenho em mente os germes conhecidos como micobactéria e leveduras (yeasts), que, entre elas, causam duas das mais comuns doenças que definem a AIDS. Temos um artigo sobre isto na revista britânica Current Medical Research and Opinion (39). Se este é o caso, como alguém pode dizer que estes anticorpos provem a infecção pelo HIV, ou que estas doenças sejam causadas por ele?

CJ: Eleni Papadopoulos-Eleopopulos, muito obrigada por seu tempo hoje.

EPE: Foi um prazer.

—————————————————

Publicada na revista : CONTINUUM. London, autumn 1 997, vol. 5, n.1.

Referencias

1. Popovic M, Sarngadharan MG, Read E, Gallo RC. (1984). Detection, Isolation,and Continuous Production of Cytopathic Retroviruses (HTLV-III) from Patients with AIDS and Pre-AIDS. Science 224:497-500.

2. Barré-Sinoussi F, Chermann JC, Rey F. (1983). Isolation of a T-Lymphotrophic Retrovirus from a patient at Risk for Acquired Immune Deficiency Syndrome (AIDS). Science 220:868-871.

3. Papadopulos-Eleopulos E. (1988). Reappraisal of AIDS: Is the oxidation caused by the risk factors the primary cause? Medical theses 25:151-162.

4. Papadopulos-Eleopulos E, Turner VF, Papadimitriou JM. (1993). Has Gallo proven the role of HIV in AIDS? Emerg. Med. [Australia] 5(No 2):113-123.

5. Papadopulos-Eleopulos E, Turner VF, Papdimitriou JM. (1993). Is a Positive Western Blot Proof of HIV Infection? Bio/Technology 11(June):696-707.

6. Sinoussi F, Mendiola L, Chermann JC. (1973). Purification and partial differentiation of the particles of murine sarcoma virus (M. MSV) according to their sedimentation rates in sucrose density gradients. Spectra 4:237-243.

7. Toplin I. (1973). Tumor Virus Purification using Zonal Rotors. Spectra No. 4:225-235.

8. Rous P. (1911). A Sarcoma of the Fowl transmissible by an agent separable from the Tumor Cells. J Exp Med 13:397-411.

9. Gluschankof P, Mondor I, Gelderblom HR, Sattentau QJ. (1997). Cell membrane vesicles are a major contaminant of gradient-enriched human immunodeficiency virus type-1 preparations. Virol. 230:125-133.

10. Bess JW, Gorelick RJ, Bosche WJ, Henderson LE, Arthur LO. (1997). Microvesicles are a source of contaminating cellular proteins found in purified HIV-1 preparations. Virol. 230:134-144.

11. Gallo RC, Wong-Staal F, Reitz M, Gallagher RE, Miller N, Gillepsie DH. Some evidence for infectious type-C virus in humans. (1976). p. 385-405 In: Animal Virology Baltimore D, Huang AS, Fox CF, eds Academic Press Inc., New York.

12. Frank H. Retroviridae. (1987). p. 253-256 In: Animal Virus and Structure Nermut MV, Steven AC, eds Elsevier, Oxford.

13. Gelderblom HR, Özel M, Hausmann EHS, Winkel T, Pauli G, Koch MA. (1988). Fine Structure of Human Immunodeficiency Virus (HIV), Immunolocalization of Structural Proteins and Virus-Cell Relation. Micron Microscopica 19:41-60.

14. Levy JA. (1996). Infection by human immunodeficiency virus-CD4 is not enough. NEJM 335:1528-1530.

15. Gelderblom H, Reupke H, Winkel T, Kunze R, Pauli G. (1987). MHC-Antigens: Constituents of the Envelopes of Human and Simian Immunodeficiency Viruses. Z. Naturforsch 42C:1328-1334.

16. Layne SP, Merges MJ, Dembo M, et al. (1992). Factors underlying spontaneous inactivation and susceptibility to neutralization of human immunodeficiency virus. Virol. 189:695-714.

17. Papadopulos-Eleopulos E, Turner VF, Papadimitriou JM, Causer D. (1995). Fator VIII, HIV and AIDS in haemophiliacs: an analysis of their relationship. Genetica 95:25-50.

18. CDC. (1994). Facts about the human immunodeficiency virus and its transmission. CDC HIV/AIDS Prevention January.

19. Hockley DJ, Wood RD, Jacobs JP. (1988). Electron Microscopy of Human Immunodeficiency Virus. J. Gen. Virol. 69:2455-2469.

20. Lecatsas G, Taylor MB. (1986). Pleomorphism in HTLV-III, the AIDS virus. S. Afr. Med. J. 69:793-794.

21. Gallagher RE, Gallo RC. (1975). Type C RNA Tumor Virus Isolated from Cultured Human Acute Myelogenous Leukemia Cells. Science 187:350-353.

22. Snyder HW, Fleissner E. (1980). Specificity of human antibodies to oncovirus glycoproteins: Recognition of antigen by natural antibodies directed against carbohydrate structures. Proc. Natl. Acad. Sci. U S A 77:1622-1626.

23. Barbacid M, Bolognesi D, Aaronson SA. (1980). Humans have antibodies capable of recognizing oncoviral glycoproteins: Demonstration that these antibodies are formed in response to cellular modification of glycoproteins rather than as consequence of exposure to virus. Proc. Natl. Acad. Sci. U S A 77:1617-1621.

24. Weissbach A, Baltimore D, Bollum F. (1975). Nomenclature of eukaryotic DNA polymerases. Science 190:401-402.

25. Wong-Staal F, Hahn B, Manzuri V, et al. (1983). A survey of human leukemias for sequences of a human retrovirus. Nature 302:626-628.

26. Papadopulos-Eleopulos E, Turner VF, Papdimitriou JM. (1996). Virus Challenge. Continuum 4:24-27.

27. O’Hara CJ, Groopmen JE, Federman M. (1988). The Ultrastructural and Immunohistochemical Demonstration of Viral Particles in Lymph Nodes from Human Immunodeficiency Virus-Related Lymphadenopathy Syndromes. Human Pathology 19:545-549.

28. Berzofsky JA, Berkower IJ, Epstein SL. Antigen-Antibody Interactions and Monoclonal Antibodies. (1993). p. 421-465 In: Fundamental Immunology Paul WE, ed 3rd ed Raven, New York.

29. Owen M, Steward M. Antigen recognition. (1996). p. 7.1-7.12 In: Immunology Roitt I, Brostoff J, Male D, eds 4th ed Mosby, London.

30. Francis DP. The search for the cause. (1983). p. 137-150 In: The AIDS epidemic Cahill KM, ed 1st ed Hutchinson Publishing Group, Melbourne.

31. Mulder DW, Nunn AJ, Kamali A, Naklylngi J, Wagner HU, Kengeya-Kayondo JF. (1994). Two-year HIV-1-associated mortality in a Ugandan rural population. Lancet 343:1021-1023.

32. Papadopulos-Eleopulos E, Turner VF, Papadimitriou JM. (1992). Oxidative Stress, HIV and AIDS. Res. Immunol. 143:145-148.

33. Papadopulos-Eleopulos E, Turner VF, Papadimitriou JM, Causer D, Hedland-Thomas B, Page B. (1994). A critical analysis of the HIV-T4-cell-AIDS hypothesis. Genetica 95:5-24.

34. Papadopulos-Eleopulos E, Turner VF, Papadimitriou JM, Bialy H. (1995). AIDS in Africa: Distinguishing fact and fiction. World J. Microbiol. Biotechnol. 11:135-143.

35. Fauci AS, Lane HC. Human Immunodeficiency Virus (HIV) Disease: AIDS and Related Disorders. (1994). p. 1566-1618 In: Harrison’s Principles of Internal Medicine Isselbacher KJ, Braunwald E, Wilson JD, Martin JB, Fauci AS, Kasper DL, eds 13 ed McGraw-Hill Inc., New York.

36. Wain-Hobson S. (1989). HIV genome variability in vivo. AIDS 3:S13-S18.

37. Gallo RC, Fauci AS. The human retroviruses. (1994). p. 808-814 In: Harrison’s Principles of Internal Medicine Isselbacher KJ, Braunwald E, Wilson JD, Martin JB, Fauci AS, Kasper DL, eds 13 ed McGraw-Hill Inc., New York.

38. Papadopulos-Eleopulos E, Turner VF, Papadimitriou JM, Causer D. (1996). The Isolation of HIV: Has it really been achieved? Continuum (September/October 1996):1s-24s.

39. Papadopulos-Eleopulos E, Turner VF, Papadimitriou JM, Causer D. (1997). HIV antibodies: Further questions and a plea for clarification. Curr. Med. Res. Opin. 13:627-634.

Observações:

[1] CDC é a sigla de Center for Diseases Control (“Centro para Controle de Doenças”), um órgão de saúde pública governamental norte-americano.

[2] National Institutes of Health (“Institutos Nacionais de Saúde”) é outro órgão governamental norte-americano de saúde pública.

[3] Trata-se de um grande centro de terapia e pesquisa sobre câncer de New York.

Etiquetado , , , , ,

ENTREVISTA – DR. ROBERTO GIRALDO – REPENSANDO A AIDS

Fonte: Revista Horizonte , edição de aniversário (Número 12 – Outubro de 2007)

1. Nota Editorial n. 01 (19/10/2007) – Em Defesa do Direito à livre expressão

Em um ano de existência da Revista Horizonte – Leitura Holística, esta é a primeira vez que nos vemos inclinados a escrever um editorial, e com a função específica de esclarecer aspectos de nossa linha editorial e do que se constitui o chamado “direito à livre expressão”.

Temos publicado matérias polêmicas desde o primeiro número, versando sobre temas como a liberdade de expressão sexual, o fundamentalismo religioso, a pseudo-espiritualidade, as mudanças climáticas e o boicote aos Jogos Olímpicos de Beijing 2008. No caso deste último tema, os debates gerados na Internet (Orkut, MSN, blogs) foram intensos, mas sempre respeitosos. Os ânimos, por vezes, acirraram-se, mas dentro do aceitável quando se deseja defender determinado ponto de vista.

Mas, após o lançamento de nossa edição de aniversário (Nº 12 – outubro de 2007), as coisas se encaminharam de um modo, até então, para nós, sui generis. Nosso entrevistado do mês foi o médico colombiano, até há pouco radicado nos EUA e atualmente morando em São Paulo (Brasil), o Dr. Roberto Giraldo, sabidamente um dos cientistas dissidentes da teoria oficial do HIV/AIDS. Até aí, tudo bem.

Lançada a revista e iniciados alguns debates pela Internet, entre eles vários em comunidades do site de relacionamentos Orkut, os ânimos se acirraram de vez. Não em todas as comunidades onde os debates foram propostos e a entrevista apresentada. Apenas em uma. Uma comunidade de combate à homofobia com mais de 52 mil membros, da qual fazíamos parte.

Esperávamos que, numa comunidade com tantos membros, as pessoas soubessem ser pluralistas e não fundamentalistas quanto ao assunto HIV/AIDS. Os ataques, inicialmente apenas contra as idéias do entrevistado, logo passaram também a ser dirigidos ao editor da Revista Horizonte – Leitura Holística, por conta deste se ter dado a entrevistar o Dr. Roberto Giraldo, desafeto ideológico da maioria dos adeptos da teoria oficialista. Por fim, ficou evidente que o que se propunha era colocar no limbo os cientistas dissidentes e nem sequer lhe dar ouvidos. Como se pode pensar assim em pleno Terceiro Milênio, quando a liberdade de expressão de pensamento está tão difundida? Quando a liberdade de imprensa está sacramentada? Quando a liberdade de discordar em questões científicas e propor teorias alternativas é um fato, e não algo contrário à lei? Aliás, em qual país do mundo os cientistas dissidentes são considerados foras-da-lei? Em nenhum. É tudo, portanto, uma questão de opinião pessoal, a que cada um tem direito.

À medida que a polêmica foi se agravando, junto com as ofensas pessoais, muitas vezes ignoradas pela moderação da comunidade, ficava cada vez mais claro que as pessoas estavam confundido o entrevistador com o entrevistado, por conta de sua fúria por ter o primeiro se dignado a entrevistar um “maluco dissidente”, como muitos diziam. Como se pode cercear o direito de um jornalista entrevistar qualquer pessoa, ainda mais se esta pessoa não fala coisas contra a lei, não é um bandido e nem está sendo processado por ninguém? Não estaria o entrevistado, neste caso, totalmente amparado pela lei, ainda que tratando de um assunto polêmico, mas legal? Óbvio que sim. Mas não parecia tão óbvio para os debatedores daquela comunidade. Contudo, nas demais comunidades onde o debate fôra proposto, as coisas continuavam andando bem, com críticas mordazes, mas dentro do aceitável. Nenhuma comunidade, além daquela, propôs deletar os tópicos do debate.

Como conseqüência dos debates cada vez mais acalorados e desrespeitosos, a moderação daquela comunidade, incapaz de lidar com algo que se mostrou tão polêmico, preferiu ceder às instâncias dos “ortodoxos” e deletar os dois tópicos existentes sobre o assunto, um deles de nossa autoria. De nossa parte, procuramos observar o que acontecia apenas de forma jornalística, tentando concluir os motivos de tal acirramento dos ânimos. Ainda mais que, em outras comunidades e mesmo em nosso blog, isto não estava acontecendo.

Uma das conclusões a que chegamos é a de que, em comunidades onde há um grande número de militantes do movimento GLBT (gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros), a teoria oficialista de que o HIV é o único causador da AIDS reina absoluta. Os motivos disso podem ser vários, mas um talvez salte aos olhos: os homossexuais foram, durante muito tempo, as maiores vítimas do preconceito associado à AIDS, além de serem considerados por setores religiosos fundamentalistas como disseminadores da doença, por conta da promiscuidade.

Quando a teoria oficialista se fixou, mesmo sem todas as bases científicas necessárias, como advertem os dissidentes (e o reconhece o próprio Dr. Luc Montagnier, no documentário espanhol “Sida, La Duda”), e remédios foram desenvolvidos para aumentar a sobrevida dos soropositivos, à custa de uma intoxicação severa, como a causada pelo AZT, o movimento GLBT aderiu à idéia imediatamente, sem qualquer debate ou contraditório, vendo ali a chance de reduzir o ataque aos soropositivos homossexuais. Não é a questão de julgar tal atitude, mesmo porque era uma situação muito séria e premente. Mas não se pode abdicar ao debate por este mesmo motivo.

Voltando ao ponto em questão, a conseqüência final do debate acirrado foi a delecção dos dois tópicos e, por fim, nossa exclusão da dita comunidade, o que chocou alguns membros, que não viam motivo algum para isso. Para nós, a sentença era bem clara: Uma expulsão motivada pela audácia em entrevistar um cientista dissidente e ainda dar notícia do fato! Uma expulsão motivada pela entrevista e pela audácia do entrevistador em defender o direito de seu entrevistado a pensar diferente, baseado no princípio de liberdade de expressão, uma vez que o Dr. Giraldonão é um fora-da-lei, nem está sub judice, tem titulação suficiente para argumentar cientificamente e, até onde sabemos, não padece de problemas mentais.

É lamentável uma situação dessas num país como o Brasil, que saiu de uma Ditadura Militar há pouco mais de 20 anos, que passou duas décadas sem liberdade plena de expressão. É lamentável que a referida atitude tenha partido de pessoas jovens, que não sofreram os horrores da privação de liberdade de pensamento. É lamentável perceber como, em plena era da informação, da Internet em milhões de lares, da facilidade em se pesquisar as bases de qualquer assunto em poucos minutos, os jovens pareçam tão desinformados e tão intolerantes quando instados a buscar subsídios para defender suas posturas fixas. Aliás, esta parece uma postura comum em todas as idades: para quê contestar conceitos já estabelecidos, se é mais cômodo aceitá-los e pronto? Isso não combina com os tempos atuais, definitivamente.

Eis alguns dos argumentos mais absurdos que apareceram no referido debate deletado:

“Por favor, o assunto é sério demais! (…) Nem vou entrar no mérito. É totalmente absurdo. (…) Desculpe, não posso sequer ler esta bobagem. * Taí um bom caso de tópico a ser deletado!” [Este foi um dos primeiros comentários!]

“Protesto formal. Vou pedir pessoalmente para a moderação que esse tópico seja deletado, pois ele contém informações (…) que são criminosas, levianas e inverídicas sobre a questão. (…) eu não posso admitir a divulgação dessa informação perigosa e sem nenhum fundamento médico.” [Informações criminosas? Em qual país são consideradas assim? Informações perigosas porque fazem pensar?]

“Realmente este ‘Dr.’ deveria estar preso ou se tratando.” [Se é assim, por que discutir o assunto não é ilegal?]

“Eu acho que a comunidade médica/científica deveria dar um basta nesta especulação absurda de uma vez por todas.” [Se não o fez é porque não pode. Como calar cerca de 5 mil cientistas dissidentes, entre eles, dois Prêmios Nobel?]

“(…) se o Sr. Paulo [editor] e o próprio Dr. [Giraldo] acreditam nesta teoria, será que aceitariam receber sangue contaminado pelo HIV sem tomar medicamentos nos cinco anos seguintes?” [Confundindo o entrevistador com o entrevistado, como já dissemos. A idéia de contaminação consentida, proposta pelo Dr. Peter Duesberg para si mesmo, mas em condições estritamente científicas, como forma de comprovar sua teoria, nunca foi aceita por nenhum laboratório do mundo. Acaso aceitariam se nos dispuséssemos?]

Abaixo, trecho de nossa justificativa junto à moderação, muito útil para apresentar a opinião editorial da Revista Horizonte – Leitura Holística daqui por diante:

“Impedir que os membros do Orkut tenham acesso ao conteúdo de debates sobre assuntos polêmicos, mas não contrários à lei, uma vez que tais debates são públicos, já que qualquer ‘orkuteiro’ pode lê-los sem participar da comunidade é, no mínimo, uma atitude contestável pelo senso comum.”

Depois disso, ocorreu a expulsão sumária… Lamentável num país livre!

Posto isso, a Revista Horizonte – Leitura Holística, através de seu editor, declara o seguinte:

Continuaremos a tratar de assuntos polêmicos, seja nas entrevistas ou nos artigos em geral, desde que embasados na lei de liberdade de expressão. Esclarecemos que SEMPRE estamos abertos ao contraditório, ao contraponto. Desta forma, qualquer pessoa que discorde do que foi tratado em um artigo ou entrevista, pode propor outro artigo ou outro entrevistado, para que os leitores tirem suas próprias conclusões. Comprometemo-nos a dar espaço a todos os lados de qualquer questão polêmica, desde que os autores ou entrevistados tenham argumentos substanciais e acrescentem algo de útil ao debate. Por uma questão de equilíbrio de argumentos, preferimos que um “rebatedor”, seja articulista ou entrevistado, tenha, pelo menos, o mesmo grau de titulação daquele a quem rebate e que pertença à mesma área. Assim, os leitores terão argumentos mais ou menos equivalentes em visões opostas.

Utilizando esta regra, considerando que o Dr. Roberto Giraldo é médico especialista em infectologia e imunologia, seu “rebatedor” deveria, no mínimo, pertencer à mesma área ou ter titulação semelhante, para que seus contra-argumentos fossem considerados justos e suscetíveis de confrontação. Isso responde e satisfaz uma pergunta feita a alguns de nossos leitores nos últimos dias: O que você prefere, que um doutor dissidente da teoria oficial do HIV/AIDS, especialista em imunologia, seja contestado em outra entrevista por um clínico geral ou por outro especialista na área, partidário da teoria oficialista? A resposta é óbvia, não é mesmo?

Ficamos, então, disponíveis, se em algum momento um especialista oficialista quiser se manifestar através daRevista Horizonte – Leitura Holística.

Não poderíamos encerrar sem um enorme elogio a nossos milhares de leitores. Deles, recebemos várias avaliações sobre a entrevista do Dr. Giraldo, favoráveis ou não a suas idéias. Contudo, em todas as situações nossos leitores foram, como sempre, corteses, educados, conscientes e interessados em informar-se mais sobre o assunto. Queremos esclarecer que as críticas pesadas à nossa atitude de entrevistar o Dr. Giraldo partiram de pessoas que mal conhecem a Revista Horizonte – Leitura Holística. Algumas, por sinal, revelaram não saber a diferença entre visão holística e “mistificação”.

Manifestamos, mais uma vez, nosso repúdio a atitudes de intolerância, cerceamento do direito de expressão do pensamento, ofensas pessoais por idéias esposadas, argumentos passionais e hostilidade, gerados por qualquer assunto polêmico permitido por lei tratado em qualquer veículo de informação midiática ou de expressão individual (como é o Orkut) em qualquer lugar do mundo. Afinal, perder a linha, é perder a razão!

Fraternalmente,

Paulo Stekel
(editor)


2. Entrevista: Dr. Roberto Giraldo – Repensando a AIDS

Entrevista concedida a Paulo Stekel por um dos mais importantes cientistas da Hipótese Alternativa da AIDS

Sempre é bom termos acesso aos dois lados de uma questão, não acham? Afinal, isso faz parte da liberdade de expressão e de informação, tão propalada hoje em dia. Por que, então, no que se refere à AIDS e suas causas, não temos um contraponto? Só há uma versão? Definitivamente, não. Há um contraponto, sim, e é formado por um grupo de cientistas idôneos e de muitos simpatizantes que formam um grupo conhecido como “dissidentes da hipótese HIV/AIDS”, ou seja, pessoas que contestam que o vírus HIV seja o causador da AIDS.

Um dos mais importantes destes cientistas, que querem apenas o direito a uma pesquisa aberta e transparente da questão, é o nosso entrevistado especial desta edição de um ano de Horizonte – Leitura Holística: o médico colombiano de renome internacional, Dr. Roberto Giraldo.

Especialista em AIDS e agentes estressantes imunológicos, o Dr. Roberto Giraldo é médico, especialista em Medicina Interna, com ênfase em enfermidades infecciosas, pela Universidade de Antioquia, na Colômbia. Desde 1993, trabalha nos laboratórios de imunologia e de diagnóstico molecular do “New York Presbyterian Hospital, Weill Cornell Medical Center”, em Nova York, EUA. Foi presidente do “Rethinking AIDS” (http://www.rethinkingaids.com), grupo internacional que busca uma reavaliação científica da AIDS.

Há quatro décadas tem se dedicado a atividades clínicas, acadêmicas e investigativas em diferentes aspectos das doenças infecciosas, imunológicas e tropicais em várias regiões da Colômbia, EUA, Europa e África.

A maior parte de sua carreira investigativa tem sido no campo das imunodeficiências secundárias ou adquiridas, especialmente aquelas que ocorrem nos países subdesenvolvidos.

De 1979 a 1987 exerceu sua profissão em uma região da selva colombiana. Alí teve a oportunidade de trabalhar ombro a ombro com curandeiros tradicionais e de explorar as diferentes condições médicas relacionadas com a pobreza e a desnutrição, tais como as infecções, as parasitoses e toda uma gama de imunodeficiências.

É investigador independente da AIDS desde 1981, tendo várias publicações sobre o tema. Em 1997 escreveu o livro“El SIDA y los agentes estressantes inmunológicos” [A AIDS e os agentes estressantes imunológicos], afirmando que “a AIDS não é uma doença infecciosa nem se transmite sexualmente. Ela é uma síndrome tóxico-nutricional causada pelo alarmante incremento mundial de agentes estressantes para o sistema imunológico”.

Desde o ano 2000 faz parte de um painel internacional de especialistas para assessorar o governo do PresidenteThabo Mbeki, da África do Sul, em assuntos relacionados à AIDS. Em 2003 foi convidado pelos Ministros da Saúde de 14 países da África e apresentou-lhes sua proposta de “Terapia nutricional para o tratamento e a prevenção da AIDS”.

Por mais que o assunto seja polêmico – e é – a leitura das respostas claras e precisas do Dr. Giraldo fará com que você, leitor, pelo menos pense sobre o assunto. Se desejar saber mais sobre o assunto, acesse o site do Dr. Giraldo (http://www.robertogiraldo.com). Ali, você encontrará os links de centenas de sites pelo mundo afora de cientistas, agentes de saúde, jorrnalistas, escritores, pesquisadores e políticos que pensam como o Dr. Giraldo.

Horizonte: Em seus artigos há constante referência aos “Agentes Estressores Imunológicos”. O que são estes agentes?

Dr. Giraldo: Agentes estressores para o sistema imunológico são aqueles agentes tóxicos que em alguma forma alteram o funcionamento do sistema imunológico. Eles são conhecidos há muitos anos ou décadas. Hans Selye, por exemplo, sabia desde 1936 que tudo aquilo que o corpo humano perceba como ameaça, desencadeia no corpo uma resposta que ele chamou “Resposta ao Estresse” e aquilo que desencadeava essa resposta ele os chamou agentes estressores ou estressantes. Desde essa época ele sabia que todo tipo de estresse crônico causava diminuição de linfócitos (linfopenia). Eu uso a mesma terminologia, citando sempre a fonte, como uma homenagem a esse que considero o maior cientista da medicina do século passado (Séc. XX).

Os agentes estressantes imunológicos que se sabe que alteram o sistema imunológico são de cinco tipos: (1)químicos, tais como as drogas psicoativas, conservantes de alimentos, agroquímicos, contaminantes do ar, água, solo, detergentes, drogas da medicina alopática, etc; (2) físicos, tais como todas as radiações elétricas, eletrônicas e eletromagnéticas: telefones celulares, inalâmbricos, antenas, transformadores de energia, cosmopatias e geopatias, etc.; (3) biológicos: sêmen, sangue, vacinas;(4) nutricionais, tais como a falta de comida ou a comida de pouco nível nutricional e (5) mentais, tais como a ansiedade, as dúvidas, o pânico. Para nosso corpo e para o sistema imunológico em particular, usar cocaína é o mesmo que não comer; ter doenças parasitárias secundárias à desnutrição e à pobreza, é o mesmo que dormir próximo a um transformador de luz: o corpo reage sempre da mesma forma, como se sabe desde as primeiras investigações de Selye. Estas intoxicações crônicas, com o tempo deterioram o sistema imunológico, e se não param, o colapsam causando a AIDS: “água mole em pedra dura tanto bate até que fura”.

A medicina só conhece as intoxicações agudas por álcool, tálio, fosforados orgânicos, mas não sabe nada acerca das intoxicações crônicas causadas pela exposição múltipla, repetida e crônica a agentes estressantes imunológicos.

Horizonte: O Sr. faz parte de um grupo encabeçado principalmente pelo Dr. Peter Duesberg, grupo este considerado “dissidente” da teoria vigente de que a AIDS é causada pelo vírus HIV. Quantos cientistas “dissidentes” há hoje no mundo? E, se o vírus HIV não é o causador da AIDS, o que é exatamente o quadro clínico identificado pela teoria oficial como sendo AIDS?

Dr. Giraldo: “Rethinking AIDS” conta com cerca de cinco mil médicos, cientistas, outros profissionais, alguns Prêmios Nobel e ativistas. Há cerca de 400 sites de Internet com nossa informação. É o único lugar onde a “oficialidade” não tem conseguido censurar o debate científico.

Por cerca de 25 anos a Organização Mundial da Saúde e a ONUAIDS, seguindo as diretrizes do Ministério de Saúde dos EUA, tem estado disseminando por todo o planeta que HIV = AIDS e que AIDS = HIV. E as pessoas, ao ler nossos argumentos de que não existe o HIV, ou que o fenômeno conhecido como HIV, não é um vírus real, elas pensam (equivocadamente) que tampouco existe AIDS.

Claro que existe AIDS, mas não é causada por HIV!! Esta é uma síndrome tóxica e nutricional causada pelo alarmante incremento mundial de agentes estressantes imunológicos. O fato de que exista AIDS em todas as classes sociais é um indicativo de que nossa espécie está em perigo. Crer que o HIV é sua causa, não permite que se tomem as medidas necessárias e possíveis para o bem da espécie humana. A simples crença absurda no HIV como a causa da AIDS, está pondo em grande perigo a sobrevivência de nossa espécie.

AIDS é o maior estado de deterioração que o ser humano pode tolerar. Não pode existir algo pior que a AIDS. Na AIDS não só o sistema imunológico está deteriorado, mas todos os demais sistemas estão também intoxicados.

A exposição múltipla, repetida e crônica a agentes estressantes imunológicos vai deteriorando o sistema imunológico e chega um momento em que ele se colapsa e começam na pessoa, ao mesmo tiempo, as manifestações clínicas de infecções oportunistas (pela deterioração da parte de defesa do sistema imunológico), tumores oportunistas (pela deterioração da parte de vigilância do sistema imunológico) e múltiplas doenças metabólicas como perda de peso, queda de cabelo, diarréia e demência (pela deterioração da parte de equilíbriohomeostático do sistema imunológico).

Horizonte: Quantas pessoas supostamente se infectaram com o HIV até hoje? Dessas, quantas morreram por imunodeficiência? O número oficial de infectados e mesmo de mortos é suficiente para justificar a teoria corrente de que a AIDS é causada por vírus e, portanto, tende a se disseminar rapidamente?

Dr. Giraldo: Nem uma só pessoa se infectou com HIV até hoje! Ninguém pode infectar-se com um vírus que não existe!!! Ser soropositivo (reagir positivamente nas provas de Elisa e de Western blot), não significa estar infectado, senão estar um pouco mais intoxicado que os que ainda continuam reagindo negativamente.

Para os “oficialistas” (aqueles que creem erroneamente que o HIV é a causa da AIDS) ser soropositivo indica estar infectado. Entretanto, as mesmas cifras oficiais de soropositividade não podem explicar-se por transmissão sexual, nem sangüínea, nem da mãe ao filho. Nos países da África subsaariana existe uma soropositividade de 15 a 40%; e ali mais de 60% dos casos é em mulheres. No continente americano, o Haiti é o país com uma soropositividade maior: 5,6%, mas nunca tão alta como a soropositividade da África. Por que??? Os EUA têm uma soropositividade de 0,7% e ali mais de 90% é em homens homossexuais. Por que??? E Espanha, México, Venezuela, Colômbia e Brasil têm uma positividade de apenas 0,6%. Se a soropositividade é devida a transmissão sexual, nos pareceria, pois, como se na África se vivesse em um permanente ato sexual e os espanhóis, mexicanos, venezuelanos, colombianos e brasileiros não tivessem muita vida sexual. Estas diferenças só podem ser explicadas por uma diferença na qualidade e na quantidade de exposição a agentes estressantes imunológicos. A não ser que se nos demonstre que existe um vírus que sabe quem é pobre e mulher para atacá-la na África e quem é gay e rico para atacá-lo nos EUA e na Europa. Assim não se comporta nenhum vírus conhecido!!!!!

Horizonte: Segundo o Sr. e outros cientistas dissidentes a AIDS não é transmitida sexualmente. Que impacto essa afirmação tem causado junto aos serviços governamentais de saúde e às ONGs que defendem os direitos dos soropositivos, dos homossexuais, etc.?

Dr. Giraldo: Em 08 de Dezembro de 2003, em um debate internacional sobre este tema no Parlamento Europeu em Bruxelas, os representantes da OMS e da ONUAIDS, falavam da “transmissão da AIDS” como se isto fosse um fato demonstrado cientificamente. Então lhes perguntamos onde estava a publicação das investigações que se deveria ter feito para assegurar que a AIDS se transmitia sexualmente, pelo sangue ou da mãe ao filho. E eles responderam que essa pesquisa não se requeria, posto que todo mundo sabe já que se transmite. As pessoas do mundo não sabem ainda que isso da transmissão da AIDS é um rumor que saiu em 1981 do Ministério de Saúde dos EUA (CDC) e que com o tempo se converteu em mito ou verdade absoluta. A transmissão da AIDS nunca foi demonstrada cientificamente!!!!!

As pessoas e instituições que defendem a transmissão, que têm promovido a promiscuidade sexual com isso de “use camisinha e faça o que quiser”, que intoxicam a milhares nos EUA e Europa ao fornecer-lhes seringas “sem HIV” para que se injetem com drogas que destróem o sistema imunológico e causam a AIDS, não aceitam nossos pontos de vista. Ademais, muitas dessas pessoas e instituições vivem do HIV (ganham um soldo) por fazer isso e por isso se opõem e continuarão se opondo com todas as suas forças a uma mudança para a verdade. Não importando-lhes quantos milhares morram de AIDS.

Houve até agora 25 milhões de mortes por AIDS. Hitler matou entre 5 e 8 milhões de pessoas, mas o da AIDS é o pior genocídio da historia humana e agora se faz em nome da ciência. Errados estavam os judeus que ajudaram a embarcar a outros judeus nos trens pensando que iriam à “terra prometida” quando, na realidade, terminaram nos fornos dos campos de concentração. Igualmente equivocadas estão todas essas pessoas que defendem e fazem propaganda das idéias oficiais do HIV/AIDS. Quantos africanos e quantos homens gays estão ajudando “inocentemente” a matar a seus irmãos. Que horror!!

Horizonte: Qual é a confiabilidade dos testes atualmente existentes para a detecção do HIV: Elisa, Western Blot e Carga Viral? O quê eles realmente detectam?

Dr. Giraldo: As provas de Elisa e de Western blot detectam anticorpos contra o que supostamente são proteínas do HIV. A prova de PCR ou de Carga Viral supostamente faz cópias de fragmentos do ácido nucleico do HIV. Mas como o HIV jamais foi isolado e purificado, como ocorreu com todos os vírus verdadeiros, essas proteínas e esses fragmentos de ácido nucleico têm que ter outra origem. Jamais essas proteínas e esses fragmentos de ácido nucleico foram extraídos diretamente do interior de uma partícula viral de HIV. Elas foram encontradas em cultivos e se supôs que correspondiam a um vírus desintegrado. Mas, onde está o vírus integrado, as partículas virais íntegras, sem romper? Não existe um só tubo de laboratório com partículas virais de HIV, simplesmente porque HIV não é um vírus.

Essas proteínas e esses fragmentos de ácido nucleico são liberados por células de cultivos estressados com químicos ou são liberados ao sangue pelas pessoas expostas, geralmente por longos períodos de tempo, a uma variedade de agentes estressantes imunológicos. Os anticorpos que detectamos em Elisa e em Western blot são anticorpos anti essas proteínas liberadas durante o estresse crônico, e as cópias de ácido nucléico detectadas na arbitrariamente chamada “Carga Viral” são cópias de fragmentos de ácido nucleico liberados pelas pessoas submetidas a uma variedade de estresse. O que essas provas estão detectando é o nível de estresse crônico da pessoa, o grau de intoxicação de seus tecidos. Durante as respostas ao estresse de toda a vida, as pessoas liberam radicais livres do tipo dos agentes oxidantes e por isso as pessoas soropositivas e aquelas com AIDS, têm grandes níveis de estresse oxidativo e seus elementos antioxidantes se encontram diminuídos em seu sangue. Têm baixos niveis de vitaminas C, E, A, betacarotenos, zinco, selênio, magnésio, manganês.

Indiretamente, o que detectam as mal-chamadas “provas de HIV” são níveis de oxidação e de intoxicação da pessoa.

Horizonte: Em quais países a teoria alternativa de que a AIDS não é causada por um vírus, muito menos pelo HIV, tem encontrado menos resistência?

Dr. Giraldo: Em nenhum! Temos tido resistência em todos os países do mundo, mas nossas idéias são aceitas mais facilmente nos países subdesenvolvidos e mais concretamente nos países latino-americanos tais como México, Colômbia, Peru, Bolívia, Argentina, Venezuela e Brasil. Nestes países nossos argumentos científicos são cada vez mais aceitos.

Horizonte: No dia 31 de agosto deste ano a “Iniciativa Sul-Africana da Vacina Contra AIDS” anunciou ter obtido bons resultados com uma vacina testada em 480 pessoas não-infectadas, a maioria das quais teve resposta imunológica positiva. A organização teria afirmado, entre outras coisas, que um sistema imunológico saudável contribui para evitar a contaminação, enquanto pessoas com tal sistema comprometido têm mais chances de contraírem o HIV. Isso reforça qual das teorias, a vigente ou a alternativa? Afinal, todos nos perguntamos: por que até hoje não há uma cura para a AIDS?

Dr. Giraldo: As vacinas da virologia clássica se aplicam para que a pessoa forme anticorpos contra, por exemplo, o vírus da poliomielite, do sarampo, da caxumba, da varíola, da hepatite B. Mas como será possível criar uma vacina contra um vírus que jamais se demonstrou sua existência real?

Ademais, as pessoas “soropositivas” já têm anticorpos contra o que elas crêem que é HIV. Elas estariam vacinadas em forma natural… Ou será que o que se pretende é criar uma vacina que converta os soronegativos em soropositivos, para logo as indústrias farmacêuticas estarem “em festa” vendendo anti-retrovirais para esses “infectados”? Nada, mas absolutamente nada da “ciência do HIV” tem lógica. Tudo isso não é mais que ficção científica…

Horizonte: Considerando que a teoria dos dissidentes seja a verdadeira, surge a pergunta óbvia: por que se teria cometido um erro tão grande na determinação do agente causador da AIDS?

Dr. Giraldo: A resposta a esta pergunta é um livro que estou terminando de escrever e que espero que esteja publicado no começo de 2008. Cinco fatos ajudaram a cometer este erro: (1) Preconceito microbiológico – devido ao qual todas as epidemias são causadas por micróbios. (2) Homofobia – como os primeiros casos de AIDS ocurreram na comunidade gay dos EUA, seus cientistas decidiram arbitrariamente, sem fazer nenhuma pesquisa, que se transmitia sexualmente e, mais concretamente, por relações anais. (3) Racismo – devido ao qual os investigadores brancos decidiram que a origem da AIDS está na África negra. (4) Corrupção social – recordar que a visão da AIDS como doença viral nasce de um crime (roubo do “HIV”) por parte do Dr. Robert Gallo, diretor do laboratório de virologia do Instituto Nacional de Câncer do governo dos EUA, que roubou do Dr. Luc Montagnier, do Instituto Pasteur de Paris. E (5) pela Crise do estabelecimento científico – não se controlam os experimentos, se descobrem vírus em coletivas de imprensa, como ocurreu com o HIV em 23 de abril de 1984, quando, às 2 horas da tarde, na cidade de Washington, Robert Gallo e a ministra de saúde de Ronald Reagan, fizeram uma coletiva de imprensa na qual se informou que “investigadores do governo dos EUA haviam descoberto o vírus da AIDS”.

Horizonte: Há alternativas para tratar a imunodeficiência chamada AIDS, uma vez que não seja viral e nem se deva ministrar as drogas conhecidas (AZT, etc.) aos soropostivos, por serem muito tóxicas, podendo matar o paciente a médio prazo? Quais seriam estas alternativas?

Dr. Giraldo: As chamadas doenças incuráveis, o são porque nenhuma doença se pode curar com métodos externos. O que faz a medicina integral é que, por meio de terapias naturais, a pessoa consiga despertar sua medicina interior e sua farmácia interior, aquelas com que somos criados e que trazemos conosco mesmo desde o nascimento.

Toda a doença para que exista deve ser permitida por nossa consciência e, igualmente, para que termine deve partir do reconhecimento de nossa própria psicopatologia: ciúme, raiva, medo, ódio, rancor, etc.

Em geral, as pessoas soropositivas têm alguns denominadores comuns: depressivos, paranóicos, arrogantes, autodestrutivos… Para curar-se de AIDS ou evitar que esta começe, o soropositivo deve começar com aceitar, ver ou perceber sua psicopatologia.

Horizonte: Entre as alternativas preventivas e mesmo de tratamento para pessoas com o “quadro” chamado AIDS, qual o papel daquelas consideradas complementares ou holísticas, como fitoterapia, florais, reiki, etc.?

Dr. Giraldo: Já expliquei isso na pergunta anterior: Elas não curam, só melhoram desequilíbrios dos processos fisiopatológicos e ajudam a acordar (despertar) nosso médico interior.

Devemos ter medo daqueles terapeutas alternativos, chame-se acupunturista, ou homeopata, ou bioenergético, etc, que crêm ter a cura da AIDS. Esta está dentro de cada pessoa!

Horizonte: Agradecemos muito a gentileza em conceder-nos esta entrevista. Gostaríamos que, em suas palavras finais, o Sr. sugerisse a nossos leitores como estes podem evitar as imunodeficiências em geral, sejam elas virais ou não.

Dr. Giraldo: Em meu site da Internet www.robertogiraldo.com há muitos artigos com argumentos científicos que nos ajudam a entender isto melhor. Sugiro começar com “Tratamento e prevenção da AIDS: guia de princípios básicos para uma alternativa eficiente, fácil e de baixo custo” e “Terapia nutricional para o tratamento e a prevenção da AIDS: bases científicas”.

Etiquetado , , , , ,

VOCÊ SE CONTAMINOU COM A HISTERIA DA AIDS?

Inicialmente, acreditava-se que AIDS (Síndrome de ImunoDeficiência Adquirida) fosse uma resposta biológica a fatores ambientais como abuso de drogas, excesso de antibióticos e desnutrição. Isso devido a predominância de doenças parecidas com AIDS entre grupos específicos de alto risco, sujeitos á influência de fatores imunodepressivos não infecciosos (usuários de drogas injetáveis, homens homossexuais usuários de drogas e cronicamente expostos a DSTs, hemofílicos, bebês de mães viciadas em cocaína, etc).

Nunca foi provado que a AIDS é causada por um vírus infeccioso, o HIV ou outro, e sua epidemiologia contradiz claramente e as características de outras epidemias comprovadas. O ” HIV contagioso” continua uma hipótese não comprovada.

A histeria do “HIV contagioso” e do ” sexo pode matar” constitui propaganda descarada da indústria médico-farmacêutica, apoiada por agências governamentais sustentadas por impostos, que possuem interesses de política sexual e econômicos ocultos.

Contrário à opinião geral, a vasta maioria das pessoas não corre nenhum risco de contrair AIDS!

HISTERIA DA AIDS NO NOTICIÁRIO

Se você lê jornais ou assiste a televisão, você é bombardeado diariamente com mensagens afirmando que sua sexualidade é uma bomba-relógio; que um vírus presente no sangue sexualmente transmitido, está solto na população, já matou milhares de pessoas e matará milhões nos próximos anos. Sem o menor pudor, você recebe conselhos para modificar os aspectos mais íntimos de sua vida amorosa. Estas declarações, sem qualquer disfarce, são emitidas pelas mais altas autoridades governamentais e médicas – com pouca ou nenhuma alusão a qualquer opinião científica divergente.

ENTRETANTO, VOCÊ DEVERIA SABER: 

  • Há várias centenas de cientistas e médicos dissidentes, que se opõem totalmente à teoria de um “HIV contagioso” que provoca AIDS. Há anos eles tentam divulgar as críticas que denunciam a má ciência que levou à atual histeria da AIDS.
  • Entre os críticos da AIDS estão membros da Academia Nacional de Ciências dos EUA (Dr. Peter Duesberg) e vencedores do Prêmio Nobel (Dr. Kary Mullis, inventor da técnica PCR, que, segundo ele, é totalmente inaplicável para fazer “testes da AIDS”).
  • Críticos da AIDS têm sido rotineiramente silenciados e rejeitados pelos principais periódicos científicos, jornais e noticiários da televisão – todos controlados pelos mesmos interesses da indústria médico-farmacêutica, que está ganhando bilhões com a extensa histeria da AIDS.
  • Mentiras oficiais sobre a AIDS estão sendo difundidas pelo governo, pela mídia e pela indústria médica, como as “mentiras oficiais” antigamente divulgadas pelo governo e pela indústria para apoiar testes nucleares e usinas atômicas. A censura foi ferramenta essencial usada contra os dissidentes durante os episódios anteriores e hoje está novamente sendo usada para silenciar os críticos da AIDS.
  • Freqüentemente, conservadores também apóiam a histeria da AIDS, porque lhes oferece mensagens para deturpar a sexualidade, como sendo inerentemente perigosa e má, ou para afirmar que a AIDS é ” o castigo de Deus para os homossexuais e drogados pecaminosos”. Os conservadores também apóiam a histeria da AIDS, porque se enquadra bem no auto-retrato como “amigos de homossexuais e viciados perseguidos” e evita qualquer crítica desagradável daquilo que alguns gays e viciados na realidade fazem para adoecer. Ambos os enfoques políticos são mal direcionados e carecem de base científica.

CIÊNCIA POR DECRETO

A tese duvidosa de que a AIDS era causada pelo vírus HIV foi anunciada durante uma conferência da imprensa em Washington, no mesmo dia em que entraram com requisição da patente para um “teste do vírus da AIDS”. Somente mais tarde os estudos inacabados foram apresentados em periódicos científicos – de forma bem protegida contra crítica científica eficaz.

A “descoberta” degenerou rapidamente em ações judiciais internacionais, pois as amostras originais do vírus haviam sido, na verdade, roubadas de pesquisadores franceses. Os cientistas americanos e franceses chegaram a um acordo e uma florida “história oficial” foi escrita pelos protagonistas que, depois, compartilharam os lucrativos direitos de patentes. Surgiram acusações de fraude científica e toda a “descoberta do HIV” está manchada de ganância e luta pelo poder. 

Hoje, a pesquisa da AIDS é dirigida somente à hipótese do HIV. Outras teorias sobre AIDS não recebem nenhuma verba para pesquisas. A pesquisa da AIDS é dominada por interesses estabelecidos, que perderiam bilhões se a imunodeficiência adquirida fosse reconhecida como não contagiosa, causada por drogas ou fatores ambientais.

O “TESTE DE HIV” NÃO TEM VALOR

Em todo o mundo, cientistas independentes questionam a precisão dos assim denominados “testes da AIDS” (ELISA e Western Blot), mostrando em pesquisas controladas uma percentagem muito elevada de reações cruzadas falsas positivas devidas a fatores diferentes do HIV. Exposição anterior a tuberculose, clamídia, pneumonia, malária e outras 50 doenças pode ser causa de um resultado “soropositivo”. Testes falsos positivos também ocorrem quando uma pessoa tem um histórico de amplo uso de antibióticos ou recebeu proteínas de sangue alheio (como em transfusões de sangue). Em resumo, os “testes da AIDS” são um arriscado charlatanismo médico oficial. 

Se a pessoa teve um “resultado positivo” em um dos assim chamados “testes de AIDS”, a única declaração cientificamente válida que pode ser feita é que – no passado ou recentemente ela esteve exposta a algum fator imunossupressor. Talvez teve pneumonia, uma DST (Doença Sexualmente Transmissível) comum, recebeu uma transfusão de sangue, uma vacina… ou tomou algum antibiótico. Talvez esteve exposto a malária ou tuberculose em algum momento da vida. Basta isso para provocar um ” teste positivo” que nada informa sobre a presença do pretenso HIV.

O ” SUPER VÍRUS HIV”, COMO O SUPER-HOMEM, É UM MITO 

Afirma-se que o HIV causa sintomas de muitas doenças fatais diferentes – mas apenas após dez anos ou mais. Até mesmo quando a pessoa está gravemente doente, supostamente morrendo de AIDS, é difícil, se não impossível, cultivar HIV de seu organismo. Pode haver um grande número de outros micróbios, mas se a pessoa foi etiquetada de ” soropositiva”, todos aqueles outros micróbios, via de regra, são ignorados.

Além disso, fotos microscópicas do puro HIV isolado nunca foram feitas ou publicadas, não obstante as afirmações do contrário. Chipanzés, repetidamente injetados com o suposto HIV vivo, podem apresentar uma reação típica de anticorpos, mas continuam saudáveis, exceto pelos problemas provocados por anos de vida em uma gaiola de laboratório.

Da mesma forma, supostos acidentes com HIV por picadas de agulha entre o pessoal da saúde não produzem sintomas da AIDS – a menos que a medicação tóxica da AIDS seja ingerida. Estes e outros problemas graves atormentam a pesquisa da AIDS, mas pouco disso é abordado na informação divulgada pela mídia – informação destinada, na maioria das vezes, a assustar as pessoas desnecessariamente.

AIDS NÃO É CONTAGIOSA

A verdadeira AIDS – na realidade uma disfunção do sistema imunológico – continua hoje, após mais de 20 anos, a afetar somente pessoas com fatores de riscos não contagiosos bem conhecidos:

  • A minoria de homossexuais masculinos que frequentam as saunas e têm um estilo de vida folião, famoso pela ingestão de vastas quantidades de álcool, cocaína, anfetaminas, maconha, poppers (inalante de nitrato), excesso de antibióticos (como proteção contra as DSTs comuns nas saunas) e uma variedade de outras drogas e medicamentos.
  • Usuários de drogas intravenosas, que estão constantemente injetando substâncias alheias imunossupressivas na circulação sanguínea (com ou sem agulha limpa) e que frequentemente também estão mal nutridos.
  • Hemofílicos, cujo histórico de fraqueza imunológica e múltiplas transfusões de proteínas de sangue alheio começou muito antes da era da histeria da AIDS. Em seu conjunto, os hemofílicos vivem hoje mais tempo do que antigamente, apesar de muitos estarem supostamente infectados com um HIV mortal.
  • A aceitação indiscriminada da “Autoridade Médica” também é um fator de risco…pois, o diagnóstico “positivo” conduz a um medo mortal com graves efeitos psicossomáticos. A maioria dos médicos prescreve medicamentos tóxicos contra a AIDS, como o AZT (outrora proibido na quimioterapia do câncer) que ataca o DNA celular produzindo sintomas de imunodeficiência, indistinguíveis do quadro clínico da AIDS. Estudos clínicos indicam que o AZT pode matar de 50% a 75% daqueles que regularmente o tomam. Outras drogas do “coquetel contra AIDS” não são menos agressivas.
  • A vida de muitas pessoas perfeitamente saudáveis está sendo destruída pelo diagnóstico charlatão da AIDS; perdem seu emprego e sua família devido ás reações pública histéricas. Ficam doentes devido às drogas tóxicas contra AIDS e não recebem tratamento para seus verdadeiros fatores de risco (se é que existem). Fundamentalistas do HIV estão adquirindo um poder médico policial cada vez maior para intervir nas vidas de pessoas comuns.
  • Médicos e assistentes sociais chegam ao absurdo de ameaçar retirar a força o bebê da mãe “soropositiva” que se recusa a tomar AZT e outros Médicos e assistentes socias chegam “medicamentos” letais. A Organização Mundial da Saúde está, equivocadamente, aconselhando as mães do Terceiro Mundo a evitar de amamentar – baseada na idéia completamente sem fundamento de que “o HIV é transmitido pelo leite materno”.

Pare agora com a histeria da AIDS! Aprenda os fatos antes que sua vida ou a vida de pessoas amigas seja destruída pela ignorância médica e por mentiras letais! 

Matéria publicada no Site CMI Brasil - Centro de Mídia Independente

Fonte: Group for the Scientific Reappraisal of AIDS, Los Angeles, www.rethinkingaids.com

Etiquetado , , , , , ,

O HIV NÃO É A CAUSA DA AIDS

Um Resumo dos Últimos Achados das Pesquisas Atuais

James DeMeo, Ph.D.

Diretor, Laboratório de Pesquisas Biofísicas de Orgone

PO Box 1148, Ashland, Oregon 97520 – USA – demeo@mind.net

Reproduzido de “On Wilhelm Reich and Orgonoy, Pulse of the Planet” – 4, 1993.

Tradução: Lino Guedes Pires – Médico – CREMERJ 52 46825/3

—————————————————————-

No último número da Pulse of the Planet (3:106-108, 1991), revisei o livro de Michael Fumento, The Myth of Heterosexual AIDS. O livro de Fumento juntou evidências conseguidas por vários cientistas de que nunca houve ou há uma “Epidemia de Aids Heterosexual” em atividade nos EUA ou além mar. Fumento documentou como os Centros de Controle de Doenças (CCD) manipularam dados epidemiológicos “ajustando” de modo não científico aqui e ali de modo que justificassem uma conclusão previamente formulada e “politicamente correta”: todos, incluindo-se heterosexuais relativamente monógamos e mesmo adolescentes heterosexuais que não utilizam drogas “correm o risco da Aids”. As críticas de Fumento à esta posição foram atacadas antes mesmo que a tinta secasse e seu livro suprimido e sabotado tanto pelos distribuidores nacionais de livros quanto por seu editor, os quais sofreram ataques de grupos ativistas homosexuais. O próprio Fumento perdeu seu emprego e foi objeto de perseguição e ameaças de morte por estes mesmos grupos que, como demonstrado neste livro, possuem agendas sexo-políticas compíscuas e motivações econômicas.

Neste artigo, pretendo somar forças e evidências adicionais a este assunto apresentando os estudos desenvolvidos pelo Dr. Peter Duesberg, um pioneiro da pesquisa dos retrovírus e Professor de Biologia Celular na Universidade da Califórnia, em Berkeley. Duesberg é um cientista de ponta que trouxe importantes críticas à hipótese do HIV na Aids ao pódio da ciência. Os resultados de suas pesquisas me chamaram a atenção por volta de 1990, demonstrando que a AIDS não pode ser causada pelo HIV (ou qualquer outro vírus) e é portanto, como o termo AIDS originalmente implicava, uma deficiência sistêmica imunológica não infecciosa. O mais recente artigo de Duesberg de 77 páginas sobre o assunto foi publicado em um jornal de pesquisas britânico (Pharmac. Ther., 55:201-277, 1992) e contém 17 páginas de citações da literatura científica e médica. Este artigo resumirá algumas destas evidências assim como trará notas históricas adicionais. Para citações detalhadas da literatura científica, recomendo ao leitor aos trabalhos originais de Duesberg e seus associados profissionais listados ao fim deste artigo. Se o leitor ficar cético em relação às minhas afirmações aqui, deve ir à fonte e revisar estas citações antes de por de lado este resumo das críticas à propaganda oficial de que o HIV=AIDS.

Para começar, o uso do termo vírus AIDS é completamente errôneo já que presume que a AIDS é uma doença infecciosa para a qual foi identificada uma causa viral. Nem esta suposição foi provada; ambas permanecem hipóteses. A terminologia diagnóstica AIDS por si não implica causas; meramente indica severa ruptura imunológica e deficiência de um indivíduo. Temos também que ver com clareza as diferenças existentes entre HIV e anticorpo HIV; ambas não são a mesma coisa. Esta disciplina esclarecedora da terminologia é necessária precisamente porque muitos jornalistas da televisão e jornais, assim como muitos cientistas e editores científicos abandonaram o rigor de sua terminologia, revisão crítica e pesquisa.

A AIDS permanece um problema principalmente para os indivíduos pertencentes a grupos de risco identificáveis e de comportamento de alto risco passível de prevenção que ao longo do templo depletam e destroem o sistema imunológico. Estes fatores incluem: sexo anal promíscuo e contaminado como a penetração por via anal de objetos e traumas associados com troca de casais e saunas públicas, promiscuidade, uso crônico ou associado de estimulantes sexuais, afrodisíacos, drogas psicoativas, anfetaminas, álcool, antibióticos e outras substâncias que deprimem o sistema imune legais e ilegais e desnutrição. A esta lista devem ser incluídos também a ingestão de medicações venenosas tais como o AZT – um limitador da corrente do DNA – que por si produz os mesmos sintomas devastadores atribuidos à AIDS.

I. O Vírus HIV

A alegação de que o HIV causa a AIDS é uma hipótese que não se apóia em fatos ou evidências e que não se mostrou útil para predizer ou explicar a epidemiologia da AIDS.

A) Os advogados da hipótese do HIV sugerem que o HIV é significativamente diferente de todos os outros vírus e que a presença somente dos anticorpos é suficiente para predizer o futuro desenvolvimento dos sintomas mortais da AIDS. Em todas as outras doenças, no entanto, a presença de anticorpos na ausência de vírus ativos é um claro sinal de que o sistema imune do indivíduo foi exposto ao vírus e que respondeu adequadamente a ele e o venceu. Considera-se assim alguém “imune” ao desenvolvimento da doença ou a futura exposição ao agente infeccioso. Com o HIV, no entanto, somos levados a por de lado esta bem conhecida resposta imunológica e acreditar que a presença somente de anticorpos é sinônimo de sentença de morte.

B) Os advogados de que HIV=AIDS argumentam que o vírus “se esconde” em certas células do corpo e permanece “adormecido” por muitos anos até que em determinado momento algo o desperta para a atividade, após o que os sintomas aparecem. Desta maneira, o HIV é descrito como um tipo de “slow-virus” que produz danos anos após a primeira infecção sem jamais se replicar em quantidades suficientes para ser bioquimicamente significativo ou facilmente observável ( um tipo de vírus “metafísico” que mata sempre, mesmo quando não pode ser visto ou demonstrado). Porém, os “esconderijos” do HIV não foram demonstrados em qualquer nível de significação e esta ausência de demonstração de “esconderijos virais” do HIV é um obstáculo formidável para as teorias de causas virais da doença. A hipótese “slow virus” consequentemente caiu em sérios questionamentos nos anos recentes e a hipótese viral da AIDS sofre similares dificuldades.

C) A hipótese HIV da AIDS não satisfaz os postulados de Koch para a identificação de um patógeno como o agente causal de uma doença particular. Estes postulados adequadamente guiaram pesquisas microbiológicas nos últimos 100 anos. São:

1) O organismo tem que ocorrer em cada caso de doença em quantidades suficientes para causar efeitos patológicos.

2) O organismo não é encontrável em outras doenças; e

3) Após isolamento e multiplicação em cultura, o organismo pode induzir a doença em um hospedeiro inoculado. Não desenvolver sintomas após a inoculação é um sinal de que o organismo não é um o agente ativo da doença.

A hipótese do HIV falha nos itens acima. Há muitos exemplos de pessoas sofrendo de sintomas de AIDS que não apresentam traços do HIV. Mais, há muitas pessoas nas quais foram identificados traços do HIV (vírus ou anticorpos) que permanecem livres dos sintomas por vários anos. Esta dificuldade levou os “Fundamentalistas do HIV” a afirmarem que o HIV é único no mundo viral e que os postulados de Koch não se aplicam ao HIV. Todos os anos aumenta o número de pessoas identificadas como “anticorpo HIV positivas”, parcialmente devido à expansão dos programas de testes do HIV e também porque muitos dos previamente identificados como anticorpo positivos permanecem vivos e saudáveis. Muitos viveram mais de 10 anos sem desenvolver os sintomas de AIDS preditos ou outros problemas de saúde. Deste modo, o CCD continuamente redefine e alonga o “período de latência” para o desenvolvimento dos sintomas da AIDS. Para cada ano que passa, o período de latência tem sido alongado em cerca de um ano adicional. Não somente o HIV “esconde-se” no organismo, ele “dorme”. Isto é, é claro, uma tentativa acientífica para salvar uma hipótese que falha em acuradamente predizer uma patologia ou epidemia observada.

D) O HIV é um virus de difícil e ineficiente transmissão de um organismo a outro, tanto acidentalmente, por meios sexuais, quanto por injeção deliberada. Muitas tentativas foram feitas para infectar primatas com a doença da AIDS através da injeção direta do HIV – quando assim expostos, os primatas podem desenvolver respostas de anticorpos típicas mas não adoecem e nem morrem. Cerca de 150 chipanzés foram infectados por injeção de HIV pelo National Institute of Health, em um programa que começou há 10 anos atrás e todos estão ainda saudáveis. Ferimentos com agulhas em hospitais onde o pessoal de saúde foi acidentalmente exposto a sangue contaminado com HIV também falharam em demonstrar claramente sintomas de AIDS. Por si, o vírus não “infecta” facilmente e produz somente a bem conhecida resposta de anticorpos mas não os sintomas da AIDS.

E) O HIV não mata pronta ou rapidamente as células sanguíneas do tipo t-helper que atuam como suas hospedeiras. Aparentemente infecta estas células somente com grande dificuldade e uma vez lá instalado vive calma e sossegadamente nestas células durante o período de vida destas, sem proliferar significativamente para outras células ou tecidos. Assim como Duesberg afirma, esta é precisamente a natureza do retrovírus que não mata sua célula hospedeira e leva uma vida bem tranquila no organismo. Nos laboratórios, o HIV crescerá em culturas celulares somente com grande dificuldade. Por contraste, vírus que produzem sintomas mortais proliferam rapidamente, crescem rapidamente em culturas celulares, infectam muitos tipos de células e as matam produzindo assim a sintomatologia aguda. Vírus ativos são espalhados amplamente em tal organismo adoecido pelo vírus e estes não são difíceis de encontrar ou localizar. O HIV não faz nada disso e por esta razão, Duesberg sugere que seja um retrovírus transmitido na época perinatal que tem estado presente em pequena percentagem dos seres humanos por gerações sem nenhuma patologia associada. O HIV foi observado pela primeira vez somente há alguns anos porque a tecnologia para identificar e procurar retrovírus foi desenvolvida em anos recentes. Em poucos casos há evidências de que o HIV pode produzir sintomas semelhantes a gripes suaves dentro de 24 a 48 h após a infecção em novo organismo mas, após isto não há efeitos adicionais no indivíduo.

F) Duesberg aponta o fato de que antes da descoberta dos retrovírus e antes da identificação e proclamação da AIDS como doença infecciosa, pessoas dos grupos de risco morriam com os mesmos sintomas e eram diagnosticadas de modo muito diferente. Antes da AIDS os mesmos sintomas eram diagnosticados como candidíase, tuberculose, pneumonia, sífilis, anemia, demencia, sarcomas e outras doenças ou infecções bem conhecidas dos médicos. Hoje, o diagnóstico de AIDS é realizado quando quaisquer de 25 diferentes sintomas de doenças aparecem em presença de HIV ou anticorpos HIV. Se apresentam sintomas e possuem traços de HIV em seus corpos os médicos dizem que “está com AIDS”; se não são encontrados traços do HIV, são diagnosticados como sofrendo de uma ou mais das 25 doenças originais. Duesberg aponta a incrível potência atribuida a este vírus, HIV, o qual é dito produzir tal ampla variedade de sintomas – e ainda, como discutido acima, estudos laboratoriais do HIV sugerem sua natureza obscura, sua não toxidade e sua difícil transmissibilidade.

G) A hipótese do HIV da AIDS está embasada na teoria viral das doenças. No entanto, historicamente, as teorias virais das doenças geralmente falharam em descobrir cura ou melhoria dos tratamentos. Isto é particularmente verdadeiro para o câncer e outras doenças degenerativas imunológicas. O apoio financeiro para pesquisas de vírus havia declinado abruptamente ao longo dos anos. Mas, a AIDS mudou tudo. O HIV foi trazido ao público, não em um acontecimento científico, mas em uma reunião da imprensa em Washington D.C. Em abril de 1984, Margaret Heckler, então Secretária da Saúde e Serviços Humanos anunciou que “a causa da AIDS havia sido encontrada” e então apresentou o Dr. Robert Gallo, o qual anunciou sua “descoberta do vírus da AIDS” a uma imprensa faminta por estórias. Este evento político eventualmente foi obscurecido pelo fato de que Gallo interpretou mal “sua” descoberta do HIV – de fato, ele havia adquirido suas amostras do HIV emprestadas de seu real descobridor, Luc Montaigner do Instituto Pasteur de Paris. Uma prolongada batalha legal desenvolvida para demonstrar quem iria se assenhoriar dos lucrativos direitos de patente internacionais dos testes de anticorpos de HIV, os chamados testes de AIDS que custam de U$15 a U$50 cada um. Ambos governos, americano e francês, entraram na disputa legal apoiando respectivamente seus cientistas. Mais tarde, em um acordo fora do tribunal, Gallo e Montaigner concordaram em dividir os royalties e uma nova “história oficial da descoberta do HIV” foi escrita e distribuida, pasteurizada de todas referências desagradáveis ao roubo anti-ético de idéias ou da disputa legal. Afortunadamente Gallo foi mais tarde desmascarado e ninguém digno de crédito da comunidade científica apoiou a “história oficial”. No entanto, Gallo jamais foi censurado por sua conduta aética e coleciona nomas menções e medalhas quase todos os meses assim como seu laboratório está bem suprido dólares originários de impostos pagos. Em contraste, Duesberg, o maior crítico de toda esta coisa rota, foi censurado e isolado devido a suas críticas assim como extintos os fundos para suas pesquisas. Do modo como centenas de milhões de dólares do tesouro público tem sido destinados aos laboratórios dos pesquisadores do HIV=AIDS e em geralmente ineficazes e contraproducentes programas educacionais de “sexo seguro”, não surge nenhum avanço no tratamento ou prevenção da AIDS. A Hipótese HIV da AIDS não produziu benefícios ao público e é um desastre total mas, é um cobiçoso alvo para interesses especiais!

II. Epidemiologia da AIDS

Como mencionado na referência prévia ao livro de Fumento, não há evidência epidemiológica demonstrando uma “epidemia de AIDS” ocorrendo fora dos grupos de risco. Os grupos de alto risco estão certamente sofrendo de muitos sintomas sérios de doenças mas as questões permanecem: São os sintomas e doenças apresentados por estes gruopos resultado da exposição à infecção pelo HIV? Ou são produto de doenças infecciosas bem conhecidas florescendo oportunisticamente em indivíduos cujo comportamento, estilo de vida, desnutrição e medicamentos os enfraqueceram gravemente, tornando-os excepcionalmente vulneráveis e expoliados?

A) Homosexuais e bisexuais de comportamento promíscuo permanecem o maior grupo de risco da síndrome da AIDS. Aqui, pode-se falar de uma subcultura com uma coleção de líquidos corporais compartilhados sofrendo infecções crônicas múltiplas. Epidemias menores de doenças sexualmente transmissíveis (DST), incluindo-se sífilis, gonorréia e herpes como também hepatite ocorreram nas comunidades gays dos Estados Unidos. Infecções do intestino, bexiga e sistema urinário relativas a contaminações são comuns (p.ex. a síndrome do intestino do gay – the gay bowel syndrome – gotas, etc). Exposições crônicas tanto a materiais infectados quanto organismos e correspondentemente altas taxas de exposição a medicamentos antibióticos podem ser parte integral do estilo de vida promíscua gay onde dezenas de contatos sexuais podem ocorrer por semana, destruindo a saúde e o funcionamento do sistema imunológico. Mesmo antes da descoberta do HIV e da identificação da AIDS, as saunas públicas, a promiscuidade gay, os quais mais e mais “saiam dos armários”, tornaram-se um pesadelo para a saúde pública. Este estilo de vida inclue o concomitante uso de várias drogas depressoras do sistema imune legais e ilegais. Entrevistas com gays e pacientes sintomáticos de AIDS demonstraram o amplo uso de cocaina, anfetaminas, maconha, álcool, estimulantes sexuais, afrodisíacos, designer drugs e nitritos amil e butil frequentemente ingeridos em várias misturas. A partir de todos estes fatores combinados pode-se prontamente perceber no que um sistema imunológico severamente danificado pode resultar. Novamente, esta é uma Acquired Immune Deficiency Syndrome (Síndrome de Imuno Deficiência Adquirida). Particularmente, o sarcoma de Kaposi foi identificado como resultante da exposição ao nitrito, mesmo antes da era da AIDS e foi especificamente ligado ao uso demasiado dos “poppers” – esta droga em particular é um dilatador do esfíncter, permitindo ao indivíduo tolerar a insersão do pênis ou mesmo o punho de outro homem no ânus (técnicas de punho). Estas vigorosas agressões aos homosexuais passivo-receptivos se correlacionam com o esgaçamento dos tecidos retais, mesmo fístulas, tudo levando à destruição das barreiras de proteção contra infecções.

B) Usuários de drogas ilegais cujas condições sociais e estilo de vida incluem doenças frequentes juntamente com desnutrição e a injeção de substâncias estranhas na corrente sanguínea, também correm o risco de depleção do sistema imune. Geralmente as experiências de vida de tais dependentes são as da pobreza e negligência da saúde pessoal e higiene, assim como da injeção de substâncias estranhas na corrente sanguínea diariamente. Ao longo dos anos estes grupos sofrem e declinam imunologicamente. Duesberg adequadamente aponta a ingenuidade incrível dos programas de propaganda da “agulha limpa” que fornecem agulhas estéreis com as quais substâncias imunodepressoras podem ser injetadas na corrente sanguínea. A cocaína, a anfetamina ou heroina que um dependente injeta pode ter sido coletada à mão na Ásia ou América do Sul, pode ser empacotada e processada em barracos sujos, misturada com solo e insetos e do mesmo modo manipulada por dezenas de pessoas possivelmente doentes quando transportadas para os EUA. No entanto, por alguma razão nos é dito que a AIDS será prevenida se estas pessoas simplesmente injetarem esse lixo com uma agulha limpa! Claramente não existe ciência por trás de tais asserções motivadas politicamente. Há bons argumentos para se dar apoio aos dependentes e descriminalizar drogas ilegais mas “combater a infecção pelo HIV” não é uma delas.

C) Indivíduos positivos ao anticorpo HIV podem também sofrer um risco à saúde devido a medicamentos para a AIDS rotineiramente administrada por médicos não críticos à propaganda dos laboratórios de drogas. Há, por exemplo, grandes números de indivíduos HIV anticorpo positivos que por vários anos permanecem livres de sintomas de AIDS ou de qualquer outra doença significativa. Quando tratados com medicamentos tais como o AZT, no entanto, estes pacientes adoecem e morrem devido à uma “doença desgastante”. A questão é se eles morrem devido à AIDS induzida pelo vírus ou devido à toxidez do AZT? A história guarda muitos exemplos onde médicos erroneamente atribuiram a micróbios várias doenças que de fato eram produzidas por seus próprios medicamentos. A epidemia japonesa “Smon” terminou abruptamente quando o antidiarréico tóxico clioquinol foi retirado. A “neurosífilis” desapareceu após os médicos pararem de praticar tratamentos tóxicos com arsênico e mercúrio em favor da penicilina quando de legítimos sinais iniciais de sífilis comum. Ambos eram considerados responsabilidade de micróbios, assim como o escorbuto e a pelagra, desaparecidos quando descobertas de deficiências vitamínicas das décadas passadas foram tomadas seriamente pelos médicos comuns. A respeito do AZT, o tratamento favorito da AIDS, este inicialmente foi uma droga quimioterápica experimental banida do tratamento de câncer devido aos efeitos tóxicos colaterais. De fato, o AZT é um finalizador da cadeia de DNA que suprime as funções do sistema imune e produz muitos dos sintomas atribuidos ao HIV! De acordo com Duesberg e seus associados, pacientes tratados com AZT raramente vivem mais que alguns anos. Além disto, os poucos estudos controlados do AZT realizados na Europa demonstram que a droga por si produz sintomas idênticos aos da AIDS e mata pessoas em altas percentagens de modo que ninguém sabe ao certo se milhares de pacientes HIV positivos assintomáticos que tomaram a droga e morreram, morreram devido à uma AIDS induzida ou devido à intoxicação pelo AZT. Muitos jovens e celebridades de Hollywood que foram apresentados em programas de TV pregando “sexo seguro” e “sexo pode matar” e que mais tarde morreram de “AIDS” foram tratados com AZT desde o início, mesmo não apresentando sintomas ou poucos sintomas de má saúde no início de seus programas de ingestão de AZT. Alguns exemplos: Arthur Ashe, o tenista profissional, e Kimberly Bergalis que supostamente contraiu AIDS de seu dentista na Flórida – Bergalis apresentava somente uma leve infecção por fungos ao início de seu programa de AZT. De modo típico, a mídia noticiosa divulgou amplamente os detalhes de suas graduais degenerações e dolorosas mortes que exibiram todos os sintomas clássicos da intoxicação pelo AZT. Enquanto isto, Duesberg e outros críticos do AZT foram rotineiramente censurados nas mídias que asseguravam ao público somente boas coisas sobre o AZT e “os progressos no tratamento da AIDS”.

D) Hemofílicos e crianças imuno suprimidas são frequentemente identificadas como “de grupo de risco” de AIDS. Porém, por definição, estes são grupos que já sofrem grandes problemas de saúde. Hemofílicos recebem múltiplas transfusões endovenosas por vários anos, repetidamente expondo-se a produtos sanguíneos como a outros poderosos medicamentos podem ser prescritos. O mesmo acontecendo com crianças imuno suprimidas cujas mães frequentemente são dependentes químicas (viciadas em drogas) e desnutridas. De todos estes indivíduos, somente uma pequena proporção poderiam estar infectados pelo HIV – de fato, a proporção de infectados entre os hemofílicos ou crianças imuno suprimidas nunca foi maior do que a que sempre existiu na população em geral. E mais, nunca foi demonstrado que as infecções pelo HIV ocorrem mais frequentemente entre os doentes hemofílicos agudos ou crianças imuno suprimidas do que entre os não tão agudamente doentes e que se recuperam razoavelmente. Novamente, os problemas de saúde de tais hemofílicos doentes e crianças nunca foram demonstrados como que causados pelo HIV.

E) Geralmente a promiscuidade heterossexual não tem correlação com AIDS e por si, não é fator de risco. Estudos de prostitutas de bordéis do estado de Nevada que não permitem o sexo anal e o uso de drogas demonstram a ausência de infecção pelo HIV ou sintomas semelhantes aos da AIDS. No entanto, prostitutas de rua de grandes cidades como Nova Iorque, frequentemente sofrem danos no sistema imunológico devido não à promiscuidade sexual mas, devido ao uso de drogas, má nutrição e outros fatores relacionados a viver nas ruas. O uso de drogas e a má nutrição associada é também mecanismo de depleção do sistema imunológico entre os grupos cujos “fatores de risco” é frequentemente mau identificado, por falta de informação, como simples “transmissão heterossexual do HIV”. Estes grupos incluem as camadas sociais baixas das populações das cidades que fazem alto uso de drogas, estão desnutridas e apresentam outras correlações danosas ao sistema imune. Seria incorreto dizer que raça, fatores étnicos e status de imigração desenvolvem papel no risco de AIDS e do mesmo modo é incorreto que a “transmissão heterossexual do HIV” é o mecanismo pelo qual o sistema imunológico foi danificado. Os “fatores de risco” relacionados a algumas minorias raciais e grupos de imigrantes são os mesmos identificados acima para as maiorias raciais de não imigrantes: comportamento, estilo de vida, dieta e meio ambiente.

F) A “epidemia da AIDS” nos EUA e Europa é fundamentalmente diferente da africana, tendo-se a impressão de duas epidemias completamente não relacionadas entre si. Nos EUA e Europa, principalmente os elementos masculinos são afetados, tanto homossexuais ou dependentes químicos; sendo nenhum outro vírus ou doença sexualmente transmissível são assim tão seletivos. Ao contrário, a AIDS africana apresenta sintomas diferentes dos observados nos EUA e Europa, apresentando um quadro típico há muito observado pelos médicos lá. A AIDS africana aproximadamente aflige tanto homens quanto mulheres. Nos EUA e Europa a epidemia não afeta primariamente os seres mais frágeis da sociedade, crianças e velhos, que normalmente são mais propensos a desenvolverem doenças infecciosas. Ao contrário, o HIV é dito afetar os mais fortes, aqueles adultos jovens entre 20 e 30 anos. Novamente, estas diferenças epidemiológicas sexo seletivas, idade seletivas e geograficamente distorcidas não são características de outras doenças infecciosas.

G) Na África, há pouco dinheiro para medidas de saúde pública e assim o caro teste de anticorpos do HIV ou “teste da AIDS” é raramente realizado. O diagnóstico de “AIDS”, tal qual hoje aceito pela Organização Mundial da Saúde e outros organismos de saúde pública é meramente a apresentação de sintomas de várias doenças relacionadas à AIDS. Através deste criativo relacionamento, vastos números populacionais na África são dados como morrendo de AIDS não provada e não documentada. Fatores tradicionais de mortalidade na África que tem sido terríveis por séculos (fome, desnutrição, parasitas, infecções e as amplamente difundidas Doenças Sexualmente Transmissíveis – DST -) são ignoradas nesta febre para classificar o problema como uma doença causada por um simples vírus: o HIV. A epidemiologia da AIDS na África certamente não nos dá evidências em apoio à hipótese do HIV e de qualquer modo não pode ser usada para fazer qualquer predição significativa sobre a futura saúde de americanos e europeus.

H) Nos EUA, falazes manipulações estatísticas inflacionaram os números de indivíduos infectados pelo HIV e mortes por AIDS. Primeiramente, o CCD precocemente desenvolveu o hábito de classificar os indivíduos HIV positivos de acordo com critérios políticos não científicos. Por exemplo, imigrantes HIV positivos frequentemente não declaram homossexualidade ou uso ilegal de drogas. O uso de drogas é um crime passível de deportação e muitas nações possuem tabus sociais mais severos em relação à homossexualidade. Assim, estes grupos rotineiramente apresentaram menores números de homossexuais e usuários de drogas, inflacionando a categoria “desconhecida”. Quando o público em geral começou a associar este fator “desconhecido” para nacionalidades específicas, desenvolveu-se preconceito e devido a razões sociais, grupos inteiros foram reclassificados na categoria de “transmissão heterossexual de HIV”. Números revisados foram então liberados pelo CCD, mostrando um surto nos números de “transmissão de HIV através de contato heterossexual”. Então, os jornais publicaram “um dramático aumento no número de pessoas infectadas pela AIDS através de transmissão heterossexual” com extrapolações para o ano 2000 sugerindo que toda a humanidade estaria infectada: p. ex.: “todos correm perigo”. Somente alguns jornalistas, como Fumento, publicaram as reais razões do “aumento”.

I) A definição do que constitui-se a AIDS tem constantemente se expandido, com mais doenças sendo incorporadas à lista a cada ano que passa. Hoje, não somente a tuberculose, a pneumonia, a sífilis, o herpes, a anemia, a demência, o sarcoma de Kaposi e outras doenças há muito conhecidas frequentemente agrupadas sob a bandeira da AIDS mas também, problemas tais como a síndrome da fadiga crônica e infecções por fungos estão sendo redefinidas de forma encaixarem-se na infecção pelo HIV. Estes dois últimos problemas afligem às mulheres em alta proporção e a reclassificação destes em “indicadores da AIDS” inflacionou de forma acientífica a categoria de “risco heterossexual”. Quando ocorrem estas reclassificações de doenças pela mágica dos balões de números de “vítimas infectadas da AIDS”, sempre sem sólidas evidências epidemiológicas ou provas, a mídia de notícias, é claro, apresentam estes novos números com o drama de sempre e falta de senso crítico.

J) As correlações entre anticorpos anti HIV, HIV ativo e sintomas de doença dos indivíduos acima nos grupos de “alto risco” nunca foram comprovadamente dados como mais do que correlações espúrias, não possuindo características casuais pertinentes. Isto é verdadeiro para todas as “doenças AIDS”, erroneamente atribuídas ao HIV. Estas mesmas doenças aparecem na população em geral com ou sem evidências de exposição ao HIV. Além do mais, o anticorpo anti HIV está presente em muitos grandes segmentos da população em geral, sem que isso evidencie qualquer patologia ou doença associada – exceto quando estes indivíduos assintomáticos são assustados pela máquina de propaganda da AIDS e levados a medicarem-se com o AZT. Para provar que o HIV é a causa da AIDS e tornar o HIV = AIDS mais do que uma hipótese especulativa, seria necessário mostrar a presença do HIV em pacientes com doenças de AIDS entre os quais suas histórias pessoais não incluam: 1) homossexualismo masculino crônico com abuso de drogas associado e dependência de antibióticos, 2) ingestão massiva ou injeção de drogas legais e ilegais e, 3) uso de medicamentos tóxicos, incluindo-se o AZT. Do mesmo modo, deveria-se ter que demonstrar que o HIV não estaria presente em grupos de indivíduos saudáveis e assintomáticos. A despeito dos milhões gastos com pesquisas da AIDS, este estudo jamais foi realizado. Os argumentos de Duesberg encontraram somente ouvidos surdos e teimosamente arrogantes em sua maioria. E mais, sem fundos, nem Duesberg e nem seus colegas podem assumir por si mesmos tal estudo controlado. Os fundos para financiamento de pesquisas fluem hoje somente em direção dos Fundamentalistas do HIV.

III. A Política da AIDS

A) Os advogados dos programas de distribuição de camisinhas não possuem evidências científicas dignas de crédito para apoias os objetivos estabelecidos pela sua engenharia social. Estudos sobre a segurança e eficácia das camisinhas primeiramente sugerem a inaptidão das mesmas para impedir a passagem de partículas do tamanho dos vírus. Isto é particularmente verdadeiro para aquelas de paredes mais finas. Além disto, a taxa de defeitos das camisinhas é uma preocupação maior não questionada nesses programas. Camisinhas mais espessas resistem melhor a rompimentos mas, as mais finas são mais procuradas por proporcionarem maior sensibilidade durante a relação. No entanto, as variedades mais finas tendem a se romper com mais facilidade e todas elas diminuem o prazer sexual. As consequências deste fato são: há bastante risco assumido quando se usa camisinhas que podem perturbar a excitação do homem, causando perda temporária de ereção e a camisinha pode se desprender ou romper. A eficácia das camisinhas não é assim tão boa nem mesmo com propósitos de contrôle de natalidade – situando-se em seguida ao método rítmico simples e do coito interrompido, sendo frequentemente citados como método utilizado por mulheres entrevistadas em clínicas de aborto.

Dada a ausência de evidência ligando o HIV com a AIDS e o desempenho geralmente pobre das camisinhas levanta-se a questão dos motivos da propaganda das camisinhas. Dois elementos vêm à mente: primeiramente, as camisinhas definitivamente afastam da mulher o contrôle das práticas de contrôle de natalidade e assim naturalmente mais fadadas a funcionarem tais como a pílula e o diafragma – portanto, dada a extensão em que reduzem a praticabilidade de métodos melhores de controle de natalidade, tendem a aumentar as gravidezes indesejadas. Também parece que a propaganda e distribuição de camisinhas foram concebidas de forma a aumentar a ansiedade por sexo tanto quanto diminuir o prazer. Os ativistas da camisinha raramente citam a redução do prazer sexual associada e geralmente as distribuem como parte de histéricos programas educacionais de “sexo seguro” cujos ativistas com os quais entrei em contato demonstraram um arrogante desinteresse por quaisquer fatos ou evidências que poderiam conflituar seus avisos aos jovens escolares de que “sexo pode matar”.

Fumento mostra uma crescente desconfiança dos adolescentes para com estes “educadores sexuais” – de forma crescente, os jovens estudantes simplesmente não acreditam neles, concluindo (apropriadamente) que tudo que se fala sobre AIDS nas escolas são grandes mentiras concebidas unicamente para amedrontá-los quanto a práticas sexuais. Um fato elucidativo é que antes da AIDS a maioria dos ativistas da camisinha tiveram pouco ou nenhum interesse em assuntos de saúde pública ou aconselhamento de higiene sexual. Do mesmo modo, a grande maioria é totalmente ignorante ou abertamente hostil às descobertas dos críticos da AIDS tais como Peter Duesberg. Na área de São Francisco vemos rotineiramente os maiores extremismos desta mania por camisinhas: cartazes que simultaneamente promovem camisinhas e homosexualismo – homossexuais masculinos de torso nu se beijando ou abraçando e logo abaixo uma curta frase sobre “sexo seguro”. Estes “programas educacionais” públicos fartamente financiados com os impostos que pagamos ou doações de empresas farmacêuticas, cuidadosamente evitam qualquer menção a comportamentos de risco para o sistema imunológico ou os efeitos de “poppers” e outras drogas; tendo realisado pouco ou nada para diminuir danos ao sistema imune nos grupos de alto risco. A AIDS está realmente aumentando hoje entre os jovens homosexuais nas grandes cidades dos EUA. Em paralelo a isto, observamos também um aumento de gravides indesejada entre adolescentes, ao passo que a educação sexual e higiene estão sendo trocadas pela propaganda sexo negativa dos marqueteiros da camisinha.

B) No começo dos anos 90, a Burroughs-Welcome Pharmaceutical, a fabricante do AZT, foi duramente criticada por causa do AZT. Novos estudos demonstraram ausência de benefícios para os usuários da droga e efeitos negativos à saúde documentados. A Burroughs-Welcome então propos diminuição das dosagens – A crítica de Duesberg à esta proposta foi de que, com menos veneno, os pacientes levariam um pouco mais de tempo para morrerem. De modo geral, a resposta do sistema oficial da AIDS a Duesberg e outros críticos da AIDS podem ser resumidos no texto a seguir que é claramente típico em termos do modo como a Grande Ciência trata as vozes dissidentes:

Dissidência na Conferência da AIDS de Berlin

A despeito de mais de 6000 apresentações, nada de útil surgiu na IX Conferência Internacional sobre AIDS (Berlin, 7 a 11 de junho de 1993). O ambiente geral era o do desespero e confusão).

Esperanças que se direcionaram para a vacina experimental de Jonas Salk, para ser aplicada naqueles já “infectados” com HIV foram pulverizadas quando esta apresentação mostrou que a vacina não fez nada produtivo. (o escritor médico da Newsday, Laurie Garret, notou que de 9000 pessoas presentes à conferência da AIDS ouvindo Jonas Salk, algumas “tinham telefones celulares e ligavam para seus corretores de ações em Wall Street diretamente do salão”)

Algum drama foi apresentado pelos frenéticos esforços da Wellcome Pharmaceutical com seu “controle de danos” seguindo-se aos rastros da Triagem Concorde (que mostrava que o AZT não ajudou aos pacientes). A Wellcome patrocinou a cobertura por satélite do simpósio, serviu almoço gratuitamente e publicou anúncios sem avalistas. Os pesquisadores da Concorde firmaram-se em seus achados de que o AZT não traz benefícios para os indivíduos HIV positivos assintomáticos – e as ações da Wellcome continuaram a cair.

De certa forma, Berlin foi um furo. Pela primeira vez em uma conferência internacional sobre a AIDS houve presença de dissidentes que vieram a Berlin a partir da América do Norte e do Sul, da África, da Índia e da maioria dos países europeus. Foi apresentado durante a semana da conferência, a versão em inglês do filme de Fritz Poppemberg, “Os Rebeldes da AIDS”. Críticos da AIDS permaneceram às portas do centro de conferências com bandeiras e panfletos denunciando a “mentira da AIDS” e o “mata ratos AZT”. No canal de TV aberta de Berlin, foram ao ar 9 horas programas de críticas à AIDS, produzidos por Peter Schmidt e Kawi Schneider. Por um dia, os críticos da AIDS tiveram assento no próprio Centro Internacional de Conferências.

Na primeira conferência da imprensa (6 de junho), os jornalistas questionaram os organizadores da conferência por que não foram representadas as vozes alternativas – por exemplo, Peter Duesberg. Habermehl disse que Duesberg não havia apresentado um resumo e que as vozes alternativas estavam representadas pela ACT UP (um grupo ativista homossexual). Os jornalistas não se satisfizeram e mostraram que a conferência havia emitido convites de apresentação para os membros da ACT UP, Project Inform e ao desacreditado especialista em AIDS, Robert Gallo.

Ainda no dia 6 a ACT UP realizou uma conferência para imprensa de pouca aceitação. A maioria dos 300 membros da ACT UP teve seus ingressos de 950 marcos (U$600) paga pelos organizadores. Muitos haviam viajado para Berlin e se hospedado em hotéis com piscina com todas as despesas pagas pela Wellcome. Um representante da ACT UP de Londres admitiu que seu grupo havia recebido 50.000 libras (U$75000) da Wellcome.

No mesmo dia, um programa de TV atacou os “Duesbergianos”. Um representante da organização líder da AIDS, a Deutsche AIDS-Hilfe, disse que ninguém deveria dar ouvidos aos critícos da AIDS e apresentou um engenhoso panfleto de 30 páginas, “É tudo mentira? Argumentos aos críticos da AIDS”. Finalmente, a narradora referiu-se aos críticos da AIDS como “ovos podres” e a câmara fez um close em um ovo quebrado.

Em conferência da imprensa no dia 7, representantes da Organização Mundial da Saúde e do Banco Mundial discutiram vastas quantias alocadas para a “prevenção da AIDS”. Por exemplo, U$250 milhões foram emprestados ao Brasil de modo que a população possa ser informada sobre camisinhas e “agulhas seguras”.

Em conferência para a imprensa no dia 8, Joan Shenton, da Meditel Productions of London perguntou: Não está na hora de se reavaliar a ortodoxia básica da AIDS, incluindo-se o alegado aumento heterosexual? Martin Delaney do Project Inform, um grupo da Califórnia fundado pela Wellcome e outros interesses farmacêuticos, raivosamente confrontou Shenton apertando-a pelo pulso. Delaney, que não é um cientista, foi um dos oradores apresentados. Bobert Laarhoven, um representante da Dutch Foundation for Laarhoven, um representante da Dutch Foundation for Alternative AIDS Research (SAA0) e um jornalista da revista holandesa CARE, perguntaram a Habermehl se o convite a Robert Gallo foi emitido antes ou após ter sido ele julgado culpado por “má conduta científica”. Habermehl recusou-se a responder; Gallo ficou raivoso e gritou para um repórter, “Não me amole!”

No começo da noite de quarta feira, dia 9, Robert Laarhoven apresentou uma mesa de literatura com re-impressões do “Repensando a AIDS”. Durante toda a tarde sua mesa foi um ponto de reunião dos críticos da AIDS. Eu havia esperado hostilidade, mais foi simplesmente o contrário – as pessoas estavam vivamente interessadas em ouvir nossas idéias.

Na quinta feira, dia 10, o Império da AIDS veio à carga. Robert Laarhoven foi abordado por representantes da conferência, polícia e um membro do contrôle de fronteiras. Seu passe de imprensa foi confiscado e ameaçado de deportação da Alemanha por haver cometido “violação criminosa da fronteira” – colocado cópias do Repensando a AIDS sobre uma mesa não autorizada. Muitos outros grupos haviam colocado literatura sobre mesas na mesma área mas, os responsáveis pela conferência não se importavam com eles. Anteriormente nesta semana a SAAO havia solicitado permissão para colocar o Repensando a AIDS na área de informativos à imprensa; tendo sido negada permissão.

Em frente ao ICC, Christian Joswig e Peter Schmidt foram atacados por várias dezenas de membros da ACT UP que destruiram cartazes, queimaram panfletos e tentaram destruir equipamentos e câmaras. Responsáveis pela conferência testemunharam estes fatos e então ordenaram às vítimas que permanecessem no mínimo a 100 metros do ICC.

Ainda no dia 10, 100 membros do ACT UP destruiram um estande pertencente ao AIDS – Information Switzerland. Cantaram obcenidades, destruiram painéis, estantes e cadeiras, rasgaram literatura e cubriram os restos do estande com 30 rolos de papel higiênico. O pecado do grupo suiço foi criticar as camisinhas.

Na conferência de imprensa final, na sexta, dia 11, uma dezena de pessoas da mídia distribuiram o texto “Ofensas Contra a Livre Expressão”. Eu perguntei a Habermehl se ele iria pedir desculpas pelas ofensas contra a livre expressão pelas quais ele era pessoalmente responsável e se ele iria condenar a ACT UP por seus violentos ataques contra os direitos de outros. Ele disse que não. O moderador recusou-se a permitir que outros conhecidos críticos da AIDS, como Joan Shenton, falassem.

Se futuras conferências sobre a AIDS quiserem chamar a si próprias de “espetáculos comerciais”, deixe-as. Porém, se proclamarem quaisquer afinidades com a ciência, deveriam demonstrar mais respeito para a livre expressão da indagação.

(John Lauritsen, Rethinking AIDS Newsletter, 1(7):2, July 1993)


Duesberg e aqueles que o apóiam, somando hoje algumas centenas, tipicamente foram banidos de conferências oficiais e simpósios sobre a AIDS, particularmente nos EUA. Os principais jornais científicos tais como Science e Nature tem publicado estudos seriamente capengas tentando demonstrar que drogas ilegais não causadoras de AIDS, ao lado de condenações a Duesberg e outros críticos da AIDS. Os editores destes jornais tem frequentemente se recusado a publicar críticas aos estudos que mostram onde falharam e do mesmo modo recusam-se a permitir defezas contra ataques pessoais praticados. (The 11 March 19993 Commentary in Nature, by Ascher, et al., “Does Drug Use Cause AIDS?”, e e Editorial de 16 de abril de 1993 da Science são casos em vista – ambos seriamente capengas atacaram Duesberg nominalmente e não foi permitida crítica ou defesa). É a Grande Ciência trabalhando em diabólico conluio com a Grande Medicina, o Grande Governo e a Grande Mídia. Alguns fundamentalistas do HIV foram mesmo convidados ao silêncio pelos críticos da AIDS em pontos onde estavam confundindo o público e causando mortes por induzí-los à medicarem-se com o AZT, vacinas HIV e programas de sexo seguro. Enquanto estes mesmos encontros de conferências e jornais de pesquisa convidarem grupos ativistas homosexuais e darem publicidade para o desacreditado Gallo e outros milionários do HIV/AZT, Duesberg e os críticos da AIDS estão proibidos de terem acesso ao pódio, ameaçados ou fisicamente atacados.Afortunadamente, há uma crescente compreensão pública da atmosfera de circo, de pseudo ciência e interesses mascarados trabalhando por trás da hipótese do HIV na AIDS, assim como o público está mais educado e cético quanto aos novos venenos anunciados por médicos e companias farmacêuticas. Um novo grupo de críticos da AIDS, “Projeto AIDS Internacional” foi formado aparentemente para incriminar legalmente os responsáveis pela Burroughs-Wellcome Pharmaceutical. A alegação é a de que sabiam que o AZT é tanto altamente tóxico e sem efeito contra a AIDS e mesmo assim continuaram a promovê-lo mesmo após milhares de pessoas adoecerem e morrerem devido ao tratamento.Os fatos acima são testemunho da morte geral da ciência e do jornalismo científico crítico nos EUA. Onde está a mídia noticiosa independente? Onde estão os cientistas independentes e as sociedades científicas? A resposta é que estão todos emocionalmente imobilizados e demasiado incapacitados intelectualmente para efetivamente lidar com este assunto sexualmente inflamado que queima, ou foram comprados, ameaçados ou despedidos de cargos de influência junto ao público. Uma vasta e profunda histeria antisexual cultural a maioria das pessoas em relação ao assunto AIDS – simplesmente tagarelam como papagaios o que se vê na TV e jornais. Uma quadrilha de zeladores sexuais ruidosos agora domina a discussão. Suas agendas políticas foram publicadas e muitas vezes tornadas lei. Quase todos, desde os conservadores de direita aos radicais de esquerda, tornaram-se descerebrados apoios de uma lavagem cerebral pública anti heterosexual. Mais, há um estreito conluio de interesses monetários controlando academias, a medicina, a política e a imprensa. Dissidentes da “Verdade Oficial” de que o “HIV causa a AIDS” tem sido efetivamente silenciados. Este conluio de fatores emocionais e econômicos devotadamente impede uma discussão pública e debate do assunto.A Grande Mentira da “epidemia heterossexual da AIDS” satisfaz os mais profundos medos e ódios da gratificação genital do homem comum. O componente emocional é o único fator que explica como e porque esta desastrosa mentira tornou-se uma nova Verdade Oficial, por que questioná-la publicamente é arriscar-se ao isolamento ou ao ataque dos “crentes” – e por que a mitologia trabalhou de modo a reforçar os maior medo do prazer e aspectos sensórios das relações humanas e contato social. A “AIDS” foi a decepcionante resposta da praga emocional a uma caótica e negada revolução sexual, assim como tem sido a decepção mais efetiva do carinho em proporções globais.

Não há prova científica válida ou mesmo evidência sugestiva a apoiar o tremendo investimento com dinheiro dos impostos que pagamos na hipótese de que o HIV causa a AIDS. Com diz Duesberg, a hipótese do HIV não é apoiada pela ciência mas mantida pelo grande poder econômico da indústria farmacêutica, pelas táticas duras de grupos com claras agendas políticas e por muita ciência de má qualidade, frequentemente por aqueles que lucram com o caso. A campanha para informar ao público que “o HIV causa a AIDS” e “todos correm risco de pegar AIDS” é claramente uma Grande Mentira e deveria ser abertamente exposta e desmascarada em todos os níveis possíveis.

Vários anos atrás foi fundado o Grupo de Reavaliação Científica da Hipótese HIV-AIDS como resultado de um esforço para a publicação da carta a seguir em vários jornais científicos proeminentes. A carta hoje tem mais de 500 assinaturas, pelo menos metade delas de Ph. Ds, M.Ds. etc). Para lembrar, a carta ainda não foi publicada em tais jornais:

“É amplamente aceito pelo público em geral que um retrovírus chamado HIV causa um grupo de doenças chamado AIDS. Muitos cientista biomédicos agora questionam esta hipótese. Nós propomos que uma completa reavaliação das evidências existentes em favor e contrárias sejam conduzidas por um adequado grupo independente. Ainda propomos que estudos epidemiológicos críticos sejam planejados e realisados.”

Grupo para a Reavaliação Científica da Hipótese HIV/AIDS

7514 Girard Ave., #1-331 – La Jolla, CA 92037 USA – 810/772-9926 voice, Detroit – 619/272-1621 fax, San Diego

PS 1997: Em anos mais recentes, foram realizados estudos científicos controlados sobre os “testes de AIDS” Western Blot e o Elisa, demonstrando altas taxas de resultados falso positivos tanto em pessoas sadias quanto doentes que haviam sofrido prévio stress imunológico de vários tipos. Os “testes de AIDS” que supostamente são “testes de anticorpos anti HIV”, de fato fazem reação cruzada com anticorpos de um hospedeiro de outras doenças e materiais estranhos no plasma sanguíneo tais como cachumba, difteria, tuberculose, malária, verrugas venéreas e aproximadamente 50 outras condições produzirão anticorpos que podem gerar um “positivo” em tais “testes de AIDS”. Algumas pessoas são dadas como “positivas” e alguns meses depois “negativam”. Ou ainda alguém é positivo em um laboratório e a mesma amostra de sangue é negativa em outro. Mesmo episódios de gripes e antibióticos que alguém tome podem gerar resultados falso-positivos, assim como proteínas estranhas no sangue, o que ocorre em transfusões sanguíneas ou injeção de drogas. O papel do HIV no aparecimento de sintomas de doenças, assim como do aparecimento de reações positivas nos “testes de AIDS” Western Blot e Elisa permanece desconhecido, assim como a aceitabilidade pela medicina oficial, constitue um método totalmente não científico e anti-ético de proporcionar um “diagnóstico”. O melhor conselho é ficar longe dos chamados “testes da AIDS” e também longe de qualquer médico que os defenda.

Mais ainda, evidências críticas adicionais vieram à luz sugerindo que o vírus HIV por si não foi completamente demonstrado de forma científica de modo a justificar sua existência, em oposição a vários artefatos celulares e partículas semelhantes a vírus que tipicamente habitam as células e o plasma sanguíneo de pessoas imunológicamente estressadas, como de muita gente saudável também. Estes novos estudos ainda provam que a AIDS não é um distúrbio infeccioso e não tem relação casual com o vírus HIV.

Se você ou uma pessoa recebeu um resultado “positivo”, certifique-se que a única afirmação científica válida que pode ser feita sobre o Elisa e o Western Blot (ou kits de testes caseiros de AIDS) é a de que o indivíduo foi submetido a algum tipo de estresse imunológico, tanto no presente quanto no passado recente. Os “testes” não dizem nada concreto ou objetivo sobre a presença ou não do HIV. Por esta e outras razões, mais e mais cientistas e leigos estão questionando toda a estrutura da teoria do HIV/AIDS e os malversados bilhões de dólares de impostos que pagamos empregados em campanhas de medo, experiências de engenharia social que nossos governantes e autoridades médicas desenvolvem.

Etiquetado , , , , , ,

FRAUDE EM CIÊNCIA E EM MEDICINA

Uma paciente me perguntou, indignada: Como isso seria possível? Sua revolta fazia sentido. Afinal, acabara de saber que um medicamento por ela utilizado de forma crônica, tinha sido retirado do mercado por efeitos colaterais graves. As publicações científicas que recomendaram seu uso tinham sido “maquiadas” para esconder complicações potencialmente fatais.

“Por que as revistas científicas sofisticadas permitem a publicação de estudos fraudulentos?”. Evitar a publicação de pesquisas fraudulentas, em medicina particularmente, não é tão simples assim. Periodicamente tornam-se notórios casos escandalosos de mentiras médicas. Todos se lembram do caso do pesquisador coreano, Hwang Woo-Suk, que falsificou experiências sobre clonagem de embriões. Também devem recordar a controvérsia mundial sobre um estudo divulgado por um médico inglês, Andrew Wakefield, que afirmava descobrir que a vacina de sarampo causava autismo nas crianças vacinadas. Alarmaram milhões de famílias e autoridades de saúde ao redor do mundo. Recentemente, vários cientistas desqualificaram estes e outros estudos como enganos grosseiros. 

Infelizmente, há a fabricação de resultados, a camuflagem de dados que contrariam as hipóteses dos autores, e a não divulgação de conflitos de interesse ou de corrupção. Cientistas, médicos ou não, afinal são humanos, sujeitos às virtudes e vícios como em qualquer outro segmento da sociedade. Análise sistemática, realizada pela Universidade de Edimburgo na Inglaterra, tem identificado que entre 2% e 14% dos trabalhos em revistas médicas são fraudulentos.

Mas, voltando à pergunta de minha paciente, como revistas científicas e médicas de grande prestígio permitem a publicação, e como os editores destas revistas poderiam “proteger” o público de cientistas e médicos inescrupulosos? Isso já acontece hoje. O processo de publicar um trabalho é complexo, com vários obstáculos e checagens, pelo menos nas revistas médicas com revisores e corpo editorial. Após recebê-lo, o editor envia todos os estudos submetidos a três ou quatro revisores. Estes, geralmente especialistas na área de interesse. Quando os revisores analisam e aprovam o estudo, este é enviado para publicação final. Qualquer dúvida em um ou mais pontos é devolvida para os autores do trabalho para esclarecimentos. Respondidas as dúvidas, decide-se então pela rejeição ou publicação final.

Infelizmente, alguns estudos escapam, para depois serem declarados fraudulentos. Isso não é uma situação simplesmente deplorável, mas ela pode afetar milhares de pacientes ao redor do mundo, causando gastos desnecessários, sofrimento e até morte. Editores, revisores, e até os próprios médicos funcionam como filtros para separar o joio do trigo, mesmo quando os estudos são publicados nas melhores e mais famosos revistas do mundo.

Bom senso, crítica e isenção ajudam a descobrir fraudes e corrupção na ciência. A ganância, a mentira, o conflito de interesse e o mau caráter não podem ser subestimados, nem mesmo na ciência e na arte médica. Vigilância contínua é atualmente a regra no meio científico mundial. E no Brasil também.

Matéria publicada no site Terra Magazine

Riad Younes: Professor Livre Docente da Faculdade de Medicina da USP. Médico do Centro Avançado de Oncologia do Hospital São José e do Núcleo Avançado do Tórax do Hospital Sírio Libanês, São Paulo. Especialista em câncer de pulmão. Foi Diretor Clínico do Hospital Sírio Libanês de março 2007 a março 2011.

Etiquetado , , , , , , ,
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.